Planejamento e tendências de marketing para bibliotecas

Palavras-chave: Gestão de bibliotecas., Marketing de bibliotecas., Planejamento estratégico., Tendências em marketing.

Resumo

Objetiva apresentar reflexões sobre o conceito do marketing a partir da perspectiva de seu planejamento e do elenco de tendências e estratégias para sua aplicação. Trata-se de um texto ensaísta construído a partir de revisão de literatura da Administração, mais especificamente da literatura clássica do tema, bem como apresentação descritiva dos conceitos. São apresentadas e detalhadas nove etapas para o planejamento de marketing em bibliotecas, a saber: diagnóstico da biblioteca, análise de ambiente, análise de concorrência, definição de público-alvo, definição de objetivos de marketing, uso e atribuição de métricas, identificação de estratégias, orçamento e elaboração do plano de marketing. Entre as tendências e estratégias de marketing, sabe-se que muitas estão alicerçadas pelo uso de tecnologias de informação e comunicação, portanto, o intuito não foi o de apresentar uma lista exaustiva das mesmas, mas apontar algumas possibilidades que possam ser alinhadas à realidade das bibliotecas. Infelizmente na Biblioteconomia brasileira, ao longo de dez anos pesquisando sobre o tema, é possível perceber uma relação conflituosa, no sentido teórico, da compreensão do que seja marketing. Isso impacta em planejamentos que são deficitários e que não conseguem sustentar por um período mais longo ações e canais utilizados para fins de promoção, como as mídias sociais. Pontua-se, por fim, que é necessário um olhar mais atento buscando compreender marketing a partir de uma perspectiva sistêmica e enquanto um processo que depende de diferentes atores, atividades e tarefas para seu sucesso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALDERSON, W. Factors governing the development of marketing channels. In: CLEWETT, R. Marketing channels for manufactured products. Homewood, Illinois: Richard D. Irwing, 1954.

AMBRÓSIO, V. Plano de marketing: um roteiro para a ação. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

ANDREASEN, A. R. A taxonomy of consumer satisfaction/dissatisfaction measures. In: HUNT, H. K. (org.). Conceptualization and measurement of consumer satisfaction and dissatisfaction. Cambridge, Massachusetts: Marketing Science Institute, 1977.

ASPINWALL, L. The characteristics of goods and parallel system theories. In: KELLEY, E. L.; LAZER, W. (orgs.). Managerial Marketing. Homewood, Illinois: Richard D. Irwin Inc., 1958.

BAGOZZI, R. P. Marketing as an organized behavioral system of exchange. Journal of Marketing, v. 38, p. 77-81, Oct. 1974. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1250397. Acesso em: 04 dez. 2021.

BARRETO, I. F.; CRESCITELLI, E. Marketing de relacionamento: como implantar e avaliar resultados. São Paulo: Pearson, 2013.

BARTELS, R.; JENKINS, R. L. Macromarketing. Journal of Marketing, v. 41, p. 17-20, Oct. 1977. Disponível em: https://doi.org/10.1177/002224297704100401. Acesso em: 04 dez. 2021.

BEEM, E. R. The beginnings of the consumer movement. In: KELLEY, W. T. (org.). New consumerism: selected readings. Columbus, Ohio: Grid Inc., 1973.

BELL, M. L. Marketing: concepts and strategy. Boston: Houghton Milfflin Company, 1966.

BERTALANFFY, L. V. General system theory. New York: George Braziller, 1968.

BORDEN, N. H. The concept of marketing mix. Journal of Advertising Research, June 1954. Disponível em: http://www.guillaumenicaise.com/wp-content/uploads/2013/10/Borden-1984_The-concept-of-marketing-mix.pdf. Acesso em: 04 dez. 2021.

CAPLOVITZ, D. The poor pay more: consumer practices of low-income families. New York: The Free Press of Glencoe, 1963.

CAVALCANTE, C. Manual do marketing de guerrilha: soluções inteligentes e eficazes para vencer a concorrência. São Paulo: Senac SP, 2012.

FESTINGER, L. A theory of cognitive dissonance. New York: Row Peterson and Company, 1957.

HOLTON, R. H. The distinction between convenience goods, shopping goods and specialty goods. Journal of Marketing, v. 23, July 1958. Disponível em: https://doi.org/10.1177/002224295802300108. Acesso em: 04 dez. 2021.

KATZ, E.; LAZARSFELD, P. F. Personal influence: the part played by people in the flow of mass communications. New York: The Free Press, 1955.

KOTLER, P. A generic concept of marketing. Journal of Marketing, v. 36, p. 46-54, April 1972. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1250977. Acesso em: 04 dez. 2021.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de marketing. 15. ed. São Paulo: Pearson, 2019.

KUHN, A. The study of society: a unified approach. Homewood: Dorsey Press, 1963.

LEVITT, T. Marketing myopia. Harvard Business Review, jul./ago. 1960. Disponível em: https://hbr.org/2004/07/marketing-myopia. Acesso em: 04 dez. 2021.

MAGALHÃES, M. F.; SAMPAIO, R. Planejamento de marketing: conhecer, decidir e agir: do estratégico ao operacional. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

McINNES, W. A conceptual approach to marketing. In: COX, R.; ALDERSON, W.; SHAPIRO, S. J. (orgs.). Theory in Marketing. Homewood, Illinois: Richard D. Irwin Inc., 1964.

MIRANDA, C. M. C.; ARRUDA, D. M. O. A evolução do pensamento de marketing: uma análise do corpo doutrinário acumulado no século XX. RIMAR - Revista Interdisciplinar de Marketing, Maringá, v. 3, n. 1, p. 40-57, jan./jun. 2004. Disponível em: https://doi.org/10.4025/rimar.v3i1.26754. Acesso em: 04 dez. 2021.

PRADO, J. M. K.; PINTO, A. L. Marketing na ciência da informação brasileira: quatro décadas de produção. Informação e Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 28, n. 3, p. 53-68, set./dez. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/37935. Acesso em: 04 dez. 2021.

REZ, R. Marketing de conteúdo: a moeda do século XXI. São Paulo: DVS, 2016.

RHOADES, E. L. Introductory readings in Marketing. Chicago: A. W. Shaw Company, 1927.

SHETH, J. D. A review of buyer behavior. Marketing Science, v. 13, p. B718-B756, Aug. 1967. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2628351. Acesso em: 04 dez. 2021.

SHETH, J. D.; GARDNER, D. M.; GARRETT, D. E. Marketing theory: evolution and evaluation. New York: John Wiley & Sons, 1988.

SHETH, J. D. The double helix of marketing: the complementary relationship between marketing history and marketing theory. Marketing Theory, v. 11, n. 4, p. 503-505, Dec. 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1177/1470593111418805. Acesso em: 04 dez. 2021.

SMITH, W. R. Product differentiation and market segmentation as alternative marketing strategies. Journal of Marketing, v. 21, p. 3-8, July 1956. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/1247695. Acesso em: 04 dez. 2021.

WELD, L. D. H. Marketing functions and mercantile organization. American Economic Review, v. 7, p. 306-318, June 1917. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/pdf/1806213.pdf. Acesso em: 04 dez. 2021.

WILKIE, W. L.; MOORE, E. S. Scholarly research in marketing: exploring the “4 Eras” of thought development. Journal of Public Policy & Marketing, Washington, v. 22, n. 2, 2003. Disponível em: https://doi.org/10.1509/jppm.22.2.116.17639. Acesso em: 04 dez. 2021.

Publicado
2022-05-01
Como Citar
PRADO, J. M. K. DO. Planejamento e tendências de marketing para bibliotecas. ConCI: Convergências em Ciência da Informação, v. 5, n. dossiê, p. 1-23, 1 maio 2022.