ADOÇÃO DA OPEN PEER REVIEW NO PORTAL DE PERIÓDICOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA

  • Joana Coeli Garcia Universidade Federal da Paraíba
  • Maria das Graças Targino Universidade de Brasília
  • Kleisson Lainnon Silva Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Avaliação aberta - Adoção, Portal de Periódicos, Manuscritos

Resumo

A avaliação por pares, seja ela blind ou open review configura-se como procedimento que concede aos manuscritos o status de confiabilidade tornando-os aptos à divulgação a acesso do público. Sendo assim, a  avaliação aberta, foco desse estudo, ergue-se como um mecanismo inovador que possibilita aos protagonistas do enredo editorial, tomarem conhecimento não apenas das identidades, mas dos pareceres emitidos ao longo do fluxo avaliativo, o que fomenta o debate, a transparência e a construção colaborativa da ciência. Neste sentido tem-se como objetivo primordial analisar a viabilidade de adoção da open peer review nas revistas alojadas no Portal de periódicos da Universidade Federal da Paraíba. A fim de alcançar os objetivos propostos, utilizou-se survey como método de investigação para o universo da pesquisa, composto por 45 periódicos classificados de A1 a B5 de acordo com a avaliação trienal da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, sendo enviado o questionário, via e-mail, aos respectivos editores a cada dez dias entre os meses de fevereiro e março de 2018. Ao final a amostra agrupou 14 editores (31,11%). Quanto aos resultados, é válido ressaltar que boa parte dos editores (57%) tem interesse em adotar a avaliação aberta em seu métier.

Biografia do Autor

Joana Coeli Garcia, Universidade Federal da Paraíba
rofessora Titular do Departamento de Ciência da Informação com atuação na Graduação em Biblioteconomia, em Arquivologia e no Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação, da Universidade Federal da Paraíba. Professora Colaboradora no Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação, da Universidade Federal de Pernambuco. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro / Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia. Coordenadora do Grupo de Pesquisa: Da informação ao conhecimento, cadastrado junto ao CNPq. Presidente da ANCIB, período 2009-2010. Membro do Comitê Gestor do PIBIC, até agosto de 2011.
Maria das Graças Targino, Universidade de Brasília
Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília e jornalista, fi nalizou seus estudos em nível de pós-doutorado junto ao Instituto Interuniversitario de Iberoaméricada Universidad de Salamanca, e Máster Internacional en Comunicación y Educación, Universidad Autónoma de Barcelona (Espanha). Atuou como pesquisadora junto ao referido Instituto / USAL, de março de 2010 a julho de 2011. Ao longo das décadas, escreveu centenas de artigos técnico-científi cos,capítulos de livros e livros nas áreas de ciência de informação e comunicação, enveredando pela literatura. Após manter vinculação com a Universidade Federal do Piauí por 30 anos, atua como Coordenadora Local do Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica / Universidade Federal do Piauí (PARFOR/UFPI) e como docente do quadropermanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Dentre atividades atuais, também é membro da Comissão Editorial (permanente ou ad hoc) de diferentes periódicos nacionais e internacionais. Escreve, a cada semana, coluna de opinião no jornal diário O Dia, Teresina – PI. Dentre os prêmios conquistados está o Prêmio Nacional Luiz Beltrão de Comunicação.
Kleisson Lainnon Silva, Universidade Federal da Paraíba
Graduando em Biblioteconomia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), pesquisador PIBIC.

Referências

AMSEN, E. What is open peer review? 2014. Disponível em:

<http://blog.f1000research. com/2014/5/21/what-is- open-peer-review>. Acesso em: 16 mar. 2018.

DE COURSEY, T. Perspective: the pros and cons of open peer review. Nature, 2006. Disponível em: <https://www.nature.com/nature/peerreview/debate/nature04991.html>. Acesso em: 15 mar. 2018.

FORD, E. Defining and characterizing open peer review: a review of the literature. Portland: Portland State University, 2013.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisa; amostragens e técnicas de pesquisa; elaboração, análise e interpretação dos dados. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Brinquet de Lemos Livros, 1999.

MUELLER, S. P. M. A ciência, o sistema de comunicação científica e a literatura científica. In: CAMPELLO, B. S.; CENDÓN, B. V.; KREMER, J. M. (Org.). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2000.

NASSI-CALÒ, L. Avaliação por pares: modalidades prós e contras. SciELO em Perspectiva, [S. l.], mar. 2015. Não paginado. Disponível em: <http://blog.scielo.org/blog/2015/03/27/avaliacao-por-pares-modalidades-pros-econtras/#. WruogojwZPY>. Acesso em: 15 mar. 2018.

______. Aumenta a adoção de avaliação por pares aberta. SciELO em Perspectiva, [S. l.], jan. 2017. Não paginado. Disponível em: <http://blog.scielo.org/blog/2017/01/10/aumenta-a-adocao-de-avaliacao-por-paresaberta/#.WrwfB4jwZPZ>. Acesso em: 15 mar. 2018.

PAVAN, C.; STUMPF, I. R. C. Avaliação pelos pares nas revistas brasileiras de ciência da informação: procedimentos e percepções dos atores. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Florianópolis, v. 14, n. 28, p. 73-92, 2009.

PODRANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Universidade Feevale, 2013.

SPINAK, E. Sobre as vinte e duas definições de avaliação aberta... e mais. SciELO em Perspectiva, [S. l.], fev. 2018. Não paginado. Disponível em: <http://blog.scielo.org/blog/2018/02/28/sobre-as-vinte-e-duas-definicoes-de-revisaopor-pares-aberta-e-mais/#.Wr0Zg4jwZPY>. Acesso em: 15 mar. 2018.

Publicado
2018-11-09