FONTES DE INFORMAÇÃO, CONHECIMENTO E INOVAÇÃO EM PEQUENAS FARMÁCIAS E DROGARIAS DE JOÃO PESSOA – PB

Palavras-chave: Inovação, Pequenos Negócios, Setor Farmacêutico, Fontes de Informação e Conhecimento

Resumo

Este estudo objetiva identificar as fontes utilizadas pelos pequenos negócios e o seu impacto na promoção da inovação organizacional, de produtos, de marketing e de processos. Quanto ao campo da pesquisa, optou-se pela análise das farmácias e drogarias localizadas em João Pessoa (PB) e que foram atendidas pelo Programa Agentes Locais de Inovação na Paraíba (Programa ALI-PB). Para delimitação do perfil e mensuração do grau de inovação dessas empresas foram adotados o Termo de Adesão e o Radar da Inovação, respectivamente, ambos os instrumentos são utilizados pelo Sebrae na metodologia do Programa ALI. Com base nos resultados, identificou-se uma correlação entre as duas dimensões do Radar da Inovação “Clientes” e “Ambiência Inovadora”, selecionadas como objetos de estudo, e as demais 11 dimensões desta ferramenta que são identificadas como variáveis da pesquisa. Compreende-se, portanto, a importância da busca constante de informações e conhecimentos internos e externos à organização, a fim de promover a inovação.

Biografia do Autor

Narjara Bárbara Xavier Silva, Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Bolsista CNPq no Programa Agentes Locais de Inovação no estado da Paraíba - Programa ALI-PB (Edição 2014-2016).
Ediene Souza de Lima, Analista Técnica no Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Paraíba (Sebrae-PB).

Mestra em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Analista Técnica no Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas da Paraíba (Sebrae-PB). 

Referências

AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO. Disponível em: <http://www.sebrae.com.br/sites/PortalSebrae/Programas/Agentes-Locais-de-Inova%C3%A7%C3%A3o:-receba-o-Sebrae-na-sua-empresa>. Acesso em: 08 set. 2015.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BERGERON, B. P. Essentials of knowledge management. Chichester: John Wiley & Sons, 2003.

BRASIL. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004 (Lei da Inovação). Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm>. Acesso em: 09 out. 2015.

BRASIL. Lei Nº 123, de 14 de dezembro de 2006 (Lei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp123.htm>. Acesso em: 09 out. 2015.

BRASIL. LEI Nº 13.021, de 08 de agosto de 2014 (Exercício e Fiscalização das atividades farmacêuticas). Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13021.htm>. Acesso em: 30 out. 2015.

CARVALHO, Hélio Gomes de; REIS, Dálcio Roberto dos. CAVALCANTE, Márcia Beatriz. Gestão da Inovação. Curitiba: Aymará, 2011.

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO (CNPq). Disponível em: <http://cnpq.br/apresentacao-ali>. Acesso em: 08 set. 2015.

GIL, A. C. Como preparar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica (PINTEC). Rio de Janeiro: IBGE, 2002.

JORNAL DA PARAÍBA. Disponível em: <http://www.jornaldaparaiba.com.br/economia/noticia/139155_pib-da-paraiba-cresce-quatro-vezes-mais-do-que-a-media-nacional>. Acesso em: 02 out. 2015.

LE COADIC, Y. F. A Ciência da Informação. Brasília: Briquet de Lemos, 1996.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 12. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NORDESTE1. Disponível em: <http://www.nordeste1.com/geracao-de-empregos-na-paraiba-cresce-1835/>. Acesso em: 02 out. 2015.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Manual de Oslo: Proposta de Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação Tecnológica. 3. Ed. FINEP, 2005.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE NACIONAL). Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. Brasília: Unidade de Gestão Estratégica (UGE), 2014.

______. Sobrevivência das empresas no Brasil. Brasília: Unidade de Gestão Estratégica (UGE), 2013a.

______. Inovação nos Pequenos Negócios. Brasília. Unidade de Gestão Estratégica (UGE), 2013b.

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE PARANÁ). Guia para a Inovação: Instrumento para a melhoria das dimensões da inovação. 2. Ed. Curitiba: Bachmann & Associados, 2015.

SOUSA, Edvânio Duarte de; DIAS, Eduardo José Wense; NASSIF, Mônica Erichsen. Gestão da informação e gestão do conhecimento na Ciência da Informação: perspectivas teóricas e práticas organizacionais. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 21, n. 1, p. 55-70, jan./abr. 2011.

VALENTIM, M. L. P; CAVALCANTE, L. F. Informação e conhecimento no contexto de ambientes organizacionais. In: VALENTIM, M. L. P (Org.). Gestão, mediação e uso da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

ZINS, Chaim. Redefinindo a Ciência da Informação: da “Ciência da Informação” para a “Ciência do Conhecimento”. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 21, n. 1, p. 144-167, set./dez. 2011.

Publicado
2019-01-08