A inserção das tecnologias móveis como estratégia didática para a aprendizagem dos conteúdos matemáticos

Resumo

O presente artigo relata uma experiência que objetivou investigar a utilização das tecnologias móveis como estratégia didática para a aprendizagem de conteúdos matemáticos, com o intuito de descobrir como podem contribuir significativamente para a formação inicial de professores que vão ensinar Matemática no Ensino Fundamental. O estudo foi realizado com os alunos dos cursos de Pedagogia e Licenciatura em Matemática na modalidade presencial de uma universidade pública brasileira e a metodologia utilizada foi de cunho qualitativo e aconteceu em três momentos: 1-Planejamento e elaboração da oficina; 2- Execução da oficina e 3 – Análise dos dados coletados no período da oficina. Os resultados obtidos evidenciaram o interesse destes alunos em formação nas possibilidades e limitações do uso das tecnologias móveis como recursos de ensino e aprendizagem dos conteúdos matemáticos dos campos conceituais trabalhados. Os dados coletados também apresentam que na formação inicial falta de um currículo que aborde o contexto educacional no qual estão inseridos, em contraposição a uma didática e currículo tradicional. Os resultados poderão servir de base para que se invista na formação de professores que desenvolvam uma prática educativa reflexiva e contextualizada com as necessidades atuais em usar as ferramentas das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs).

Biografia do Autor

Fernando Silvio Cavalcante Pimentel, Universidade Federal de Alagoas
Possui graduação em Pedagogia pela Fundação Educacional Jayme de Altavila (2005), especialização em Tecnologias em Educação  pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro e especialização em Docência do Ensino Superior na Universidade Castelo Branco, UCB-RJ. É mestre em Educação Brasileira pela Universidade Federal de Alagoas (2010) e doutor em Educação (UFAL, 2015). Foi professor - de escolas particulares, tutor do programa de formação continuada - Secretaria de Educação a Distância - MEC, professor tutor 1 da Universidade Tiradentes e professor do Governo do Estado de Alagoas. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: aprendizagem, educação online, webquest, tutor e avaliação. Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal de Alagoas, onde atuou como Vice Coordenador da Coordenadoria Institucional de Educação a Distância e Coordenador Adjunto da Universidade Aberta do Brasil.
Raphael de Oliveira Freitas, SENAC-AL
Graduado em Matemática Licenciatura, especialista em Matemática Financeira e Estatística, especialista em Docência para a Educação profissional e mestrando em Educação. Atua como pesquisador no GPEM (Grupo de Pesquisa em Educação Matemática) da UFAL. Desenvolve Sequências Didáticas de conteúdos de Matemática do ensino fundamental para a Secretária Estadual de Educação do Estado de Alagoas. Leciona nos cursos profissionalizantes do SENAC-AL, atuando nas disciplinas de Matemática Básica, Matemática Comercial, Matemática Aplicada ao Laboratório, Noções de Bioestatística e Estatística Aplicada a Segurança do Trabalho, trabalhando nos cursos da Área de Saúde: Técnico em Analises Clínicas, Balconista de Farmácia e Técnico em Segurança do Trabalho e nas Unidades de Programas Sociais como o PSG (Programa SENAC de Gratuidade) e o PRONATEC nos cursos de Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Pessoal, Almoxarifado e Frentista.

Referências

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática- primeiro e segundo ciclos do ensino fundamental / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1997. 142 p.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática- terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília: MEC/SEF, 1998. 142 p.

BAIRRAL, M. et al. Mãos em ação em dispositivos touchscreen na educação matemática. 1. Ed.- Rio de Janeiro: Editora da UFRRJ, 2015. – (Série Inova Com Tic; v.1)

BORBA. M. et al. Fases das tecnologias digitais em Educação Matemática: sala de aula e internet em movimento. 1. Ed. – Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014. – (Coleção Tendências em Educação Matemática).

LÉVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999. 264p.

___________. As tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro: Editora 34,1998. 264p.

KAMPF, Cristiane. A geração Z e o papel das tecnologias digitais na construção do pensamento. Com Ciência, Campinas, n.131, 2011. Disponível 30 em:<http://comciencia.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151976542011000700004&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 10 de out. 2016.

POLYA, George. A arte de resolver problemas. Rio de Janeiro. Editora Interciência, 2006. 196p.

PONTE. J. et al. Investigações Matemáticas na Sala de Aula. 3.Ed. - Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013. – (Coleção Tendências em Educação Matemática).

PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants. MCB University Press, 2001. Disponível em: http://www.marcprensky.com/writing/Prensky%20- %20Digital%20Natives,%20Digital%20Immigrants%20-%20Part1.pdf>. Acesso em: 16 de out. 2016.

NOVA ESCOLA, Encarte especial: Campo Aditivo. Disponível em: http://www.magiadamatematica.com/uss/pedagogia/24-teoria-3-campo-aditivo.pdf Acesso: 29 de fev. de 2016.

NOVA ESCOLA, Encarte especial: Campo Multiplicativo. Disponível em: <http://www.magiadamatematica.com/uss/pedagogia/25-teoria-4-campo-multiplicativo.pdf> Acesso: 29 de fev. de 2016.

VERGNAUD, Gérard. A criança, a matemática e a realidade: problemas da matemática na escola elementar. (Trad. Maria Lucia Faria Moro). 3ª ed. rev. Curitiba: Editora da UFPR, 2014. 322p.

ZANLORENZI, E. Considerações sobre o uso de estratégias didáticas: uma visão complexa e ecossistêmica. VIDYA, v. 28, n. 2, p. 12, 2008. Disponível em: https://goo.gl/vCCRB6. Acesso em: 18 fev. 2017.

Publicado
2019-04-09