Quem procura, acha? O impacto dos buscadores sobre o modelo distributivo da World Wide Web

Suely Fragoso

Resumo


O século XX foi o século da comunicação de massa, durante o qual a imprensa, o cinema, o rádio e a televisão floresceram conforme o modelo irradiativo (um-muitos) de distribuição. Tecnologias de comunicação originalmente vocacionadas para funcionamento epidêmico (muitos-muitos) chegaram a ser reencaminhadas para o modo irradiativo1. Ao final dos anos 1990, entretanto, uma nova prática emergiria das instalações militares e dos campi universitários: a comunicação mediada por computador (CMC). À primeira vista, parecia não se tratar de muito mais que a transposição para um novo ambiente tecnológico de alguns modos pré-existentes de comunicação interpessoal (um-um), como o correio ou o telefone. Entretanto, a configuração tecnológica (em rede) e o ambiente cultural (tanto o espaço universitário quanto a proximidade entre a comunidade hacker e os movimentos da contracultura) eram altamente propícios à comunicação epidêmica (muitos-muitos), que de fato viria a florescer. Com a popularização da internet, e em especial através da World Wide Web, as possibilidades de comunicação muitos-muitos estenderam-se a um número sem precedentes de pessoas. Em um contexto até então marcado pela hegemonia aparentemente intransponível do modelo massivo de comunicação, à época era praticamente impossível não saudar o potencial ‘subversivo’ da CMC.

Palavras-chave


Web; buscadores; Economia da Internet;

Texto completo:

PDF