O COLONIALISMO DIGITAL COMO NOVA FORMA DE IMPERIALISMO NA SOCIEDADE EM REDE

  • Alessandra Cristina de Mendonça Siqueira UFS/UNIT

Resumo

No momento atual, as fronteiras entre “mundo digital e mundo real” encontram-se cada vez menos visíveis, e, até mesmo, incabíveis. Está ocorrendo uma migração para uma forma de abstração social, onde os meios digitais são os responsáveis por integrar justamente o conceito de individualismo e identidade. Nesse toar, temas como privacidade e vigilância são palavras-chave para a noção de proteção de direitos individuais, referentes aos próximos anos. Existe um confronto verdadeiro entre controle e liberdade, segurança e privacidade, onde não se sabe ao certo quais os limites e extensões das práticas que estão acontecendo, seja referente à captura e análise massiva de dados, como também uma forma de controle tecnológico muito menos observável. É nesse contexto que se enquadra a noção de “colonialismo digital e capitalismo de vigilância”, a serem analisadas no trabalho em questão, onde os novos atores, situados em polos tecnológicos, impõem uma nova forma de imperialismo, não apenas à sociedade, mas a Estado como um todo. A discussão de medidas, políticas e intervenções, é não apenas necessária, mas urgente, a fim de colocar uma luz às práticas que acontecem antes das mesmas se infiltrarem como a normalidade passiva.

Biografia do Autor

Alessandra Cristina de Mendonça Siqueira, UFS/UNIT

Graduada em Direito. Advogada. Fundadora do Aracaju Legal Hackers, criadora do JurisData, ativista na proteção de direitos fundamentais no ambiente cibernético, membro da Internet Society, membro da Comissão De Ética, Direito e Conformidade em Ambiente Digital e Internet do Instituto Brasileiro de Direito e Ética Empresarial, membro do GT da ISOC e do IBDEE.

Publicado
2021-02-05
Seção
V Seminário Internacional de Pesquisa e Extensão em Relações Internacionais