Comunicação On-line: uma perspectiva ecológica

  • Adriana Braga Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Comunicação On-line,

Resumo

O controle da natureza pela Humanidade a partir da ciência e sua aplicação técnica é um anseio que remonta a milhares de anos. Freud (1974 [1930]), entretanto, observa que o poder sobre o espaço e o tempo, a subjugação das forças da natureza, não aumenta a quantidade de satisfação, e não torna a vida mais feliz, a reconhecer que este não constitui o único objetivo do esforço cultural, nem a única condição da felicidade humana. Entretanto, mesmo na intenção de entoar uma crítica pessimista, como no trecho citado acima, Freud começa por reconhecer os benefícios devidos aos progressos científicos e tecnológicos. De modo correlato, um/a analista sensato/a que quisesse ressaltar os benefícios obtidos da introdução de uma tecnologia na cultura teria que reconhecer o preço pago para isso, como faz Neil Postman (1994). Neste artigo, busco refletir sobre a comunicação on-line a partir de uma perspectiva ecológica da mídia, visando a articular os fenômenos sob reflexão ao contexto sócio-cultural-tecnológico de sua ocorrência. No que se segue, discuto algumas raízes filosóficas que presidem ao surgimento do campo teórico-metodológico da ecologia da mídia. Ponto chave nesta abordagem é a noção de processo midiático a partir de sua materialidade, posição que se relaciona com premissas da vertente filosófica denominada materialismo.

Biografia do Autor

Adriana Braga, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul
Adriana Braga (CNPq/PUCRS) é Doutora em Ciências da Comunicação com a tese “Feminilidade Mediada por Computador: interação social no circuito-blogue,” vencedora do prêmio The Harold Innis Award for Outstanding Thesis on Media Ecology 2007/EUA. Graduada em Psicologia, Mestre em Ciências da Comunicação, é autora do livro Personas Materno-Eletrônicas: uma análise do blog Mothern (Sulina, 2008, no prelo), na coletânea Produzindo Gênero (Sulina, 2004), organizadora da coletânea CMC, Identidades e Género: teoria e método (Editora da UBI/Portugal, 2006), tendo publicado artigos nas áreas da Comunicação, Ciências Sociais e Antropologia.
Publicado
2011-12-28