Revista Eptic

Revista Eptic, ISSN 1518-2487, classificada como QUALIS B1, na área de Ciências Sociais Aplicadas I,  é produzida Observatório de Economia e Comunicação (OBSCOM) e  vinculada aos programas de pós-graduação em Comunicação (PPGCOM), Economia (NUPEC), da Universidade Federal de Sergipe.

Criada em 1999, a partir de um projeto de organização de uma rede de pesquisadores a partir dos grupos de trabalho de Economia Política da Comunicação da ALAIC (Asociación Latino-americana de Investigadores de la Comunicación) e da INTERCOM (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação).

Este periódico eletrônico quadrimestral, é a única publicação do país a tratar especificamente da Economia Política da Comunicação e da Cultura, tendo forte impacto na sua área específica de atual, tanto em nível nacional quanto internacional.

Divergindo do pensamento único, na multiplicidade organizacional, o grupo de pesquisadores da Rede Eptic foca seus estudos em Economia Política da Comunicação, em tópicos como o processo de oligopolização da mídia, as políticas de comunicação, as inovações na área informacional, a funcionalidade da cultura no capitalismo e os lugares da democracia e da diversidade nessas dinâmicas, sendo protagonista na organização dos estudos críticos em Economia Política da Comunicação no Brasil, na América Latina e na Europa, onde atua em parceria com a Ulepicc (Unión Latina de Economía Politica de la Información, la Comunicación y la Cultura), entidade em cuja fundação teve papel protagonista.


Eptic Magazine, ISSN 1518-2487, classified as QUALIS B1, in the field of Applied Social Sciences I, is produced by the Observatório de Economia e Comunicação – Observatory of Economy and Communication (OBSCOM) and connected to the Post Graduation programs in Communication (PPGCOM) and Economy (NUPEC) of the Federal University of Sergipe.

Created in 1999, from an organizational project of a network of researchers derived from the Political Economy of Communication work groups of the ALAIC (Asociación Latino-americana de Investigadores de la Comunicación) and of INTERCOM (Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação – Brazilian Society of Interdisciplinary Communication Studies).

This quarterly electronical journal is the only publication in the country to deal specifically with the Political Economy of Communication and Culture, and has great impact in its specific area of activity, at both national and international levels.

Diverging from the single thought, with organizational multiplicity, the group of researchers in the Eptic Network focuses its studies on the Political Economy of Communication, on subjects such as the process of media oligopolization, communication policies, the innovations in the informational area, the functionality of culture in capitalism and the places of democracy and diversity in these dynamics, it is the protagonist in the organization of critical studies of Political Economy of Communication in Brazil, Latin America and Europe, where it acts in partnership with the Ulepicc (Unión Latina de Economía Politica de la Información, la Comunicación y la Cultura), an entity in whose foundation it had an important role.



Imagem para capa da revista

Revista EPTIC - Revista eletrônica internacional de Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura – www.revistaeptic.ufs.br

CHAMADA DE ARTIGOS PARA O DOSSIÊ TEMÁTICO: Economia Política da Comunicação e Estudos Culturais na América Latina

 A REVISTA EPTIC, produzida pelo Observatório de Economia e Comunicação (OBSCOM) da Universidade Federal de Sergipe (UFS), informa que está aberta a chamada de artigos para a edição de maio-agosto, vol. 21, n. 2, que terá como tema de seu dossiê temático: “Economia Política da Comunicação e Estudos Culturais na América Latina”

 Ementa:

 O diálogo entre Estudos Culturais e Economia Política da Comunicação na Inglaterra tem uma história conhecida. Na América Latina, ao contrário, embora a tensão criativa entre essas duas correntes de pensamento se apresente desde o início, não chegou a constituir-se um debate amplo, desafiador e construtivo, entre as duas correntes, que poderia ser um poderoso incentivo à construção de um programa transversal de pesquisa para a reconstrução do campo crítico da Comunicação num momento, como o atual, de profundas transformações no capitalismo, com impactos fundamentais sobre a cultura e os sistemas de comunicação.

 EPC e EC convivem no campo da Comunicação, desde a década de 1980, como as duas correntes surgidas da crítica à velha escola, fundadora do pensamento comunicacional latino-americano, ela mesma também crítica do funcionalismo das teorias da comunicação constituídas no terreno da sociologia americana e das teorias do desenvolvimento convencionais. A crítica destas últimas, por sua vez, será obra do estruturalismo histórico latino-americano (que não se confunde com o estruturalismo francês, como bem esclarece Celso Furtado em sua Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico), a grande escola de pensamento social do subcontinente ao longo do século XX.

 A EPC latino-americana, em geral, no seu nascedouro, faz parte dessa escola de pensamento econômico e sociológico que influenciou o conjunto das ciências sociais, motivo pelo qual a sua crítica ao pensamento comunicacional latino-americano originário pode ser entendida como crítica interna, enquanto a crítica feita pelos EC deve ser entendia como externa, na medida em que trata justamente de introduzir um novo paradigma sócio-antropológico, num tour de force muito bem sucedido, sintetizado na expressão “dos meios às mediações”, que constitui o título da obra fundadora de Jesús Martin-Barbero. A falta de um diálogo mais sistemático entre essas duas escolas tem diferentes motivos, entre eles certamente a pequena dimensão da EPC até, pelo menos, meados dos anos 1990, mas principalmente pelo fato de suas raízes interdisciplinares muito diferenciadas.

 Sem ser antropólogo nem estritamente marxista, Celso Furtado talvez seja o autor, entre os clássicos do pensamento latino-americano, que melhor compreendeu a necessidade de articulação dessas duas perspectivas para o enfrentamento dos dilemas ligados ao desenvolvimento, ao subdesenvolvimento e à dependência. No campo da Comunicação, no Brasil, a releitura de Furtado e de outros autores clássicos vem ocorrendo de forma mais ou menos intensa desde o início da segunda década do século XXI, principalmente em função da necessidade de fundamentação da crítica das políticas culturais no momento da expansão das teorias e das propostas ligadas à ideia de economia criativa, indústrias criativas e todos os fenômenos e as ideologias surgidos da esteira da reestruturação produtiva iniciada nos anos 70 do século passado.

 A expansão dos EC no campo crítico na região traduziu-se num segundo momento de forte impacto internacional do pensamento comunicacional latino-americano, após a crise decorrente da desestruturação da NOMIC, que afetou a primeira escola crítica, cuja influência na UNESCO e em organizações internacionais como a IAMCR é célebre. É claro que a crise do pensamento está ligada à crise que operava na realidade do capitalismo e que levaria às profundas transformações de todo tipo acima referidas, com impactos não apenas nos sistemas de comunicação, informação e cultura, mas também na reflexão crítica sobre eles.

 Quarenta anos depois, estamos certos de que, para além do diálogo com outras escolas, de outras regiões, o pensamento comunicacional latino-americano segue vigoroso e com potencial de formular um novo e amplo programa de pesquisas em nível regional e internacional para enfrentar as questões postas pela nova realidade.  Estamos convencidos que essa contribuição exige uma articulação de todos os subcampos da Comunicação, muito especialmente dos Estudos Culturais e da Economia Política da Comunicação e da Cultura.

 A Revista EPTIC, desde a sua fundação, há duas décadas, vem propondo esse diálogo fraterno e construtivo. Recentemente, em dezembro de 2018, um seminário foi realizado sobre o tema em Porto Alegre, por iniciativa dos programas de pós-graduação em Comunicação da UFRGS e da UFS, articuladas em um programa de cooperação do tipo PROMOB apoiado pela CAPES, com a participação do Observatório de Economia e Comunicação da UFS (OBSCOM), que edita a Revista EPTIC. Uma das propostas de continuidade daquela cooperação é a publicação de um dossiê, correspondente ao segundo número de 2019

 O objetivo da publicação é estimular o diálogo entre as duas importantes áreas de estudo  no sentido de qualificar a produção teórica e a pesquisa empírica, reforçando a posição dos grupos envolvidos no debate epistemológico do campo em nível nacional e internacional. O foco na relação entre comunicação e cultura, tratado pela intersecção e articulação das duas perspectivas dispostas a dialogar, só tende a enriquecer a pesquisa teórica e as análises dos fenômenos empíricos, que em geral carecem da visão e do instrumental teórico-metodológico da sua contraparte. O encontro almejado tem potencial de fazer florescer estudos mais complexos, que combinem aproximações entre macro e micro abordagens em prol de uma compreensão mais afinada dos objetos de estudo de nossa área.

 Prazo para submissão dos artigos: 01 de abril de 2019

Período de publicação da revista: maio-agosto de 2019

 Coordenadoras do Dossiê temático: Prof. Dr. Cesar Bolaño (Universidade Federal de Sergipe) e Profª Drª Nilda Jacks (Universidade Federal do Rio Grande do Sul)

Mais informações e normas para submissão em: http://www.seer.ufs.br/index.php/eptic/about/submissions#onlineSubmissions

 

Espanhol: Llamada de trabajos - Dossier: Economía Política de la Comunicación y Estudios Culturales en América Latina

El diálogo entre Estudios Culturales y Economía Política de la Comunicación en Inglaterra tiene una historia conocida. En América Latina, al contrario, aunque la tensión creativa entre esas dos corrientes de pensamiento se presente desde el inicio, no ha llegado a constituirse un debate amplio, desafiador y constructivo, entre las dos corrientes, lo que podría ser un poderoso incentivo a la construcción de un programa transversal de pesquisa para la reconstrucción del campo crítico de la Comunicación en un momento, como el actual, de profundas transformaciones en el capitalismo, con impactos fundamentales sobre la cultura y los sistemas de comunicación.

EPC y EC conviven en el campo de la Comunicación, desde la década de 1980, como las dos corrientes surgidas de la crítica a la vieja escuela, fundadora del pensamiento comunicacional latino-americano, ella misma también crítica del funcionalismo de las teorías de la comunicación constituidas en el terreno de la sociología americana y de las teorías del desarrollo convencionales. La crítica de estas últimas, por su parte, será obra del estructuralismo histórico latino-americano (que no se confunde con el estructuralismo francés, como bien aclara Celso Furtado en su Teoría y Política del Desarrollo Económico), la gran escuela de pensamiento social del subcontinente a lo largo del siglo XX.

La EPC latino-americana, en general, en su nacimiento, forma parte de esa escuela de pensamiento económico y sociológico que ha influenciado el conjunto de las ciencias sociales, motivo por lo cual su crítica al pensamiento comunicacional latino-americano originario puede ser entendida como crítica interna, mientras la crítica hecha por los EC debe ser entendida como externa, en la medida en que trata justamente de introducir un nuevo paradigma socio-antropológico, en un tour de force muy bien sucedido, sintetizado en la expresión “de los medios a las mediaciones”, que constituye el título de la obra fundadora de Jesús Martin-Barbero. La falta de un diálogo más sistemático entre esas dos escuelas tiene diferentes motivos, entre ellos seguramente la pequeña dimensión de la EPC hasta, por lo menos, mediados de los años 1990, pero principalmente por el hecho de sus raíces interdisciplinares muy diferenciadas.

Sin ser antropólogo ni estrictamente marxista, Celso Furtado tal vez sea el autor, entre los clásicos del pensamiento latino-americano, que mejor comprendió la necesidad de articulación de esas dos perspectivas para el enfrentamiento de los dilemas ligados al desarrollo, al subdesarrollo y a la dependencia. En el campo de la Comunicación, en Brasil, la relectura de Furtado y de otros autores clásicos está ocurriendo de forma más o menos intensa desde el inicio de la segunda década del siglo XXI, principalmente en función de la necesidad de fundamentación de la crítica de las políticas culturales en el momento de la expansión de las teorías y de las propuestas ligadas a la idea de economía creativa, industrias creativas y todos los fenómenos y las ideologías surgidos como parte de la restructuración productiva iniciada en los años 70 del siglo pasado.

 La expansión de los EC en el campo crítico en la región se tradujo en un segundo momento de fuerte impacto internacional del pensamiento comunicacional latino-americano, después de la crisis decurrente de la desestructuración de la NOMIC, que afectó la primera escuela crítica, cuya influencia en la UNESCO y en organizaciones internacionales como la IAMCR es célebre. Claro que la crisis del pensamiento está ligada a la crisis que operaba en la realidad del capitalismo y que llevaría a las profundas transformaciones de todo tipo antes referidas, con impactos no solo en los sistemas de comunicación, información y cultura, pero también en la reflexión crítica sobre ellos.

Cuarenta años después, estamos ciertos de que, más allá del diálogo con otras escuelas, de otras regiones, el pensamiento comunicacional latino-americano sigue vigoroso y con potencial de formular un nuevo y amplio programa de investigaciones en nivel regional e internacional para enfrentar las cuestiones puestas por la nueva realidad.  Estamos convencidos que esa contribución exige una articulación de todos los subcampos de la Comunicación, muy especialmente de los Estudios Culturales y de la Economía Política de la Comunicación y de la Cultura.

La Revista EPTIC, desde a su fundación, hace dos décadas, viene proponiendo ese diálogo fraterno y constructivo. Recientemente, en diciembre de 2018, un seminario ha sido realizado sobre el tema en Porto Alegre, por iniciativa de los programas de posgrado en Comunicación de la UFRGS y de la UFS, articuladas en un programa de cooperación de tipo PROMOB, apoyado por la CAPES, con la participación del Observatorio de Economía y Comunicación de la UFS (OBSCOM), que edita la Revista EPTIC. Una de las propuestas de continuidad de aquella cooperación es la publicación de un dosier, correspondiente al segundo número de 2019, coordinado por César Bolaño (UFS) y Nilda Jacks (UFRGS).

El objetivo de la publicación es estimular el diálogo entre las dos importantes áreas de estudio en el sentido de cualificar la producción teórica y la investigación empírica, reforzando la posición de los grupos envueltos en el debate epistemológico del campo en nivel nacional e internacional. El foco en la relación entre comunicación y cultura, tratado por la intersección y articulación de las dos perspectivas dispuestas a dialogar, solo tiende a enriquecer la investigación teórica y el análisis de los fenómenos empíricos, que en general carecen de la visión y de los instrumentos teórico-metodológicos de su contraparte. El encuentro que se desea tiene potencial de hacer florecer estudios más complejos, que combinen aproximaciones entre macro y micro enfoques en pos de una comprensión más afinada de los objetos de estudio de nuestro campo.

Fecha para el envio de artículos: 01 de april de 2019

Coordinadores del Dossiê: Prof. Dr. Cesar Bolaño (Universidade Federal de Sergipe) e Profª Drª Nilda Jacks (Universidade Federal do Rio Grande do Sul)


Inglês: Call for Papers: Political Economy of Communication and Cultural Studies in Latin America

 The dialogue between Cultural Studies and Political Economy of Communication in England has a known history. In Latin America, on the contrary, although the creative tension between these two currents of thought arose from the very beginning, there was not a broad, challenging, constructive debate between those two currents, which could be a powerful incentive to construction of a transversal research program for reconstruction of the critical field of Communication at a moment, like the present one, in which deep transformations in capitalism are happening, with fundamental impacts on culture and communication systems.

PEC and Cultural Studies have been living in the field of communication since the 1980s as the two currents arising from criticism of the old school, founder of Latin American communicational thought, which is also critical of functionalist communication theories constituted in the field of American sociology and conventional developmental theories. Criticism of both, Functionalist Sociology and old Development Theories, in turn, will be the work of Latin American historical structuralism (which is not confused with French structuralism, as Celso Furtado points out in his Theory and Politics of Economic Development), the great school of social thought of the subcontinent throughout the 20th century.

Latin American PEC, in its birth, is part of that school of economic and sociological thought that influenced social sciences as a whole. That way, the PEC criticism of original Latin American communicational thought can be understood as an internal criticism, while the criticism made by the CS must be understood as external, insofar as it is precisely about introducing a new socio-anthropological paradigm, into a very successful tour de force, synthesized in the expression "from media to mediations", which is the title of the founding work of Jesus Martin-Barbero. Lack of a more systematic dialogue between these two schools has different motives, among them certainly the small size of the EPC until at least the mid-1990s, but mainly because of their very differentiated interdisciplinary roots.

Even though he is not an anthropologist or strictly Marxist, Celso Furtado is perhaps the author among the classics of Latin American thought who has better understood the need to articulate these two perspectives in facing the dilemmas of development, underdevelopment, and dependence. In Brazilian Communication Field, the re-reading of Furtado and other classical authors has been occurring more or less intensely since the beginning of the second decade of the 21st century. That theoretical turn was mainly due to the need for a foundation of cultural policies critique at the time of expansion of theories and proposals related to the idea of creative economy, creative industries and all phenomena and ideologies arising from the productive restructuring begun in years of the last century.

Cultural Studies expansion in Latin America critical field ushered into a second moment of strong international impact of Latin American communicational thought, after the crisis resulting from the disorganization of the NOMIC, which affected the first critical school, whose influence in UNESCO and in international organizations as IAMCR is famous. It is clear that the crisis of thought is linked to the crisis that operated in capitalism reality and would lead to profound transformations of all kinds mentioned above, with impacts not only on communication, information and culture systems but also on critical reflection on them.

 Deadline for submission of articles: april, 01, 2019

 Journal's publication date: may-ago 2019

 

 Coordinators of the thematic Dossier: Prof. Dr. Cesar Bolaño (Universidade Federal de Sergipe) e Profª Drª Nilda Jacks (Universidade Federal do Rio Grande do Sul)