A Cultura Afro-Brasileira e a Ciência da Informação

um diálogo entre memória, identidade e informação

Palavras-chave: Ciência da Informação, Cultura afro-brasileira, Identidade, Informação, Memória

Resumo

Considera aspectos representativos da relação mediada pela literatura científica entre a cultura afro-brasileira e a área da Ciência da Informação. Apresenta referencial teórico baseado nos conceitos de memória, identidade e informação em pesquisas nessa área, incluindo aquelas relacionadas às manifestações e práticas da cultura de matriz afro-brasileira, evidenciadas nas Ciências Humanas, tendendo a se tornarem objetos de estudo na Ciência da Informação, haja vista que essa ciência busca ampliar o diálogo com outras ciências e áreas do conhecimento. Realiza estudo exploratório, pautado na literatura sobre a temática estudada, utilizando como apoio teórico a Constituição Federal Brasileira de 1988 e a Lei nº 10.639/2003, configuradas como formas de legitimação e fundamentais para disseminar as manifestações e práticas da cultura de matriz afro-brasileira, garantindo o direito ao pluralismo e diversidade cultural. Defende essas formas de potencializar a memória e a identidade da população afrodescendente, a efetivação de direitos básicos, bem como fomentar a produção científica sobre o tema. Conclui que a produção, a avaliação, a organização e a disseminação da informação, enquanto processos constituintes da Ciência da Informação, em certa medida se relacionam e contribuem com as produções nas diversas áreas do conhecimento sobre os mais variados temas, de modo especial a cultura afro-brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Lúcia Tavares de Oliveira, Universidade Federal de Pernambuco

Doutoranda em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Pernambuco. Mestra em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (2019). Possui graduação em Arquivologia pela Universidade Estadual da Paraíba (2015); especialização em Educação em Direitos Humanos pela Universidade Federal da Paraíba (2009); especialização em Psicopedagogia pelo Centro Universitário de João Pessoa (2008) e graduação em Pedagogia pela Universidade Federal da Paraíba (2007), atuando principalmente nos seguintes temas: arquivologia, cultura, aprendizagem, documentos e cidadania. Membro do Grupo de Pesquisa Informação, Memória, Tecnologias e Sociedade (IMclusoS). Membro do Grupo de Pesquisa Estudos Interdisciplinares em Música, Corpo, Gênero e Saúde (MUCGES). Membro do Grupo de Pesquisa em Linguagens e Culturas Populares (GLICPOP). Participa ativamente do Projeto de Extensão/Pesquisa SaúdeArte: troca de saberes e difusão da cidadania. Aluna voluntária do Projeto de Extensão Coletivo Atuador. Membro da ONG Maré Produções Artisticas e Educacionais. Integrante do grupo de cultura popular AjaMulher. Integrante do Movimento Baque Mulher Feministas do Baque Virado. Integrante do grupo de cultura popular Ojú-Òrun. Integrante do Coletivo Atuadores. Atriz. Cantora Popular. Dançarina Popular.

Leilah Santiago Bufrem, Universidade Federal de Pernambuco

É graduada e licenciada em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1964), graduada em Biblioteconomia e Documentação pela Universidade Federal do Paraná (1963). Mestre em Educação pela Universidade Federal do Paraná (1981), doutora em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (1991), pós-doutora pela Universidad Autónoma de Madrid (1995). Especialização em Ação Cultural pela Universidade de São Paulo(1987), especialização em Cultura Portuguesa pela Universidade de Lisboa (1975), especialização em Métodos e Técnicas de Ensino pela Universidade Federal do Paraná (1975), especialização em Teoria do Conhecimento pela Universidade Federal do Paraná (1974). Professora Titular aposentada do Curso de Gestão da Informação da Universidade Federal do Paraná. Atualmente, é professora visitante A no Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação na Universidade Federal da Paraíba, professora Permanente na qualidade de Professora Visitante Sênior no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Pernambuco e permanente no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Paraná. É Membro do Conselho Assessor da Revista Brasileira de Biblioteconomia, da Revista Educação Temática Digital - ETD e da IRIS - Revista de Informação, Memória e Tecnologia. Coordenadora do Grupo de Pesquisa Educação, Pesquisa e Produção Científica, pesquisadora do Grupo de Pesquisa Cultura, práticas escolares e educação histórica, do Grupo de Estudos métricos da Informação e do grupo SCIENTIA. Avaliadora de instituições de educação superior e de cursos de graduação do Ministério de Educação, com experiência na área de Ciência da Informação e Educação, com ênfase em Metodologia e Produção Científica, atuando principalmente nos seguintes temas: ciência da informação, manuais didáticos, metodologia científica, educação e pesquisa em ciência da informação. Presidiu a Comissão Editorial responsável pela criação da Editora da Universidade Federal, da qual foi a primeira diretora. Idealizou, projetou, implantou o coordenou a Base de Dados Referenciais de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação (Brapci). Tem 18 livros publicados, 76 capítulos de livro, 140 artigos em periódicos científicos nacionais e internacionais e 196 comunicações em anais de congressos nacionais e internacionais. Orientou 19 teses de doutorado e 35 dissertações de mestrado e, atualmente, orienta 6 teses de doutorado e 2 dissertações de mestrado.

Referências

ABREU, M. Cultura popular, um conceito e várias histórias. In: ABREU, M.; SOIHET, R. Ensino de história: conceitos, temáticas e metodologias. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

ABREU, M.; MATTOS, H.; VIANNA DANTAS, C. Em torno do passado escravista: as ações afirmativas e os historiadores. Antíteses, v. 3, n. 5, 2010.

ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Teoria da cultura de massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

AQUINO, M. A. A inclusão étnico-racial na era da informação. Rev. digit. bibliotecon. cienc. inf., Campinas, SP, v. 11, n. 2, p. 61-75, maio/ago. 2013. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1638/pdf. Acesso em: 22 maio 2020.

BORKO, H. Information Science: What is it? American Documentation, v. 19, n. 1, p. 3-5, jan. 1968.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília (DF): Senado Federal, Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. História e cultura africana e afro-brasileira na educação infantil. Brasília: MEC/SECADI, UFSCar, 2014.

BRASIL. Lei No 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 22 maio 2020.

BROOKES, B. C. Theoretical Informatics in Stage II: Mechanization of IR Processes. In: INTERNATIONAL FEDERATION FOR DOCUMENTATION. Theoretical Problems of Informatics: New Trends in Informatics and its Terminology. FID 568. Moscow: VINITI, 1979. p, 10-18.

BUCKLAND, M. K. Information as thing. Journal of the American Society for Information Science (JASIS), v. 45, n. 5, p. 351-360, 1991.

BUFREM, L. S. Questões de metodologia - parte 1. Atoz, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 4-10, jan./jun. 2011. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/atoz/article/view/41279/25195. Acesso em: 23 maio 2020.

BUFREM, L. S.; FREITAS, Juliana L. Interdomínios na literatura periódica científica da Ciência da Informação, 2015. DataGramaZero Revista de Informação, ¬ v. 16, n. 3, ago. 2015. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2017/03/pdf_4de6f4b1a4_0000022867.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

CAFÉ, L.; SALES, R. Organização da informação: Conceitos básicos e breve fundamentação teórica. In: ROBREDO, J.; BRÄSCHER, M. (Orgs.). Passeios no Bosque da Informação: Estudos sobre Representação e Organização da Informação e do Conhecimento. Brasília DF: IBICT, 2010. 335 p. Disponível em: https://ridi.ibict.br/bitstream/123456789/36/1/eroic.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

CANDAU, J. Memória e identidade. São Paulo: Contexto, 2014.

CHARTIER, R. Cultura Popular: revisitando um conceito historiográfico. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, v. 8, n. 16,1995.

FLORES, E. C. Etnicidade e Ensino de História: a matriz cultural africana. Tempo - Revista do Departamento de História da UFF, v. 11, n. 21, p. 75-92, jul. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tem/v11n21/v11n21a06. Acesso em: 23 maio 2020.

FONSECA, M. N. S. Visibilidade e ocultação da diferença: imagens de negro na cultura brasileira. In: FONSECA, M. N. S. Brasil afro-brasileiro. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.

GONZÁLEZ DE GOMEZ, M. N. Escopo e abrangência da Ciência da Informação e a pós-graduação na área: anotação para uma reflexão. Transinformação, Campinas, v. 15, n. 1, p. 31-43, jan./abr. 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tinf/v15n1/02.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

HALL, S. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p.15-46, jul./dez. 1997. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71361. Acesso em: 22 maio 2020.

IYAGUNÃ, D. M. A. A Oralidade e a Linguagem do Candomblé. Disponível em: https://www.copenesul2019.abpn.org.br/resources/anais/11/copenesul2019/1559510448_ARQUIVO_69ed3fddef0ae051a9e3de1793c4a815.pdf. Acesso em: 22 maio 2020.

LARA, M. L. G.; CONTI, V. L. Disseminação da informação e usuários. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 17, n. 3-4, p. 26-34, jul./dez. 2003.

LARAIA, R. B. Cultura: um conceito antropológico. 14. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

LAZZARATO, M. As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LE COADIC, Y. F. A ciência da informação. 2. ed. rev. e atual. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 2004.

MATTOS, H. "Remanescentes das comunidades dos quilombos": memória do cativeiro e políticas de reparação no Brasil. Revista USP, n. 68, p. 104-111, 2006.

MORIGI, V. J.; BONOTTO, M. E. K. A narrativa musical, memória e fonte de informação afetiva. Em Questão, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 143-161, jan./jun. 2004

RODRIGUES, D. Património cultural, memória social e identidade: uma abordagem antropológica. Revista Ubimuseum, n. 01. Universidade da Beira Interior (POR), 2012. Disponível em: http://www.ubimuseum.ubi.pt/n01/docs/ubimuseum-n01-pdf/CS3-rodrigues-donizete-patrimonio-cultural-memoria-social-identidade-uma%20abordagem-antropologica.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

SANTANA, S. R.; OLIVEIRA, H. P. C.; LIMA, I. F. Informação étnico-racial na memória da produção científica do grupo NEPIERE. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 17., 2016, Salvador. Anais [...] Salvador: UFBA, 2016.

SARACEVIC, T. Interdisciplinarity nature of Information Science. Ciência da Informação, Brasília, v. 24, n. 1, p. 36-41, 1995. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2010/03/pdf_dd085d2c4b_0008887.pdf. Acesso em: 22 maio 2020.

SARACEVIC, T. Ciência da informação: origem, evolução e relações. Perspec. Ci. Inf., Belo Horizonte, v. 1, n. 1, p. 41-62, jan./jun. 1996. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/_repositorio/2010/08/pdf_fd9fd572cc_0011621.pdf. Acesso em: 23 maio 2020.

TEIXEIRA, O. A. Interdisciplinaridade: problemas e desafios. Revista brasileira de pós-graduação, v. 1, n. 1, p. 57-69, jul. 2004. Disponível em: http://ojs.rbpg.capes.gov.br/index.php/rbpg/article/view/22/19. Acesso em: 23 maio 2020.

WERSIG, G; NEVELING, U. The phenomena of interest to information science. The information scientist. v. 9, n. 4, 1975. [versão traduzida por Tarcísio Zandonade].

ZUMTHOR, P. Introdução à poesia oral. São Paulo: Educ/Hucitec, 1997.

Publicado
2020-12-31
Como Citar
BARBOSA DE SÁ, P. I.; TAVARES DE OLIVEIRA, A. L.; SANTIAGO BUFREM, L. A Cultura Afro-Brasileira e a Ciência da Informação: um diálogo entre memória, identidade e informação. ConCI: Convergências em Ciência da Informação, v. 3, n. 3, p. 77-105, 31 dez. 2020.