A IMPORTÂNCIA DAS AÇÕES AFIRMATIVAS PRA COTISTAS NEGROS/AS COMO ESTRATÉGIA CONTRA ADOECIMENTO MENTAL E SUICÍDIO

Resumo

Este artigo discute a partir de um viés interseccional a problemática inscrita na contradição entre o projeto modernista de universidade brasileira que se depara com suas raízes coloniais e portanto, reproduzem um quadro colonial/moderno em que os estudantes negros ainda que aparentemente incluídos pelo sistema de seleção, via ações afirmativas, ainda não se reconhecem efetivamente com sujeitos dentro da universidade e por isso manifestam uma incidência de adoecimento físico e mental, engrossam o quadro de evasão escolar e diante de um quadro multifatorial eventualmente chegam a cometer suicídio. O texto segue uma narrativa baseada em informações do PNAES, INEP da ANDIFES, bem como entrevistas servidores e com estudantes sobre suas expectativas frente a permanência estudantil.

Palavras-chave: Estudantes negros. Saúde mental. Suicídio. Permanência estudantil.

Biografia do Autor

Breitner Tavares, Universidade de Brasília - UnB

Professor associado da Universidade de Brasília, Faculdade Ceilândia, Saúde Coletiva e membro do Programa de Pós graduação em Desenvolvimento e Cooperação Internacional- PPGDSCI.

Referências

ANDIFES, V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos (as) Graduandos (as) das IFES – 2018.

BERNARDINO, Joaze. Ação afirmativa e a rediscussão do mito da democracia racial no Brasil. Estud. afro-asiát., Rio de Janeiro , v. 24, n. 2, p. 247-273, 2002. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101546X2002000200002&lng=en&nrm=iso>. Acessado em 29 Mar. 2020.

BRASIL. DECRETO Nº 7.234, Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES. D.O.U. DE 20/07/2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Óbitos por suicídio entre adolescentes e jovens negros 2012 a 2016 / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa e ao Controle Social. Universidade de Brasília, Observatório de Saúde de Populações em Vulnerabilidade – Brasília : Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL, MINISTERIO DA SAÚDE, Portaria nº 344 de 1º de fevereiro de 2017.

CARVALHO, José Jorge de; SEGATO, Rita Laura. Uma proposta de cotas para estudantes negros na Universidade de Brasília. Brasília. Revista Série Antropológica. 2002.

CARVALHO, Vladimir de. Barra 68. DF: UnB/FUNARTE, 2000.

CRENSHAW, K. W. Documento para o Encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Rio de Janeiro, v.10, n. 1, p. 171-187.2002.

INEP, Censo Escolar, Brasília, INEP- Ministério da Educação. 2019.

FANON, Frantz. Pele Negra, máscaras brancas: Tradução Renato da Silveira, Salvador: EDUFBA. 2008.

COSTA, I. I.; Vida suicídio subjetividade: das vivências individuais as intersubjetivas. In: COLÓQUIO DE SUICÍDIO NAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS: COMPREENSÕES FENOMENOLÓGICAS. 2019. Escritório de Saúde Mental - ESM - PRG USP. 21/11/2019.

GORDON, Lewis. Disciplinary Decadence: Living Thought in Trying Times. New York. Routledge. 2016.

GROSFOGUEL, Ramon. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado. Volume 31 Número 1, 2016.

JESUS, Carolina de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1960.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Trad: Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MELLO, Ana Lúcia Schaefer Ferreira de; MOYSES, Simone Tetu; MOYSES, Samuel Jorge. A universidade promotora de saúde e as mudanças na formação profissional. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 14, n. 34, p. 683-692, Sept. 2010 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832010000300017&lng=en&nrm=iso>. access on 20 Oct. 2020. Epub Sep 17, 2010.

MIGLIEVICH-RIBEIRO, Adelia Maria; MATIAS, Glauber Rabelo . A ‹Universidade Necessária› em Darcy Ribeiro: notas sobre um pensamento utópico. CIÊNCIAS SOCIAIS UNISINOS, v. 42, p. 199-205, 2006.

NAVASCONI, Paulo Vitor Palma. Vida, adoecimento e suicídio: racismo na produção do conhecimento sobre jovens negros/as LGBTTIs. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Estadual de Maringá. 2018.

RIBEIRO, D. 1975. O processo civilizatório: etapas da evolução sociocultural. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 257 p.

SANTOS, Sales Augusto dos et al . Ações afirmativas: polêmicas e possibilidades sobre igualdade racial e o papel do estado. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 913-929, Dec. 2008. Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2008000300012&lng=en&nrm=iso>. access on 28 Mar. 2020. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2008000300012.

SILVA, Priscila Elisabete da. CONTRIBUIÇÕES AOS ESTUDOS DA BRANQUIDADE NO BRANQUITUDE BRASIL: E ENSINO SUPERIOR. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (ABPN), [S.l.], v. 6, n. 13, p. 08-29, jun. 2014. ISSN 2177-2770. Disponível em: <>. Acesso em: 20 out. 2020.

SILVA, Érika Costa. Trajetória profissional de mulheres negras docentes na Universidade de Brasília (UnB): estratégias e resistências. 2019. 101 f., il. Dissertação (Mestrado em Sociologia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

TAVOLARO, L.; TAVOLARO, S. RAÇA E A “TESE DA EXCEPCIONALIDADE BRASILEIRA”: uma reflexão à luz das ações afirmativas. Revista de Estudos e Pesquisas sobre as Américas, v. 7, n. 1, p. 14 - 32, 29 set. 2013.

WELLER, Wivian; SILVEIRA, Marly. Ações afirmativas no sistema educacional: trajetórias de jovens negras da universidade de Brasília. Rev. Estud. Fem., Florianópolis , v. 16, n. 3, p. 931-947, Dec. 2008 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-026X2008000300013&lng=en&nrm=iso>. access on 20 Oct. 2020.

WERNECK, Jurema. Racismo institucional e saúde da população negra. Saude soc., São Paulo , v. 25, n. 3, p. 535-549, Sept. 2016 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902016000300535&lng=en&nrm=iso>. Accesso 29 Mar. 2020. https://doi.org/10.1590/s0104-129020162610.

Publicado
2020-09-15
Seção
Questões étnico-raciais e de gênero: Literatura e Educação