Concepções de avaliação em educação presencial e a distância

Rozevania Valadares de Meneses César

Resumo


Resumo: O objetivo desse estudo foi analisar o processo avaliativo na modalidade à distância. A utilização da tecnologia na educação é um dos temas mais recorrentes na literatura acadêmica. Em relação à metodologia foi realizada uma pesquisa bibliográfica e uma pesquisa de campo, onde foram aplicados questionários com 18 professores para verificar a percepção dos mesmos sobre a Avaliação em Ambientes Virtuais de Aprendizagem. Como resultados, verificou-se que para os docentes entrevistados a avaliação nos ambientes virtuais são diferentes das avaliações no âmbito presencial.  Ressaltaram que o meio virtual instiga novos olhares e aguça a capacidade dos docentes em utilizar as suas habilidades para interpretarem os resultados do desenvolvimento cognitivo, ou seja, do conteúdo aprendido pelos alunos. Concluiu-se que entre as vantagens da avaliação nos AVA é que este é um poderoso instrumental interacional capaz de alterar as possibilidades de relação entre os sujeitos envolvidos, viabilizando, assim, condições indispensáveis ao caráter dialógico da educação. Entre as principais desvantagens estão a necessidade de um elevado grau de maturidade e compromisso por parte do aluno, dificuldade em separar os conteúdos importantes e o aluno precisa ter um conhecimento, pelo menos básico, para que consiga estudar no ambiente tecnológico.

Palavras-chave: Tecnologia. Avaliação Presencial. Avaliação à Distância.


Texto completo:

PDF

Referências


BLOOM, Benjamin S. Taxionomia dos objetivos educacionais. Porto Alegre: Globo, 1993.

BRASIL, MEC, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9394/1996.

BRASIL. Parâmetros curriculares Nacionais. Brasília: DF, 1997.

BRASIL. Portaria 2253 de 1998. Brasília: DF, 1998.

GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HOFMANN, J. M. L. Avaliação Mediadora: uma prática em construção da pré-escola à Universidade. Porto Alegre: Educação & Realidade, 2000.

JAMES, R.; Mclnnis, R. & Delvin, M. Assessing Learning in Australian Universities, Ideas, strategies and resources for quality in student assessme nt. Centre for the Study of Higher Education, The University of Melbourne, Victoria, Australia. 2002. Acesso: 15 de janeiro de 2013 em: http://www.cshe.unimelb.edu.au/

LUCKESI. Cipriano Carlos. Maneiras de Avaliar a Aprendizagem. Pátio. São Paulo, ano 3. Nº 12. P. 7 – 11, 1999.

LUCKESI, Cipriano C. Avaliação da Aprendizagem Escolar. 10ª ed. São Paulo: Cortez, 2003.

LUCKESI, Cipriano C. Avaliação da Aprendizagem Escolar. 13ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

MATTAR, J. (2013). Avaliação em Educação a Distância. Vídeo do youtube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=IHL6hvllCJU. [Fecha de consulta: 24/05/2016

MCVAY, L. M. The Online Educador. London: Routledge/Falmer.2002.

MORGAN, Ch. & O’ Reilly, M. Assessing Open and Distance Learners. London: Kogan Page.2002.

PALLOFF, R.M., PRATT, K. Construindo comunidades de aprendizagem no ciberespaço. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PELLEGRINI, J. W.; Chudwsky, N. & Glaser, R. (Eds.). Knowing What Students Know: The Science and design of educational assessment. Washington, DC: National Academy Press. 2001

RYAN, S.; SCOUT, B.; FREEMAN, H.; &PATEL, D. The Virtual University. London: Kogan 2002.

SILVA, Angela Carrancho da e SILVA, Christina Marília Teixeira da. Avaliação em Ambientes Virtuais: Rompendo as Barreiras da Legislação. Fundação Cesgranrio. 2008.

ZABALA, Antoni. A Prática Educativa. Porto Alegre: Artmed, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista EDaPECI

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.