KOYANISQATSI (1982): CINEMA COMO EXPRESSÃO DE DISTOPIAS E UTOPIAS

Armando Castro, Maria Teresa Franco Ribeiro

Resumo


A partir do filme Koyanisqatsi (1982), este ensaio apresenta uma reflexão acerca da obra artística como potencial vetor de sensibilização e posicionamento político acerca do caos e das distopias do contemporâneo. Metodologicamente, uma breve apresentação do filme, seguida de uma revisão bibliográfica acerca dos temas correlatos ao filme, com destaque para alguns autores da sociologia. Dentre as possibilidades de resultados, apresentar o filme como uma obra artística de elevado engajamento estético-político, realçando a necessidade de um modo de produção menos excludente e esbanjador dos recursos naturais e humanos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


REVISTA FÓRUM IDENTIDADES
Itabaiana: GEPIADDE. 

ISSN 1982-3916

Classificação Qualis CAPES 2017-2020 como A3.

 

INDEXADORES