Vivências digitais e aprendizagem ativa na pandemia no ensino superior

Resumo

Com as políticas educacionais voltando suas atenções cada vez mais às particularidades dos alunos, por meio do “Novo Ensino Médio”, por exemplo, ganha ênfase a discussão a respeito das metodologias ativas. Assim, este trabalho objetiva analisar os Projetos Integradores desenvolvidos pelos estudantes de Licenciatura de uma universidade virtual, a partir do cenário provocado pela pandemia da Covid-19, frente aos temas, metodologia de coleta de dados e sua forma de aplicação. Para tanto, utilizou-se a pesquisa documental, sendo selecionados de forma randômica três trabalhos que tiveram impacto nas comunidades inseridas, fizeram menção à pandemia e foram desenvolvidos no segundo semestre de 2020. Após análise dos documentos, é possível afirmar que os alunos têm sido capazes de redesenhar suas práticas para atender aos requisitos de aprendizagem durante a pandemia, mesmo com as metodologias ativas que, em tese, necessitam de mais contato físico e atividades locais. Os temas, problemas e os procedimentos para coleta de dados dos trabalhos analisados demonstram a segurança que uma pandemia requer e, por outro lado, a rigorosidade que a aprendizagem demanda.

Biografia do Autor

Edison Trombeta de Oliveira, Univesp/Fatec

Doutor em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FE/USP). Mestre em Educação pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (FCT/UNESP). Possui graduação em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE). Atualmente é Designer Instrucional na Universidade Virtual do Estado de São Paulo (UNIVESP), responsável inclusive pelos cursos do Ensino Médio do programa Novotec, e professor do ensino superior na Faculdade de Tecnologia de São Paulo (Fatec). Tem experiência nas áreas de Educação e Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: Comunicação em Ambientes Digitais, educação a distância e educação baseada em tecnologias. 

Monica Cristina Garbin, Univesp/USP

Doutora em Educação (2014) e graduada em Pedagogia (2007), pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Foi visiting research scholar na Stanford University (2012), tendo participado de projetos relacionados a avaliação de tecnologias aplicadas à educação. É professora contratada da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP) no Departamento de Metodologia do Ensino e Educação Comparada, na área de Didática. É professora da Universidade Virtual do Estado de São Paulo na área de Metodologia e Educação a Distância (EaD), pertencendo ao Núcleo de ensino, pesquisa e extensão em Tecnologias e Gestão. Realiza pesquisas na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Didática, Tecnologias Educacionais, Formação de Professores e Metodologias de Ensino.

Publicado
2022-03-24