Tecnologias móveis em educação: um experimento por meio da sala de aula invertida

Kaio Eduardo de Jesus Oliveira, André Luiz Alves, Cristiane de Magalhães Porto

Resumo


Resumo: Com o intuito de discutir a relação entre tecnologias digitais móveis e educação mediante uma experiência de sala de aula invertida, na elaboração deste artigo, nos pautamos em dois tipos de pesquisa: a pesquisa bibliográfica, para articular conceitos e ideias pertinentes à temática, utilizando autores como lucia santaella (2010, 2013), andré lemos (2007, 2009 e 2013); e a pesquisa etnográfica com o objetivo de analisar por intermédio da observação participante a construção do processo educativo mediado por tecnologias digitais em uma turma da disciplina produção textual ii, do curso de comunicação social da universidade tiradentes – unit, em aracaju, sergipe. Por meio desta pesquisa pode-se constatar que os dispositivos digitais articulados a internet possibilitam novas formas de aprender e permitem a adoção de novas estratégias metodológicas de ensinagem. Além disso, transformam os processos comunicacional e social dos sujeitos, possibilitando também o acesso ilimitado à informação em qualquer lugar e a qualquer hora, criando espaços e aprendizagens ubíquas por meio de processos híbridos.

Palavras-chave: sala de aula invertida. Tecnologias digitais. Ensino e aprendizagem.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBERO, Jesús Martín. A comunicação na educação. Tradução: Maria Immacolata Vassallo de Lopes e Dafne Melo. São Paulo: Contexto, 2014.

CITELLI, Adilson. Comunicação e educação: a linguagem em movimento. 3.ed. São Paulo: Senac, 2004.

COUTO, Evaldo Souza. Educação 3.0 é a tecnologia que integra pessoas. Disponível em: . Acesso em: 2 ago. 2016.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. Tradução: Susana Alexandria. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

LATOUR, Bruno. Reagregando o Social. Bauru, SP: EDUSC/Salvador, BA: EDUFBA, 2012.

LEMOS, André. A Comunicação das coisas: Teoria ator-rede e Cibercultura. São Paulo: Annablume, 2013.

LEMOS, André; Josgrilberg, Fabio. Comunicação e mobilidade: aspectos socioculturais das tecnologias móveis de comunicação no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2009.

LEMOS, André. Mídias locativas e territórios informacionais. Disponível em: . 2007. Acesso em: 4 ago. 2016.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LIPOVETSKY, G. Da leveza para uma civilização do ligeiro. Tradução: Pedro Elói Duarte. Lisboa: Extra-colecção, 2016.

PORTO, Cristiane, et all. Pesquisa e mobilidade na Cibercultura: itinerâncias docente. Salvador: EDUFBA, 2015.

SANTAELLA, Lucia. A aprendizagem ubíqua substituia educação formal? 2010. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2016.

SANTAELLA, Lucia. Comunicação ubíqua: repercussões na cultura e na educação. São Paulo: Paulus, 2013.

SOUZA; SILVA, Adriana. Do ciber ao híbrido: tecnologias móveis como interface dos espaços híbridos. Porto Alegre: Sulina, 2006.

VASCONCELOS, Tereza Maria. Aonde pensas tu que vais? Investigação etnográfica e estudos de caso. Porto: Editora Porto, 2016.

VIEIRA, Valéria; BIANCONI, Lucia M. e DIAS, Monique. Espaços não formais de ensino e o currículo de ciências Revista Ciência e Cultura Educação não-formal, São Paulo, n.4, ano 57, out-dez. 2005. p.21-23.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista EDaPECI

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.