COMPETÊNCIA EM INFORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS NEGOCIADORES NA ATUAÇÃO NOS MERCADOS INTERNACIONAIS // PROFESSIONAL NEGOTIATORS' INFORMATION LITERACY IN THE INTERNATIONAL MARKET PERFORMANCE

Roberto Vilmar Satur, Emeide Nóbrega Duarte

Resumo


A informação e o conhecimento são as principais necessidades e recursos para as pessoas conviverem em sociedade e atuarem estratégica e profissionalmente no mercado em um contexto de evolução constante das Tecnologias da Informação e da Comunicação e/ou Tecnologias Digitais da Informação (TICs/TDIs) e de excesso de informações, na denominada Sociedade da Informação e do Conhecimento. Investiga a Competência em Informação dos negociadores brasileiros que atuam no mercado internacional, levando em conta o contexto da interculturalidade no mercado em que atuam. O objetivo geral é analisar as competências em informação de que o profissional negociador precisa para atuar nos mercados internacionais. Apresenta, teoricamente, a relação da Gestão da Informação e do Conhecimento com a Competência em Informação e sua interligação com as Negociações Internacionais e a atuação dos profissionais negociadores. Trata-se de um estudo de natureza qualiquantitativa e aplicado, para cujo desenvolvimento foi utilizado o modelo de Competência em Informação de Bruce que foi base para elaborar o instrumento de coleta dos dados aplicado aos negociadores internacionais brasileiros que atuam no mercado. Depois de aplicados, os questionários foram validados e utilizados na análise dos resultados. Para esta análise, utilizaram-se softwares como o Excel e o SPSS, e a partir dos resultados obtidos, fez-se a análise. Esses resultados também consideraram duas entrevistas feitas com experts da área. Confirma que, como a informação é o principal recurso que o negociador internacional emprega para atuar, e as TICs/TDIs são ferramentas importantes para isso, ele deve ter Competência em Informação e não se limitar a ser um usuário da informação. Mostra, ainda, que a maioria dos negociadores internacionais sabem usar bem as TICs/TDIs, encontrar e usar fontes de informação e deflagrar processos de busca e controle da informação. Demonstraram que preferem o arquivamento em meios eletrônicos ou combinados (eletrônicos e físicos) e conhecem os conteúdos mais relevantes do chamado conhecimento de base para atuar na área. Fazem análise crítica da informação, transformam-na em conhecimento e o expandem com novas ideias e são criativos. Além disso, usam, de forma sábia, a informação e o conhecimento, não só em seu benefício, mas também em benefício de outros, impactando positivamente as pessoas envolvidas. Tiveram mestres inspiradores em sua profissão e ensinam a outras pessoas que queiram atuar na área. Apresenta, além do perfil dos negociadores e do resultado de sua Competência em Informação, a proposta de um modelo de Competência de Informação para esses negociadores e temas relevantes para Cursos de Formação na área, visando formar profissionais negociadores competentes e mais preparados para atuarem no mercado atual, em que prevalece a chamada Sociedade da Informação. Como considerações finais, afirma que os profissionais negociadores internacionais são trabalhadores do conhecimento e não tão somente usuários da informação. São competentes em informação levando em conta todas as categorias de Bruce, e são trabalhadores do conhecimento que atuam na Sociedade da Informação. Traz contribuições para a profissão do negociador e para a Ciência da Informação e demonstra o quanto essa Ciência tem espaço para crescer sendo interdisciplinar ou aplicada às demais áreas.

 

Information and knowledge are the main needs and resources for people to live in society to use them strategically and professionally in the market in a context of constant evolution of Communications and Information Technology (CIT), or Digital Information and communication technologies (Digital ICTs) and excessive information in the so-called Information Society or Knowledge Society. The professionals who work can no longer be limited to being users of information, therefore, they must be competent in relation to this subject. In this thesis, we investigated the information literacy (IL) of Brazilian international negotiators working in the international market, considering this context of interculturality  in the market they are in. The main objective of the study is to analyse the IL that the professional negotiator needs to work in the international markets. Initially it presents the theoretical relationship of Information Management and Knowledge with Information Literacy and the interconnection of these with the international negotiations the performance of negotiating professionals. It is a qualitative and applied study, which was development under the Bruce’s model and its seven categories. This model was the basis for elaborating the data collection instrument which was applied to Brazilian international negotiators operating in the market. After being applied, the questionnaires were validated and used in the analysis of the results. In this analysis, software such as Excel and SPSS were used in order to analyses the data and its results. The analysis also considered two interviews with experts in the field. The research established that, since information is the main resource that the international negotiator uses in his/her job, and the CIT / Digital ICTs are important tools. The negotiator must have information literacy and, therefore, he/she should not be limited to being an information user. The study also showed that most of the international negotiators surveyed know the CIT / Digital ICTs, they know how to find and use information sources, deflagrate their search processes and control them. On the control of information, they demonstrated that they prefer archiving in electronic or combined media (electronic and physical) and know the most relevant contents of the so-called basic knowledge to work in the area. They critically analyse information, transform it into knowledge and expand it with new and creative ideas. In addition, they wisely use information and knowledge not only for their benefit, but also for the benefit of others, making a positive impacting in the people involved. And since they have had inspiring teachers in their profession, as a retribution, they teach other people who want to work in the area. In addition to the profile of the negotiators and the result of their IL, the thesis proposes an IL model for these negotiators and points out relevant themes to Training Courses, aiming to form competent snd better prepared professional negotiators to work in the current market, in which the so-called information society prevails. As a final remark, it states that international professional negotiators are knowledge workers and not just information users. They are information proficient taking into account all Bruce’s categories, knowledge workers who labour in the Information Society. This study brings contributions to the profession of the negotiator and the Information Science as it demonstrates how much this Science has space to grow being either interdisciplinary or applied to the other areas.


Palavras-chave


Competência em Informação; Negociadores Internacionais; Informação; Conhecimento; Ciência da Informação.

Texto completo:

PDF

Referências


ACRL - Association of College & Research Library. Information literacy competency standars for higher education. http://www.ala.org/acrl/standards/informationliteracy competency. Acesso em: 09 maio 2016.

ALCARÁ, A. R. et al. Fatores que influenciam o compartilhamento da informação e do conhecimento. Revista Perspectiva em Ciência da Informação. v.14, n.1, p.170-191, jan./abr., 2009.

ALMEIDA JR., O. F. Mediação da informação e múltiplas linguagens. Pesq. Bras. Ci. Inf., Brasília, v. 2, n. 1, p. 89-103, jan./dez.2009. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2015.

ALVARENGA NETO, R. C. D.; BARBOSA, R. R. Gestão da Informação e do Conhecimento em organizações brasileiras: proposta de mapeamento conceitual integrativo. ENANCIB - Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 6. Anais..., 2005 - Florianópolis, SC. (GT 4: Gestão de Unidades de Informação)

ALVES, F. M. M.; ALCARÁ, A. R. Modelos e experiências de Competência em Informação em contexto universitário. Encontros Bibli, v. 19, n.41, p.83-104, set./dez., 2014. Disponível em: . Acesso em: 02 mai. 2016.

AMA, American Marketing Association. Disponível em: . Acesso em 29 jun. 2016.

ARAÚJO, C. A. Á. Correntes teóricas da Ciência da Informação. Revista Ciência da Informação. v. 38, n.3 p. 192-204. Brasília: set./dez., 2009.

______. Fundamentos da Ciência da Informação: correntes teóricas e o conceito de informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento. João Pessoa, v. 4, n. 1, p. 57-79, jan./jun. 2014. Disponível em . Acesso em: 28 set. 2015.

ARTIGAS, C. M. T, et al. La formación basada en competencias y la elaboración de los planes docentes de las asignaturas. In:ARTIGAS, C. M. T; TOBÓN, S. T. (Coord.) El diseño del plan docente en Información y Documentación acorde el Espacio Europeo de Educación Superior: un enfoque por competencias.Madrid: FCD/ Universidad Complutense de Madrid, 2006. (Cap. I), p. 9-46. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2016.

ASCES-UNITA. Graduação: Relações Internacionais. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2017.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma Psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BARBOSA, R. R. Gestão da Informação e do Conhecimento: origens, polêmicas e perspectivas. Informação & informação, Londrina, v. 3, n. especial, p. 1-25, 2008. Disponível em: . Acesso em: 19 abr. 2017.

BATISTA, A. H. O perfil do profissional de sucesso do mundo moderno. E-book, 2004. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2016.

BEHRENDS, F. L. Comércio exterior. 8. ed. São Paulo: IOB Thomson, 2006.

BEIRA, E. Michael Polanyi (1959): O estudo do homem. "Working papers": Mercados e negócios: dinâmicas e estratégia - WP 90 (2009), outubro 2009. Escola de Engenharia, Universidade do Minho, MIT Portugal. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2015.

BELLUZZO, R. C. B.O uso de mapas conceituais e mentais como tecnologia de apoio à Gestão da Informação e da comunicação: uma área interdisciplinar da Competência em Informação. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação: Nova Série, São Paulo, v.2, n.2, p.78-89, dez. 2006.

______. FERES, G. G.Competência em Informação: um diferencial da qualidade em publicações científicas.Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação. Nova Série, São Paulo, v.5, n.1/2, p. 70-83, jan./dez. 2009.

______. As competências do profissional da informação nas organizações contemporâneas.Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, Nova Série, São Paulo, v.7, n.1, p. 58-73, jan./jun. 2011.

______; SANTOS, C. A. dos; ALMEIDA Jr., O. F. A Competência em Informação e sua avaliação sob a ótica da mediação da informação: reflexões e aproximações teóricas. Informação & Informação. Londrina, v. 19, n. 2, p. 60 - 77, maio./ago. 2014. Disponível em: . Acesso em 20 out. 2015.

BÍBLIA. Português. Bíblia Sagrada. 10. ed. Tradução de João Ferreira de Almeida. Vila Hamburguesa (SP): King´s Cross Publicações, 2010.

BIERMAN, H. S.; FERNANDEZ, L. Teoria dos jogos. 2.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

BROOKES, B. C. The foundations of information science. Journal of Information Science, Amsterdã, v. 2, n. 3/4, p. 125-133, 1980.

BROWN, J.S; GRAY, E. S. The people are the Company: How to build your company around your people. Fast Company, 31.10.1995. Disponível em: . Acesso em 25 out. 2017.

BRUCE, C. S. Seven faces of information literacy. Adelaide: Aslib, 1997

_____. Las siete caras de la alfabetización en información en la enseñanza superior. Anales de Documentación. N. 6, 2003, p. 289-294. Universidad de Murcia. Espinardo, España. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2016.

______. Seven faces of information literacy in higher education. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2016.

BRUSAMOLIN, V. A inserção do discurso narrativo no ciclo informacional e seu impacto na aprendizagem organizacional. Brasília: UnB, 2011. (tese de Doutorado). 312f. Disponível em:< http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/9203/1/2011_ ValerioBrusamolin .pdf>. Acesso em: 07 de set. 2015.

______. Narrativas de histórias na aprendizagem organizacional. In:IX Enancib. São Paulo: 2008. Disponível em: http://enancib.ibict.br/index.php/enancib/ixenancib/ paper/ viewFile/3055/2181. Acesso em: 07 Set. 2015.

BUCKLAND, M. K. Information as thing. Journal of the American Society for Information Science (JASIS), v. 45, n. 5, p. 351-360, 1991. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2015.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organisational analysis.London: Heinemann, 1979.

CALDERÓN REHECHO, A. Informe APEI sobre alfabetización informacional. 2010. Disponível em: . Acesso em: 24 mai. 2016.

CAMPELLO, B. S. O movimento da Competência em Informação: uma perspectiva para o letramento informacional. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 3, p. 28-37, set./dez. 2003.

CAPURRO, R. Epistemologia e Ciência da Informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5, 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: UFMG, 2003. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2014.

CAREGNATO, S.E. O desenvolvimento de habilidades informacionais: o papel das bibliotecas universitárias no contexto da informação digital em rede. Revista de Biblioteconomia & Comunicação, Porto Alegre, v.8, p. 47-55, jan./dez. 2000.

CARMO, H.; FERREIRA, M. M. Metodologia da Investigação, Lisboa, Universidade Aberta, 1998. Disponível em:

TNPEA&Expires=1474912122&Signature=cVGDjWLS42cHWXlJNGQ87EAxA84%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DMetodologia _da_Investigacao.pdf>. Acesso em: 26 set. 2016.

CARNEVALE, P. J.; DREU, C. K. W. Motive: The negotiator´s raison d´être. In: THOMPSON, L. L. Negotiaton theory and resarch.New York: Psychology Press, 2006, p.55-76 (Cap.4). Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2016.

CARNIER, L. R. Marketing internacional para brasileiros. São Paulo: Aduaneiras, 1996.

CARVALHO, R.; SOUZA, R. R.; LOUREIRO, R. Como implantar Gestão do Conhecimento. In: Congresso Anual da Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento, 2., 2002, São Paulo. Anais... São Paulo: UFCAR; SBGC, 2002.

CATTS, R.; LAU, J. Towards information: literacy Indicators. Paris: UNESCO, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 set. 2016.

CAVALCANTE, L. F. B.; VALENTIM, M. L. P. Informação e conhecimento no contexto de ambientes organizacionais. In.: VALENTIN, M. L. P. (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 235-254. (cap.11).

CEFET-RJ. Curso LEA-NI. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2017.

CERUTTI, E.; GIRAFFA, L. M. M. Uma nova juventude chegou à universidade: e agora, professor? Curitiba: CRV, 2015.

CHOO, W. C. A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significados, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac, 2003.

CONEGLIAN, A. L. O.; SANTOS, C. A.; CASARIN, H. C. S. Competência em Informação e sua avaliação. In.: VALENTIN, M. L. P. (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 255-275. Cap.12.

COSTA, F. J. Marketing e sociedade. João Pessoa: Programa de Pós-Graduação em Administração da UFPB, 2014.

COSTA, M. D. ; KRUCKEN, L. Aplicações de mapeamento do conhecimento para a competitividade empresarial. In:KM BRASIL 2004 - Gestão do Conhecimento na Política Industrial Brasileira, São Paulo, 2004.

COUTO-SOARES, M. L. A estrutura do conhecimento tácito em Polanyi: um paradigma pós-crítico para a epistemologia? Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2015.

DAVIS, G. F. Do theories of organizations progress? Organizational Research Methods, v. 13, n. 4, 2010, pp. 690-709.

DESCARTES, R. Discurso do método.São Paulo: Martins Fontes, 1996.

DRUCKER, P. F. A administração na próxima sociedade. São Paulo: Nobel, 2003.

______. O melhor de Peter Drucker: a administração. São Paulo: Nobel, 2001.

______. Administrando para o futuro. São Paulo: Thomson Pioneira, 1998.

______. Administração em tempo de grandes mudanças. São Paulo: Thomson Pioneira, 1996.

______. A nova era da Administração. São Paulo: Thomson Pioneira, 1992.

DUARTE, E. N.Tendências temáticas do GT4 no Enancib 2011: rumo à gestão da inovação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 2, Número Especial, p. 4-11, out. 2012.

______; SANTOS, L. R. S.; FERREIRA, T. E. L .R. Aprendizagem organizacional: conceitos, teorias e práticas. In: DUARTE, E. N.; LLARENA, R. A. S.; LIRA, S. L. (Orgs.). Da informação à auditoria de conhecimento: a base para a inteligência organizacional. João Pessoa: Ed. UFPB, 2014. Capítulo 3 (p.79-114).

______; LIRA, S. L; LIRA, S. W.Gestão do Conhecimento: origem, evolução, conceitos e ações. In: DUARTE, E. N.; LLARENA, R. A. S.; LIRA, S. L. (Orgs.). Da informação à auditoria de conhecimento: a base para a inteligência organizacional. João Pessoa: Ed. UFPB, 2014. Capítulo 8 (p.269-308).

______; SANTOS, M. L. C. O conhecimento na administração estratégica. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 1, n. 1, p. 15-24, jan./jun. 2011.

______; SILVA, A. K. A.; COSTA, S. Q.Gestão da Informação e do Conhecimento: práticas de empresa “excelente em gestão empresarial” extensivas a unidades de informação.Informação & Sociedade, João Pessoa, v.17, n.1, p.97-107, jan./abr. 2007.

______; SATUR, R. V.; LIRA, S. L; SILVA, N. B. X.; LIMA, E. S. Práxis de Gestão do Conhecimento no ambiente das organizações no escopo da Ciência da Informação. Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 16. GT 4 – Gestão da Informação e do Conhecimento. Anais.... Disponível em:

DUDZIAK, E. A. A Information literacy e o papel educacional das bibliotecas. 173f. São Paulo. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) – Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

______. Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n.1, p. 23-35, 2003.

______. Os faróis da sociedade de informação: uma análise crítica sobre a situação da Competência em Informação no Brasil.Informação & Sociedade. João Pessoa, v.18, n.2, p. 41-53, maio/ago. 2008.

______. Competência Informacional: análise evolucionária das tendências da pesquisa e produtividade científica em âmbito mundial. Informação & Informação, Londrina, v. 15, n. 2, p. 1 - 22, jul./dez. 2010.

EISENBERG, M. B. Information Literacy: Essential Skills for the Information Age. Journal of Library & Information Technology, V. 28, N. 2, March 2008, p. 39-47.

EXAME.COM. Tecnologia: fone de ouvido promete traduzir línguas em tempo real. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2017.

FADEL, B. et al. Gestão, mediação e uso da informação. In.: VALENTIN, M. L. P. (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 13-31. Cap.1.

FAORO, R. R; OLIVEIRA, M. Compartilhamento do conhecimento intraorganizacional e interorganizacional: empresas do setor de fruticultura. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 4, n. 1, p. 98-118, jan./jun. 2014.

FERREIRA, L. C. Gestão e uso da informação na produção científica. In: DUARTE, E. N.; PAIVA, S. B.; SILVA, A. K. A (Orgs.). Múltiplas abordagens da Gestão da Informação e do Conhecimento no contexto acadêmico da Ciência da Informação. João Pessoa: Ed. UFPB, 2014. e-book. p.52-68. Cap. 3.

FERREIRA, G. Negociação: como usar a inteligência e a racionalidade. São Paulo: Atlas, 2008.

FIDELIS, J. R. F. ; BARBOSA, R. R. Competência informacional em comportamentos e valores fundamentais para a Gestão da Informação nas organizações. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIENCIA DA INFORMACAO, 14., 2013, Florianopólis. Anais... Disponível em: . Acesso em: 04 out. 2016.

FLORIANI, D. E. A cultura nacional e as Negociações Internacionais: um comparativo entre executivos brasileiros e italianos. Porto Alegre: PPGA/UFRGS, 2002. (Dissertação de Mestrado) 156f.

FMI, Fundo Monetário Internacional. World economic outlook: adjusting to lower commodity prices.Disponível em: Acesso em: 16 mar. 2016.

FROTA, C.S.; PANTOJA, R. R.; SÉLLOS, L. Teoria da criação do conhecimento organizacional - Nonaka e Takeuchi. Pós-graduação em Gerenciamento de Projetos - UFRJ: SEGRAC – NÚCLEO DE PESQUISA EM CIÊNCIAS DA ENGENHARIA. Disponível em . Acesso em: 24 de set. 2015.

GARCIA-LOMAS; O. L.; CHURRUCA, A. N. Negociación internacional: estrategias y casos. Madrid: Pirámide S.A., 2002.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 1996.

GOICOECHEA, E. R. Etnicidad, identidad, interculturalidad: teorías, conceptos y procesos de la relacinalidad grupal humana. Madrid: Ed. Universitaria Ramón Apreces, 2011.

GOREY, R. M; DOBAT, D. R. Managing in the Knowledge Era.The Systems Thinker. Vol. 7, No. 8. 1996. Pegasus Communications, Inc. Cambridge, MA. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2015.

GRANDO, N. Introdução à Gestão do Conhecimento nas organizações. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2015.

GRÖNROSS, C. From marketing mix to relationship marketing: towards a paradigm shift in marketing. Management Decision, v. 32, n. 2, p. 4-20, 1994.

______. On defining marketing: finding a new roadmap for marketing. Marketing Theory, v. 6, n. 4, p. 395-417, 2006.

GUIA DO ESTUDANTE DA EDITORA ABRIL. Comércio exterior: o profissional de Comércio Exterior domina as técnicas e os métodos de compra e venda de produtos e serviços entre empresas e governos de diferentes países. (2016) Disponível em: . Acesso em 22 abr. 2017.

_____. Graduação inovadora une línguas e Negociações Internacionais. (2017) Disponível em: . Acesso em 22 abr. 2017.

GUTIÉRREZ, M. P. M. Gestión del conocimiento en las organizaciones: fundamentos, metodología y praxis. Gijón (ES): Trea, 2008.

JAPIASSU, H. Questões epistemológicas. Rio de Janeiro: Imago, 1981.

HAIR JR. et al., Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

______. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HESSEN, J. Teoria do conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HATSCHBACH, M. H. L. Information Literacy: aspectos conceituais e iniciativas em ambiente digital para o estudante de nível superior. 2002. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - UFRJ/ECO-MCT/IBICT, Rio de Janeiro.

______; OLINTO, G. Competência em Informação: caminhos percorridos e

novas trilhas -Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, Nova Série, São Paulo, v.4, n.1, p. 20-34, jan./jun. 2008.

HOFSTEDE, G. Cultura e organizações: compreender a nossa programação mental. Lisboa: Sílabo, 2003.

HOFFMANN, W. A. M. Gestão do Conhecimento: desafios a aprender. São Carlos: Compacta, 2009.

IPE, M. Knowledge sharing in organizations: a conceptual framework. Human Resouce Development Review. v.2, n.4, p.337-359, dez., 2003.

KEEGAN, W. J.; GREEN, M. C. Marketing global. São Paulo: Saraiva, 2013.

KOBASHI, N. Y.; TÁLAMO, M. F. G. M. Informação: fenômeno e objeto de estudo da sociedade contemporânea. Transinformação, Campinas, v. 15, edição especial, p. 7-21, set./dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2015.

KOLTAY, T. The media and the literacies: media literacy, information literacy, digital literacy. Media, Culture & Society, v. 33, n. 2, p. 211-221, 2011.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Marketing essencial: conceito, estratégia e casos. 5. ed. São Paulo: Pearson do Brasil, 2013.

______; ARMONSTRONG, G. Princípios de marketing. 9. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

KRAEMER, C. G. Frederico Luiz Behrends, modelo de gestão empresarial: consciência, coerência, conveniência e congruência. Frederico Wesphalen: URI, 2008.

KUAZAQUI, E. Marketing internacional: como conquistar negócios em mercados internacionais. São Paulo: Makron Books, 1999.

KUHN, E. Comércio exterior como perspectiva de desenvolvimento da pequena e média indústria regional: marketing internacional como guia estratégico. Ijui, Unijui, 2004. 225f. (Dissertação de mestrado).

KUHN, T. S. A estrutura das revoluções científicas. 9. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de Antropologia Simétrica. Rio de Janeiro: Ed.34, 1994.

_______. Reagregando o social: uma introdução à Teoria Ator-Rede. Salvador: Edusc, 2012.

LAU, J. Diretrizes sobre desenvolvimento de habilidades em informação para a aprendizagem permanente. IFLA, Boca del Rio, Veracruz, México, 30 jun. 2007. Tradução para o português por Regina Célia Baptista Belluzzo, em julho de 2008. Disponível em: < http://www.ifla.org/files/assets/information-literacy/publications/ ifla-guidelines-pt.pdf>. Acesso em 08 maio 2016.

______; HORTON Jr., F. W. Desenvolvimento de Habilidades em Informação e Aprendizagem Permanente. In: LAU, J. Diretrizes sobre desenvolvimento de habilidades em informação para a aprendizagem permanente. Cap. 2 (p.12-15).IFLA, Boca del Rio, Veracruz, México, 30 de junho, 2007. Tradução para o português por Regina Célia Baptista Belluzzo, em Julho de 2008. Disponível em: . Acesso em 08 maio 2016.

LECARDELLI, J.; PRADO, N. S. Competência informacional no Brasil: um estudo bibliográfico no período 2001 a 2005. RBBD - Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação: Nova Série, São Paulo, v.2, n.2, p.21-46, dez. 2006. Disponível em: . Acesso: 24 jul. 2016.

LÉVI-STRAUSS, C. Natureza e cultura. In: ______. As estruturas elementares do parentesco. Petrópolis: Vozes,1976. p. 41-49.

______. O problema do incesto. In: ______. As estruturas elementares do parentesco. Petrópolis: Vozes,1976. p. 50-63.

LÈVY, P. Inteligencia colectiva: por una antropología del ciberespacio. Washington (USA): Editeur, 2004.

______. A revolução contemporânea em matéria de comunicação. Tecnologias do imaginário.Revista FAMECOS. Porto Alegre. n. 9. dez.1998. Semestral. p.37-49.

LIMA, C. B.; MARTINS, T. M.; LIBONI, L. B. ATTADIA, L. C. L, MARTINELLI, D. Enfoque sistêmico e as habilidades do negociador: caracterização e influência no uso do poder em processos de negociação. In.: Congresso Brasileiro de Sistemas, 4., Anais... Centro Universitário de Franca Uni-FACEF – 29 e 30 de outubro de 2008. Disponível em: http://legacy.unifacef.com.br/quartocbs/artigos/B/B_122.pdf. Acesso em: 22 Fev. 2016.

LIMA, J. S.; PAIVA, S. B. Competência em Informação e capital intelectual: constructos complementares à gestão organizacional. In: DUARTE, E. N.; PAIVA, S. B.; SILVA, A. K. A (Orgs.). Múltiplas abordagens da Gestão da Informação e do Conhecimento no contexto acadêmico da Ciência da Informação. João Pessoa: Ed. UFPB, 2014. e-book. Cap. 17. p. 316-329.

LIMA NETTO, R. Habilidade do rei: você também pode ser um bom negociador. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

LOPES, E. C.; VALENTIM, M. L. P. Gestão da Informação e governança corporativa em empresas de capital aberto. In.: VALENTIN, M. L. P. (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Cap. 13. p. 277-299.

LOUSADA, M.; VALENTIM, M. L. P. A relação entre a informação orgânica e a gestão documental. In.: VALENTIN, M. L. P. (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Cap. 17. p. 361-384.

______; ______. Informação orgânica como insumo estratégico para a tomada de decisão em ambientes competitivos: estudo nas empresas do setor varejista situadas na cidade de Marília/SP. Tendências da pesquisa brasileira em Ciência da Informação, v.5, n.1, 2012. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2014.

LUFT, J.; INGHAM, H, The Johari Window. a Graphic Model for Interpersonal Relations, Los Angeles, University of California,(UCLA), Western Training Laboratory for Group Development, 1955.

MACKENZIE. Administração (Gestão de Comércio Exterior). Disponível em: . Acesso em 22 abr. 2017.

MAIA, J. M. Economia internacional e comércio exterior. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARCH, J. G; SIMON, H. A. Organizations. New York: John Wiley & Sons, 1958.

______; ______. Organizations. 2. ed. Oxford: Blackwell, 1993.

MARCONI, M. A; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MARCUSCHI, L. A.; DIONISIO, A. P. Princípios gerais para o tratamento das relações entre a fala e a escrita. In: _____; _____ (Orgs.). Fala e escrita. Belo Horizonte: Autêntica: 2007. Cap. 1. p.13-30

MARTINELLI, D. P.; VENTURA, C. A. A.; MACHADO, J. R. Negociação Internacional. São Paulo, Atlas, 2004.

MARTINS, E. C. R. Cultura e poder. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007.

MARTINS, S. C. Gestão da Informação: estudo comparativo de modelos sob a ótica integrativa dos recursos de informação. Niterói: PPGCI-UFF, 2014. 182f. (Dissertação de Mestrado). Disponível em: . Acesso em 19 abr. 2017.

MATA, M. L.; CASARIN, H. C. S. A formação do bibliotecário e a Competência em Informação: um olhar através das competências. In.: VALENTIN, M. L. P. (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Cap.14. p. 301-218.

MAT.UC. Resumo: estatística básica. Disponível em: . Acesso em: 07 mai. 2017.

MELO, A. V. C. Informação, conhecimento, habilidades e atitudes: análise do desenvolvimento dos estágios de competência informacional em estudantes do Curso de Graduação em Biblioteconomia da Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2008. 451f. Dissertação: Curso de Pós-graduação em Ciência da Informação – Universidade Federal da Paraíba.

______; ARAÚJO, E. A. Competência em Informação e Gestão do Conhecimento: uma relação necessária no contexto da Sociedade da Informação. Perspectiva em Ciência da Informação, v.12, n.2, p.185-201, maio/ago. 2007.

MINERVINI, N. O exportador: ferramentas para atuar com sucesso nos mercados internacionais. 4. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2005.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safari de estratégia: um roteiro para a selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MOLINA, L. G. Tecnologias de informação e comunicação para Gestão da Informação e do Conhecimento: proposta de uma estrutura tecnológica aplicada aos portais corporativos. In.: VALENTIN, M. L. P. (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Cap.7. p.143-167.

MORENO, M. Gestión del conocimiento en las organizaciones: fundamentos, metodología y praxis (Mario PérezMontoro Gutiérrez). (Reseña de libro). El profesional de la información, 2009, enero-febrero, v. 18, n. 1, p. 111-113. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2016

MORESI, E. (org.). Metodologia da pesquisa. Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Gestão do Conhecimento e Tecnologia da Informação da UCB, Brasília, 2003. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2017.

NONAKA I.; TAKEUCHI, H.; Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro, Elsevier, 1997.

NOSÉ JÚNIOR, A. Marketing internacional: uma estratégia empresarial. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

OCHIUCHI, M. S. M. Do Projeto Nacional Ensino de Inglês Instrumental ao LINFE: a contribuição dos estudos de Rosinda de Castro Guerra Ramos ao ensino de línguas para fins específicos - a aventura continua... In: LIMA-LOPES, R. E.; FISCHER, C. R.; GAZOTTI-VALLIM, M. A. (Orgs.). Perspectivas em línguas para fins específicos: festschrift para Rosinda Ramos. Campinas: Pontes Editores, 2015. Cap. 1. p.17-29.

ONERA, J. O. Análise de necessidades do uso da Língua Inglesa na execução de tarefas em uma empresa multinacional. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC/SP. São Paulo, 2010. Dissertação de Mestrado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem. 117 f.

PACHECO, C. G.; VALENTIM, M. L. P. Informação e conhecimento como alicerces para a gestão estratégica empresarial: um enfoque nos fluxos e fontes de informação. In.: VALENTIN, M. L. P. (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Cap. 15. p. 319-341.

PACHECO JÚNIOR. W.; PEREIRA, V. L. D. V.; PEREIRA F., H. V. Pesquisa científica sem tropeços: abordagem sistêmica. São Paulo: Atlas, 2007.

PANAHI, S.; WATSON, J.; PARTRIDGE, H.. Social media and tacit knowledge sharing: developing a conceptual model. In: WASET (World Academy of Science, Engineering and Technology), Paris, France, 2012. p. 1095-1102. Disponível em: < http://eprints.qut.edu.au/50068/>. Acesso em: 10 jun. 2015.

PARASURAMAN, A.; ZEITHAML, Valarie A.; BERRY, Leonard L. SERVQUAL: A multiple-item scale for measuring service quality. Journal of Retailing, v. 64, n. 1, p.12-40, 1988.

________. Refinement and reassessment of the SERVQUAL Scale. Journal of Retailing, v. 67, n. 4, p. 420-451, 1991.

PERROTTI, E.; PIERUCCINI, I. A mediação cultural como categoria autônoma. Revista Informação & Informação, Londrina, v. 19, n. 2, p. 01 – 22, maio./ago. 2014. Disponível em: http:www.uel.br/revistas/informacao/. Acesso em: 02 out. 2015.

PIMENTA, C. Contributos para a elaboração de uma tese interdisciplinar. Ideação - Revista do Centro de Educação e Letras da Unioeste - Campus de Foz do Iguaçu, v. 10, nº 1. p. 63-77. 1º sem. 2008.

PINDYCK, R. S; RUBINFELD, D. L. Microeconomia. 5. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

PINHO NETO, J. A. S. As novas tecnologias de comunicação e informação da transversalidade entre natureza e cultura. Revista Culturas Midiáticas. João Pessoa: Programa de Pós-graduação em Comunicação da UFPB. Ano. 1, n.1, jul./dez. 2008, p.1-11.

PIPKIN, A. Marketing internacional. São Paulo: Aduaneiras, 2000.

POLANYI, M. Personal knowledge: towards a post-critical Philosophy. Chicago: The University of Chicago Press, 1958.

______. PROSCH, Harry. Meaning.Chicago: The University of Chicago Press, 1975.

POZO, J. I. A sociedade da aprendizagem e o desafio de converter informação em conhecimento. Revista Pátio, Ano 8, ago./out. 2004.

PRAHALAD, C.K.; HAMEL, G.; Competindo pelo futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar os mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus, 2005.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

PUCCAMP. Administração - Comércio Exterior. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2017.

PUCRS. Escola de negócios: Administração: Comércio Internacional. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2017.

QUALTRICS. Qualtrics: software to manage the entire customer experience - from surveys, to insights, to action. Disponível em: https://www.qualtrics.com/. Acesso em: 27 abr. 2016.

RASTELI, A.; CAVALCANTE, L. E. Mediação cultural e apropriação da informação em bibliotecas públicas. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 19, n. 39, p. 43-58, jan./abr., 2014.

______;______. A Competência em Informação e o bibliotecário mediador da leitura em biblioteca pública. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 18, n. 36, p. 157-180, jan./abr., 2013. Disponível em: , Acesso em: 05 maio 2016.

RIBEIRO, C. E. A. Uso de fontes de informação no setor de previdência privada aberta no Brasil. Belo Horizonte, MG, 2009. 110 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação), Universidade Federal de Minas Gerais, 2009.

RIBEIRO, B. A.; PINHO NETO, J. A. S. Fluxo de informação nos canais de comunicação do serviço de atendimento móvel de urgência regional de João Pessoa - PB. In: DUARTE, E. N.; PAIVA, S. B.; SILVA, A. K. A (Orgs.). Múltiplas abordagens da Gestão da Informação e do Conhecimento no contexto acadêmico da Ciência da Informação. João Pessoa: Ed. UFPB, 2014. e-book. Cap. 1. p.19-33.

RODRIGUES, C.; BLATTMANN, U. Gestão da Informação e a importância do uso de fontes de informação para a geração de conhecimento. Perspectivas em Ciência da Informação, v.19, n.3, p.4-29, jul./set. 2014.

ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em Administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SAIANI, C. A. Epistemologia de Michael Polanyi. In.: ______. O valor do conhecimento tácito - a epistemologia de Michael Polanyi na escola. São Paulo: Escrituras, 2005. (Col. Transversais). Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2015 (Cap. 15).

SANTOS, C. D; VALENTIM, M. L. P. As interconexões entre a Gestão da Informação e a Gestão do Conhecimento para o gerenciamento dos fluxos informacionais. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, João Pessoa, v. 4, n. 2, p. 19-33, jul./dez. 2014.

SANTOS, R. R.; DUARTE, E. N. Gestão da Informação e do Conhecimento para o uso do espaço virtual das bibliotecas das universidades brasileiras. In: DUARTE, E. N.; PAIVA, S. B.; SILVA, A. K. A (Orgs.). Múltiplas abordagens da Gestão da Informação e do Conhecimento no contexto acadêmico da Ciência da Informação. João Pessoa: Ed. UFPB, 2014. e-book. Cap. 16. p.292-315.

SATUR, R. V. (a). Informação, marketing e negociação no mercado: reflexões éticas. Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 16. GT 5. Anais... Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2015.

_____ (b). Informação e conhecimento para o crescimento do profissional de mercados internacionais: um olhar no usuário. Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 16. GT 4 – Gestão da Informação e do Conhecimento. Anais... Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2015.

______, NEVES, D. A.; DUARTE, E. N. Cognição, neuromarketing e neuroeconomia: entendendo as decisões dos atores baseadas em informações. In: Congreso ISKO España y II Congreso ISKO Espapa-Portugal, 12.: Organización del conocimiento para sistemas de información abiertos. 19-20 de noviembre, 2015. Murcia, Spain: Universidad de Murcia. Anais... Disponível em: . Acesso em: 07 dez. 2015.

_____; PAIVA, S. B.; DUARTE, E. N. Informação imperfeita e seu impacto nas estratégias empresariais. Brazilian Journal of Information Studies: Research Trends. 11:2 (2017) p.07-18. Disponível em: . Acesso em: 01 jun. 2017.

SENADO FEDERAL. Projeto de Lei do Senado Nº 439, de 2015: Dispõe sobre o exercício de atividades nos campos da Administração. Disponível em: https://legis. senado.leg.br/sdleg-getter/documento?dm=4379805. Acesso em: 27 abr. 2017.

SERAFIM, L., A.; FREIRE, G. H. A. Ação de responsabilidade social para competências em informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v.17, n.3, p.155-173, jul./set. 2012.

SIGNIFICADOS. Significado de storytelling. Disponível em: . Acesso em: 07 set. 2015.

SILVA, A, K. A.; MOREIRA, E. C. B.; MONTEIRO, S. A. Gestão da Informação: das origens aos modelos conceituais. In: DUARTE, E. N.; LLARENA, R. A. S.; LIRA, S. L. (Orgs.). Da informação à auditoria de conhecimento: a base para a inteligência organizacional. João Pessoa: Ed. UFPB, 2014. Cap. 7. p.237-268.

SILVA, A. M. A informação: da compreensão do fenômeno e construção do objeto científico. Porto, Portugal: Edições Afrontamento, 2006.

______. Inclusão Digital e Literacia Informacional em Ciência da Informação. Prisma.com. n.7, 2008. (p.16-43). Disponível em: .Acesso em: 28 jul. 2017

______; RIBEIRO, F. Das ciências documentais à Ciência da Informação: ensaio epistemológico para um novo modelo curricular. 2. ed. Porto, Portugal: Afrontamento, 2008.

_____. Literacia informacional e processo formativo: desafios aos profissionais da informação. In: SILVA, A. M; MARCIAL, V. F.; MARTINS, F. (Eds.). A literacia da informação em Portugal: Um diagnóstico, um modelo e uma reflexão prospetiva (2007-2010). Coleção: eCAI 1. Porto: CETAC.MEDIA / Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Coleção eCAI 1. (p.150-163), 2016. Disponível em: . Acesso em: 28 jul. 2017.

SILVA, H. R. K. Considerações e confusões em torno de história oral, história de vida e biografia. Métis: história & cultura – v. 1, n. 1, p. 25-38, jan./jun. 2002.

SILVA, L. L.; SILVA, A. M.; AUTRAN, M. M. M.; BORGES, M. M. Reflexões teóricas sobre o comportamento informacional na era pós-custodial: perspectivas para um estudo de utilizadores em redes sociais na Internet. 2011. YES. Disponível em: . Acesso em: 01 jul. 2017.

SILVA, R. K. P. Método de pesquisa survey. Partes, n.15, 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 fev. 2016.

SILVA, A. G. C. Da inserção à inclusão: um estudo sobre as políticas e práticas de gestão de pessoas voltadas às pessoas com deficiência em João Pessoa-PB. João Pessoa, 2015. 172f. PPGA/CCSA/UFPB (Dissertação).

SIMON, H. A. Comportamento administrativo: estudo dos processos decisórios nas organizações administrativas. Rio de Janeiro, FGV, 1970.

______. Administrative behavior: a study of decision-making processes in administrative organization. 3 ed. Nova York: Free Press, 1976.

SMITH, A. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. 10 ed. São Paulo: Nova Cultura, 1996.

SOUSA, P. T. C. de. Metodologia de análise de redes sociais. In: MULLER, S. P. Métodos de pesquisa em Ciência da Informação. Brasília: Thesaurus, 2007. Cap. 5, p.119-148.

SOUZA, E. D.; DIAS, E. J. W.; NASSIF, M. E. A Gestão da Informação e do

conhecimento na Ciência da Informação: perspectivas teóricas e práticas organizacionais. Informação & Sociedade, v.21, n.1, p. 55-70, jan./abr. 2011.

SOUZA, I. G. C. O.; DUARTE, E. N. Dimensões de um modelo de Gestão da Informação no campo da Ciênciada Informação: uma revelação da produção científica do ENANCIB. Liinc em Revista, v.7, n.1,março 2011, Rio de Janeiro, p. 152 – 169. Disponível em:< http://www.repositorio.ufc.br/bitstream/riufc/4062/1/2011_art_IGCO souza.pdf>. Acesso em: 21 abr. 2017.

SUBRAMANIAM, M.; YOUNDT, M. A. The influence of intellectual capital on the types of innovative capabilities. Academy of Management Journal, 2005, v. 48, n. 3, p. 450–463.

TARGINO, M. G. Quem é o profissional da informação? Transinformação, v. 12, n. 2, p. 61-69, julho/dezembro/2000. Disponível em: . Acesso em: 17 mar. 2016.

TERRES, M. S. A importância do afeto para a confiança do consumidor em trocas de serviços com consequências severas. Porto Alegre: UFRGS, 2011, (Tese de Doutorado) PPGA, 156f. Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2014.

THOMAS, D. C; INKSON, K. Inteligencia cultural: habilidades interpesonales para triunfar en la empresa global. Barcelona: Paidós, 2007.

THOMPSON, L. L. O negociador. 3. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

UCS. Comércio internacional. Disponível em: http://www.ucs.br/site/portalcurso/124/. Acesso em 22 abr. 2017.

UEPB. 2- Relações Internacionais (bacharelado). Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2017.

UESC. Curso LEA. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2017.

UFPB. Curso LEA-NI. Disponível em: . Acesso em 22 abr. 2017.

______. O Curso: Relações Internacionais.DRI/CCSA. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2017.

UFSC. Curso de graduação em Relações Internacionais. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2017.

UMSP, Universidade Metodista de São Paulo. Comércio exterior: escola de gestão e direito. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2017.

UnB. Curso: 1465 - Línguas Estrangeiras Aplicadas - MSI. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2017.

UNINTER. Curso de Tecnólogo em Comércio Exterior. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2017.

UNISINOS. Escola de Gestão de Negócios: Graduação em Administração - Comércio Exterior. http://www.unisinos.br/graduacao/administracao-comercio-exterior/presencial/sao-leopoldo/grade-e-corpo-docente. Acesso em: 22 abr. 2017.

URI. Administração - Linha de Formação em Comércio Internacional. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2017.

VALENTIM, M. L. P. Inteligência competitiva em organizações: dado, informação e conhecimento. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 3., n. 4, p. 1-13, ago. 2002. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2016.

______.; JORGE, C. F. B.; CERETTA-SORIA, M. G. Contribuição da Competência em Informação para os processos de Gestão da Informação e do Conhecimento. Em Questão. Revista da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS v. 20, n.2 – jul./dez. 2014. p. 207-231.

VARGO, S. L., LUSCH, R. F., It’s all B2B and beyond: towards a systems perspective of the market. Industrial Marketing Management, v.40, n. 2, p. 181–187, 2011.

VARGO, S. L., LUSCH, R. F., Evolving to a new dominant logic for marketing. Journal of Marketing, v. 68, n. 1, p. 1–17, 2004.

VARIAN, H. R. Microeconomia: princípios básicos. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1994.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

VIEIRA, F. A. A. Gestão e políticas de informação: aproximações teóricas e práticas. In: DUARTE, E. N.; PAIVA, S. B.; SILVA, A. K. A (Orgs.). Múltiplas abordagens da Gestão da Informação e do Conhecimento no contexto acadêmico da Ciência da Informação. João Pessoa: Ed. UFPB, 2014. e-book. Cap. 7. p.126-142.

VITORINO, E. V. Análise dimensional da Competência em Informação: bases teóricas e conceituais para reflexão. RICI: Revista Ibero-americana de Ciência da Informação, Brasília, v. 9, n. 2, p. 421-440, jul./ dez. 2016.

______; SILVA, A. M. A formação de profissionais da informação em Portugal e Espanha: um contexto necessário para compreender a competência em informação. Cadernos BAD, 2016, N. 1, jan-jun, pp. 137-156. Disponível em: . Acesso em 22 jul. 2018.

WAVERLY LABS. Pilot Translating Earpiece. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2017.

WOIDA, L. M. Contribuições teóricas e metodológicas da sociologia do conhecimento para estudos de produção de conhecimento em contextos empresariais. In.: VALENTIN, M. L. P. (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. Cap. 5. p.105-125.




DOI: https://doi.org/10.33467/conci.v2i1.10803

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Convergências em Ciência da Informação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

CONVERGÊNCIAS EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO - CONCI

Universidade Federal de Sergipe (UFS)

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI/UFS)

Campus São Cristóvão, Cidade Universitária “Prof. José Aloísio de Campos”. 

Av. Marechal Rondon, s/n. Prédio CCSA 1 - Sala 5. Bairro Jardim Rosa Elze. São Cristovão/SE. CEP: 49.100-000

E-ISSN - 2595-4768

QUALIS: B4


Revista membro:

 

Signatária do San Francisco Declaration on Research Assessment (DORA): 

 

 

 Licença Creative Commons

Os trabalhos originais publicados na revista Convergências em Ciência da Informação estão licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.