PRÁTICAS DE EXTENSÃO RELATIVAS À INSERÇÃO DA GESTÃO DA INFORMAÇÃO NAS ORGANIZAÇÕES: maneiras de expandir a atuação do profissional da informação no mercado de trabalho

  • Beatriz Rosa Pinheiro dos Santos Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
  • Camila de Biaggi Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
  • Ieda Pelógia Martins Damian Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Ciência da Informação, Gestão da Informação, Profissional da Informação, Mercado de trabalho

Resumo

A pesquisa acadêmica é importante para o desenvolvimento social e econômico do país. Todavia, seja teórica ou não, a pesquisa deve se basear no resultado prático que traz e em como pode contribuir para vida das pessoas e das organizações. As pesquisas devem ser desenvolvidas com perspectivas de aplicação ou de reflexão que levarão ao caminho da prática. É por isso que projetos de extensão são relevantes no âmbito acadêmico; eles viabilizam o trabalho dos pesquisadores. Nesse trabalho, se aborda o campo da Ciência da Informação e, principalmente, a importância da extensão praticada nessa área para a popularização e consistência dos profissionais da informação no mercado de trabalho. Assim, o presente trabalho tem como problema: como as práticas de extensão relativas à inserção da gestão da informação nas organizações podem colaborar com a atuação do profissional da informação no mercado de trabalho? O objetivo é refletir a importância do desenvolvimento de práticas de extensão por parte dos pesquisadores da Ciência da Informação, relativas à inserção da gestão da informação nas organizações, como forma de expandir a atuação do profissional da informação no mercado de trabalho. Para tanto, realizou-se uma pesquisa do tipo bibliográfica e de natureza qualitativa. Os resultados das discussões demonstraram que as práticas de extensão são capazes de popularizar as áreas que estão inseridas no campo da Ciência da Informação, como Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia, de maneira que as pessoas e as organizações passam a conhecer melhor essas áreas e suas relevâncias para os contextos organizacionais. Destaca-se que a inserção dos processos de gestão da informação é o primeiro passo para que os pesquisadores consigam se adentrar as organizações, a fim de buscar reconhecimento da prática profissional de bibliotecários, arquivistas, museólogos e cientistas da informação, como profissionais essenciais para o mercado de trabalho.

Biografia do Autor

Beatriz Rosa Pinheiro dos Santos, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Tecnóloga em Gestão Empresarial pela Faculdade de Tecnologia de Garça, onde realizou Iniciação Científica. Atualmente é Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da UNESP de Marília-FFC, vinculada à linha de pesquisa: Gestão, Mediação e Uso da Informação e membro do grupo de pesquisa Informação, Conhecimento e Inteligência Organizacional da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP - FFC)
Camila de Biaggi, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho
Graduada em Biblioteconomia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho-­ Câmpus Marília. Atualmente é discente do Programa de Pós-­Graduação em Ciência da informação, da Linha de Pesquisa Gestão, Mediação e Uso da Informação.
Ieda Pelógia Martins Damian, Universidade de São Paulo
Docente da Universidade de São Paulo no curso de graduação em Ciência da Informação e Documentação do Departamento de Educação, Comunicação e Informação da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras - FFCLRP/USP. Docente do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação na Unesp - Marília - SP. Possui graduação em Analise de Sistemas pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1994), mestrado em Administração de Organizações pela FEA-RP/USP (2009), doutorado em Administração de Organizações pela FEA-RP/USP (2012).

Referências

BETTENCOURT, M. P; CIANCONI, R.B. Gestão do conhecimento: um olhar sob a perspectiva da Ciência da Informação. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação. ANCIB. v. 5, n. 1. 2012.

BRASIL, escola superior aberta. Você sabe a diferença entre lato-sensu, strictosensu e MBA?. 2016. Disponível em: <https://www.esab.edu.br/voce-sabe-adiferenca-

entre-lato-sensu-stricto-sensu-e-mba/>. Acesso em: 14 mar. 2018.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK , L. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta na era da informação. São Paulo: Futura, 1998.

ROBREDO, J. Epistemologia da Ciência da Informação Revisitada. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO E BIBLIOTECONOMIA, 5., 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: ENANCIB, 2003. p. 1-23.

RODRIGUES, M. Universidade, extensão e mudanças sociais. Uberlândia, 1999. Base de dados do google acadêmico. Disponível em: <http://scholar.googleusercontent/>. Acesso em: 26 ago. 2012.

RODRIGUES, A. L. L; PRATA, M. S; BATALHA, T. B. S. et al. Contribuições da extensão universitária na sociedade. Cadernos de graduação- Ciências humanas e sociais, v.1, n. 16, p.141-148, mar. 2013. Disponível em: <https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernohumanas/article/viewFile/494/254>. Acesso em: 14 mar. 2018.

SANTOS, C. D; VALENTIM, M. L. P. As Interconexões entre a gestão da informação e a gestão do conhecimento para o gerenciamento dos fluxos informacionais. Perspectivas em Gestão & Conhecimento. v. 4, n. 2, p. 19-33. 2014.

SAEGER, M. M. M. T. et al. Organização, acesso e uso da informação: componentes essenciais ao processo de Gestão da Informação nas organizações. Paginas a&b. s. 3, n. 6, p. 52-64, 2016. Disponível em: <http://ojs.letras.up.pt/index.php/paginasaeb/article/view/1545/1590>. Acesso em: 14 mar. 2018.

UNIMONTES, V. Ensino, pesquisa e extensão: uma análise das atividades desenvolvidas no GPAM e suas contribuições para a formação acadêmica. Vitória, Novembro de 2011. Disponível em: <https://scholar.google.com/scholar?q=cache:T1JefkUCcqUJ:sc >. Acesso em: 26 ago. 2012.

Publicado
2018-11-09