Crianças públicas, adultos privados: Falar da infância.

Resumo

Resumo:

Este texto tem como objetivo principal analisar criticamente o discurso atual sobre a infância e o faz entremeando duas dimensões do referido discurso: a histórico-social e a estrutural. Considerando que a concepção da infância e, portanto, a experiência concreta que temos com as crianças é tanto condicionada por determinantes histórico-sociais – História - quanto pelo recalque que todo adulto tem de sua própria infância – psicanálise - dedicamo-nos a perscrutar uma figura emblemática do discurso atual sobre a infância: a infância incluída. No percurso do texto procuramos desenvolver a hipótese segundo a qual a inclusão moderna da infância no cenário das considerações politicas, ou seja, a admissão política de seu caráter público, gerou, entre outras coisas, o efeito paradoxal de encerrar as crianças em um universo no qual sua própria palavra corre o risco de ser eclipsada pela palavra do especialista da infância.

Palavras chave: infância, adulto, inclusão, Psicanálise, História.

 

Biografia do Autor

Rinaldo Voltolini, Universidade de São Paulo
Professor na Faculade de Educação?USP (àrea Psicanálise e Educação)
Publicado
2021-05-13
Seção
Dossiê Rede Interamericana de Pesquisa em Psicanálise e Política