<strong>A decisão de Aquiles: Intensidade dramática e narrativa na Patrocléia (<i>Ilíada XVI</i>)</strong>

  • Martim Reyes da Costa Silva Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG

Resumo

 

RESUMO
O artigo pretende discutir como no canto XVI da Ilíada, conhecido como Patrocleia, o poeta cria uma intensidade dramática que explora elementos centrais da narrativa, dando especial relevância ao episódio, que representa a principal reviravolta na trama da obra. Deste modo, a selvageria crescente neste canto traz à tona tanto a temática da irascibilidade diante de uma guerra longa e desgastante, que deu origem ao conflito entre Aquiles e Agamêmnon, quanto a perspectiva das mortes trágicas de Héctor e de Aquiles, centrais para a construção da trama. Em movimentos contínuos, a narrativa explora a dramaticidade da decisão de Aquiles em voltar ou não ao campo de batalha, dando a dimensão dos riscos que o mesmo precisa assumir em cada uma das possibilidades. Movidos pela paixão, Pátroclo e Aquiles discutem e deliberam uma solução parcial – o uso da armadura de Aquiles por Pátroclo – que poderia salvar os Aqueus sem descumprir a promessa de Aquiles de não intervir até que as naus fossem incendiadas. Os destinos trágicos de Aquiles e de Pátroclo se mostram, neste momento, irreversíveis: suas decisões são fruto da perspectiva limitada do próprio destino, característica essencial da condição humana, e os conduzem, junto às intervenções e desígnios divinos, às mortes gloriosas mas carregadas de sofrimento que lhes estavam reservadas.
PALAVRAS-CHAVE: Homero. Ilíada. Patrocleia. narrativa.

 

ABSTRACT
The article discusses how in the sixteenth book of the Iliad (known as Patrocleia) the poet creates dramatic intensity using key elements of the narrative, giving special relevance to the episode, which is the main changing point in the plot of the poem. The increasing savagery in this book brings up both the issue of irascibility in front of a long and exhausting war, that had led to the conflict between Achilles and Agamemnon, as the prospect of the tragic deaths of Hector and Achilles, central to the building of the plot. In a continuous growing, the narrative explores the drama of the Achilles’ decision to return or not to the battlefield, giving the size of the risks it must take in each of the possibilities. Driven by passion, Patroclus and Achilles discuss and deliberate a partial solution – the use of armor for Achilles Patroclus – which could save the Achaeans without undoing the Achilles promise not to intervene until the ships were set on fire. The tragic fates of Achilles and Patroclus shows itself at this irreversible: their decisions are the result of the limited perspective of their own destiny, essential characteristic of the human condition, and lead them along with divine interventions and plans, to the glorious but suffering deaths that were reserved for them.
KEYWORDS: Homer. Iliad. Patrocleia. narrative.

 

Referências

HOMERO. Il Canto di Patroclo (Iliade XVI). 1 ed.Trad. di Maria Grazia Ciani, com. di Elisa Avezzù. Veneza: Marsilio Editori, 1989.

HOMERO. Ilíada. Trad. por H. de Campos. São Paulo: Arx, 2002, 2 vol.

JANKO, R. The Iliad: a commentary. Volume IV: books 13-16 (editor geral G. S. KIRK). Cambridge: Cambridge Uni- versity Press, 1995.

LESKY, A. Divine and Human Causation in Homeric Epic In: Cairns, D. (Ed.), Oxford Readings in Homer’s Iliad. New York: Oxford University Press, 2001.

VERNANT, Jean-Pierre. A bela morte e o cadáver ultrajado. Trad. Elisa. A. Kossovitch e João. A. Hansen. Discurso, São Paulo, Editora Ciências Humanas, n. 9, 1978, p. 31-62.

Publicado
2015-11-22
Edição
Seção
Artigos