Estimulação precoce na educação infantil: um estudo bibliométrico

Carolina Cardoso, Leandra Procópio Fernandes, Marcos Procópio

Resumo


Resumo: Reconhecendo a importância da estimulação precoce na educação infantil e tendo como marco legal as Diretrizes Educacionais sobre Estimulação Precoce publicado pelo MEC em 1995, foi desenvolvido um estudo bibliométrico de cunho quantitativo e qualitativo no periódico científico digital brasileiro da Scielo em busca artigos publicados entre 1995 e 2016 que apresentassem dados de intervenções realizadas em contexto da Educação Infantil junto às crianças que necessitam de estimulação precoce. Tendo como palavras geradoras os termos: “estimulação essencial”, “estimulação precoce” e “intervenção precoce” foram selecionados 13 artigos que atendiam aos critérios previamente estabelecidos. Do estudo bibliométrico foi possível observar um intervalo de oito anos entre a publicação das Diretrizes do MEC (1995) a primeira publicação (2003), assim como baixo número de publicações sobre a estimulação precoce na educação infantil. Os artigos foram elaborados por pesquisadores em sua maioria Psicólogos/Docentes de Universidades Públicas do Brasil (9) e de Portugal (4). As revistas escolhidas para publicação possuem Qualis na sua maioria A1 e possuem origem em departamentos da área da Educação, apesar disso 11 dos trabalhos trazem a estimulação precoce numa perspectiva médica em detrimento da escolar e apenas 2 trazem orientações para que os estudos realizados sejam estendidos às escolas.

Palavras-chave: Estimulação precoce. Educação infantil. Estudo Psicométrico.


Texto completo:

PDF

Referências


BOLSANELLO, Maria Augusta. Concepções sobre os procedimentos de intervenção e avaliação de profissionais em estimulação precoce. Revista Educar, Curitiba, n. 22, p. 343-355, 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.

BRASIL. Constituição Federal (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2016.

BRASIL. Diretrizes educacionais sobre estimulação precoce: o portador de necessidades educativas especiais. Secretaria de Educação Especial – Brasília: MEC, SEESP, 1995.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada. Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Nota Técnica Conjunta n° 02/2015/MEC/SECA/DPEE – SEB/DICEI, 2015.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: . Acesso em: 2 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil / Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. — Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Saberes e práticas da inclusão: recomendações para a construção de escolas inclusivas. Brasília: MEC, 2006.

FLORES, Mariana Rodrigues; SMEHA, Luciane. Bebês com risco de autismo: o não-olhar do médico. Revista Ágora, Rio de Janeiro, v. 16, número especial, p. 141-157, 2013. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2016.

FORMIGA, Cibelle Kayenne. Eficácia de um programa de intervenção precoce com bebês pré-termo. Revista Paidéia, Goiânia, p. 301-311, 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2016.

FRANCO, Vitor. Tornar-se pai/mãe de uma criança com transtornos graves do desenvolvimento. Educar em revista, Curitiba, n. 59, p. 35-48, 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2016.

FRANCO, Vitor; MELO, Madalena; APOLÓNIO, Ana. Problemas do desenvolvimento infantil e intervenção precoce. Educar em revista, Curitiba, n.43, p. 49-64, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2016.

FERREIRA, João Batista; SADOYAMA, Adriana Santos Prado. Educação a distância uma alternativa para a educação profissionalizante, inclusiva e formação continuada: Um estudo bibliométrico. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v.11, n.20, p.347, 2015.

GRAÇA, Patrícia Roberto de Meireles; LOPES, Sónia Cristiana Gonçalves; SERRANO, Ana Maria da Silva Pereira Henriques; CAMPOS, Adriano Rockland Siqueira. O momento da avaliação na intervenção precoce: o envolvimento da família estudo das qualidades psicométricas do asq-2 dos 30 aos 60 meses. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.16, n. 2, p. 177-196, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2016.

KREUTZ, Carla Meira; BOSA, Cleonice Alves. Intervenção precoce na comunicação pais-bebê com deficiência visual. Estudos de Psicologia, 2009. . Acesso em: 16 jul. 2016.

MARTINEZ, CMS; JOAQUIM, RHVT; OLIVEIRA, EB; SANTOS, IC. Suporte informacional como elemento para orientação de pais de pré-termo: um guia para o serviço de acompanhamento do desenvolvimento no primeiro ano de vida. Revista Brasileira de Fisioterapia, 2007. . Acesso em: 10 jul. 2016.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Inclusão marco zero: começando pelas creches. Araraquara, SP: Junqueira&Marin, 2010.

PERIN, Andréa Eugênia. Estimulação Precoce: sinais de alerta e benefícios para o desenvolvimento. Revista de Educação do Ideau, v. 5, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2016.

RAMALHO, Joaquim; SILVA, Célia; CRUZ, Cláudia. Intervenção precoce na epilepsia. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 15, n. 3, p. 359-368, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 jul. 2016.

RODRIGUES, Olga Maria Piazentin Rolin. Escalas de desenvolvimento infantil e o uso com bebês. Educar em revista, Curitiba, n. 43, p.81-100, 2012. Disponível em: . Acesso em: 25 jul. 2016.

RODRIGUEZ, Fernanda Travassos; CARNEIRO Terezinha Féres. Os bebês com síndrome de down e seus pais: novas propostas para intervenção. Estudos de Psicologia, Campinas, p. 832-849, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2016.

SILVA, Nancy Apretz Batista da; AIELLO, Ana Lúcia Rossito. Ensinando o pai a brincar com seu bebê com síndrome de down. Educar em revista, Curitiba, n. 43, p. 101-116, 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2016.

SOEJIMA, Carolina Santos; BOLSANELLO, Maria Augusta. Programa de intervenção e atenção precoce com bebês na Educação Infantil. Educar em revista, Curitiba, n. 43, p. 65-79, 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2016.

TARTUCI, Dulcéria; CANUTO, Mônica; XIMENIS, Priscilla. Estimulação precoce e o atendimento de crianças na educação infantil. APOSTILA. Catalão, GO: UFG/AEE, 2015.

ULSENHEIMER, Janaine; GRAVE, Magali. Perfil profissional do estimulador precoce nas APAE’s dos Vales do Taquari e Rio Pardo. Revista Destaques Acadêmicos, ano 1, n. 3, 2009. Disponível em: . 02 nov. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista EDaPECI

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.