PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE CONHECIMENTOS EM CONTEXTOS INDÍGENAS: ALGUNS APONTAMENTOS

Resumo

Este artigo é resultado de uma investigação bibliográfica acerca dos modos de produção e transmissão de conhecimento em contextos indígenas e teve por objetivo analisar o que significa conhecer e quais processos estão envolvidos na produção e transmissão de conhecimento e, para isso, recorremos a etnografias produzidas sobre diferentes povos. As reflexões aqui apresentadas fundamentam-se no “perspectivismo ameríndio”, formulado por Viveiros de Castro (2002a, 2002b, 2015). Os resultados desta pesquisa apontam para uma diversidade de formas de produção e circulação de conhecimentos, de diferentes “experiências de aprendizagem” que situam uma diversidade de processos de conhecer, feitos de trocas, viagens, empréstimos, transformações e inovações, informados pelas cosmologias ameríndias, que se contrapõem à epistemologia ocidental.

Palavras-chave: Conhecimentos indígenas. Etnologia ameríndia. Produção e circulação de conhecimentos.

Biografia do Autor

Camila Silva de Oliveira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia / Rede Municipal de Coração de Maria/BA

Mestrado em Relações Étnicas e Contemporaneidade pelo Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia; professora da rede municipal de Coração de Maria/BA.

José Valdir Jesus de Santana, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal de São Carlos. Professor Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Coordenador do Grupo de Pesquisa em Etnicidades, Relações Raciais e Educação - CNPQ/UESB.

Marise de Santana, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB

Doutorado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Pós-doutorado pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora Plena da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB). Coordenadora do Grupo de Pesquisa em Educação e Relações Étnicas: saberes e práticas dos legados Africanos, Indígenas e Quilombolas.

Referências

BATISTA, Hildonice. Bedzé Wò Hibatèdè - conhecimentos ressonantes: diálogos entre a educação transdisciplinar e a práxis indígena Kiriri. 219 p. 2008. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.

BORGES, Júlio César; NIEMEYER, Fernando. Cantos, curas e alimentos: reflexões sobre regimes de conhecimento Krahô. Revista de Antropologia, v. 55, n. 1, p. 255-290, 2012. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ra/article/view/46966/51317>. Acesso: 20 de jan. de 2018.

CARNEIRO da Cunha, Manuela. Políticas culturais e povos indígenas. In: CARNEIRO da Cunha, Manuela; CESARINO, Pedro de Niemeyer (Orgs.). Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014, p. 9-24.

CARNEIRO da Cunha, Manuela. Questões suscitadas pelo conhecimento tradicional. Revista de Antropologia. v. 55, n. 1, p. 171-206, 2012. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ra/article/view/46971>. Acesso em: 15 de jul. 2017.

CARNEIRO da Cunha, Manuela. “Cultura” e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. In: CARNEIRO da Cunha, Manuela. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2009, p. 311-373.

CESARINO, Pedro de Niemeyer. Xamanismo e novas circulações de conhecimento na Amazônia indígena. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; CESARINO, Pedro de Niemeyer (Orgs.). Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014, p. 287-309.

COELHO, Luciano Silveira; DEBORTOLI, José Alfredo Oliveira. Corporalidade e engajamento: participação e aprendizado de crianças e adultos em contextos indígenas. In: ARROYO, Miguel G.; SILVA, Maurício Roberto (Orgs.). Corpo infância: exercícios tensos de ser criança – por outras pedagogias dos corpos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

COELHO DE SOUZA, Marcela Stockler. Conhecimento indígena e seus conhecedores: uma ciência duas vezes concreta. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; CESARINO, Pedro de Niemeyer (Orgs.). Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014, p. 195-18.

DÉLÉAGE, Pierre. Le chant de l’ anaconda – l’apprentissage du chamanisme chez les Sharanahua (Amazonie occidentale). Nanterre: Societé d’ Ethnologie, 2009.

DURAZZO, Leandro Marques. Cosmopolíticas Tuxá: conhecimentos, ritual e educação a partir da autodemarcação de Dzorobabe. 384 p. 2019. Tese (Doutorado em Antropologia Social), Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2019.

GÓES, Paulo Roberto Homem de. Ciência boa: modos de aprendizado, percepção e conhecimento entre os Katukina/Pano. Revista de Antropologia, v, 55, n. 1, p. 171-206, 2012. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ra/article/view/46964>. Acesso em: 08 de julho de 2017.

LIMA, Edilene Coffaci. A internacionalização do kampô (via ayahuasca): difusão global e efeitos locais. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; CESARINO, Pedro (Orgs.). Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014, p. 91-112.

LIMA, Edilene Coffaci. Pelos varadouros do alto juruá: cultura e política, saber e saber-fazer. In: LÉPINE, Claude; HOFBAUER, Andreas; SCHWARCZ, Lilia M. (Orgs.). Manuela Carneiro da Cunha: o lugar da cultura e o papel da antropologia. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2011, p. 159-172.

LUCIANO, Gersem dos Santos. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: MEC/SECAD; LACED/Museu Nacional, 2006. (Coleção Educação Para Todos. Série Vias dos Saberes n. 1).

NASCIMENTO, Marco Tromboni de Souza. O tronco da Jurema: ritual e etnicidade entre povos indígenas do Nordeste: o caso Kiriri. 324 p. 1994. Dissertação (Mestrado em Antropologia) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1994.

OLIVEIRA, Camila Silva de. Modos de produção e transmissão de conhecimento: um estudo sobre a produção da cerâmica entre famílias Kiriri, de Jacobina/BA. 130. Dissertação (Mestrado em Relações Étnicas e Contemporaneidade). Programa de Pós-Graduação em Relações Étnicas e Contemporaneidade, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Jequié, 2019.

OLIVEIRA, Joana Cabral de. “Vocês sabem porque vocês viram”! reflexão sobre modos de autoridade do conhecimento. Revista de Antropologia, v. 55, n.1, p. 51-74, 2012. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/ra/article/view/46959/66694>. Acesso em: 06 de jan. 2018.

OLIVEIRA, Joana Cabral de; SANTOS, Lucas Keese dos. “Perguntas demais” – multiplicidades de modos de conhecer em uma experiência de formação de pesquisadores Guarani Mbya. In: CARNEIRO DA CUNHA, Manuela; CESARINO, Pedro de Niemeyer (Orgs.). Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014, p. 113-133.

SAÉZ, Oscar Calávia; NAVEIRA, Miguel Carid; GIL, Laura Pérez. O saber é estranho e amargo: sociologia e mitologia do conhecimento entre os Yaminawa. Campos, v. 9, p. 9-28, 2003. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/campos/article/view/1596/1344>. Acesso em: 20 de dez. 2017.

SANTANA, José Valdir Jesus de. A produção dos discursos sobre cultura e religião no contexto da educação formal: o que pensar/querem os Kiriri de sua escola? 111 p. 2007. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual da Bahia, Salvador, 2007.

SANTANA, José Valdir Jesus de. A letra é a mesma, mas a cultura é diferente: a escola dos Tupinambá de Olivença/BA. 240 p. 2015.Tese (Doutorado em Antropologia Social). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2015.

SANTOS-GRANERO, Fernando. Vitalidades sensuais: modos não corpóreos de sentir e conhecer na Amazônia indígena. Revista de Antropologia, v. 49, n.1, 93-131, 2006.

VIEGAS, Susana de Matos. Terra Calada: Os Tupinambá na Mata Atlântica do Sul da Bahia. Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.

VIVEIROS de Castro, Eduardo. Perspectivismo e multinaturalismo na América indígena. In: VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2002a.

VIVEIROS de Castro. O nativo relativo. Mana – Revista de Antropologia Social, v.8, n. 1, p. 113-148, 2002b. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132002000100005; acesso em: setembro de 2017.

VIVEIROS de Castro. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

WAGNER, Roy. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010.

Publicado
2020-09-15
Seção
Questões étnico-raciais e de gênero: Literatura e Educação