O PREGADOR DO FIM DO MUNDO: DISCURSO ESCATOLÓGICO NO AGRESTE SERGIPANO DO SÉCULO XIX

Resumo

Esse artigo investiga, sob a égide da análise de discurso peucheuxtiana (AD), as formações discursivas e ideológicas presentes em dois textos epistolares datados de 1890 e 1891, redigidos pelo padre sergipano Felismino da Costa Fontes (1848-1913). Autointitulando-se “o pregador do fim do mundo”, o pároco liderou o movimento religioso caipira (integrado por trabalhadores rurais, donas de casa, letrados etc.) no agreste sergipano, no intervalo temporal de 1885-1891. Em decorrência, é intimado a comparecer à presença do seu superior, o arcebispo da Cúria Metropolitana da Bahia, fato que culminou com seu internamento no Asilo São João de Deus. As epístolas aqui analisadas dirigem-se a seu superior hierárquico e trazem as marcas de um discurso político engajado, movido por uma ideologia religiosa de cunho profético e apocalíptico.

Palavras-chave: Análise do Discurso. Epístolas religiosas. Movimento escatológico. Agreste sergipano.

Biografia do Autor

Glêyse Santana Santos, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Professora do Departamento de Ciência da Informação (UFS). Membro do Grupo de Estudos de Linguagem e Ensino (GELINE). Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade Federal de Sergipe.

Maria Leônia Garcia Costa Carvalho, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Docente do Departamento de Letras Vernáculas (DLEV) e do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Líder do Grupo de Estudos de Linguagem e Ensino (GELINE).

Referências

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado. Lisboa: Editorial Presença/Martins Fontes, 1998.

BARRETO, Luiz Antônio. Sergipe e o Conselheiro (VII). Infonet. 2011. In: http://www.infonet.com.br/noticias/cidade/ler.asp?id=111313. Acesso em 21.06.2018.

BRANDÃO, Helena Nagamine. Introdução à Análise do Discurso Campinas: Editora da Unicamp, 2012.

COUTINHO, Ismael de Lima. Gramática Histórica. Rio de Janeiro: Ao livro técnico, 1976.

FONTES, Felismino da Costa. Primeira Carta (1891). Conjunto de Cartas 1890 – 1907. Acervo do Sr. João de Oliveira. Frei Paulo.

FONTES, Felismino da Costa. Quarta Carta (1894). Conjunto de Cartas 1890 – 1907. Acervo do Sr. João de Oliveira. Frei Paulo.

FONTES, Felismino da Costa Segunda Carta (1892). Conjunto de cartas 1890 – 1907, Acervo do Sr. João de Oliveira. Frei Paulo.

HALL, Stuart. A Identidade Cultural na pós-modernidade. 11 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOUTART, François. Sociologia da Religião. São Paulo: Ática, 1994.

INDURSKY, Freda. Lula Lá: Estrutura e acontecimento Organon. Revista do Departamento de Letras da UFRGS. v. 15, n. 35, 2003. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/organon/article/view/30020/18616. Acesso em 17 de junho, 2018.

MALDIDIER, Denise. A Inquietação do Discurso: (re)ler Michel Pêcheux hoje. Campinas: Pontes Editoras, 2017.

MALDIDIER, Denise. Elementos para uma história da análise do discurso na França. In: Orlandi, E (Org.). Gestos de Leitura: da história no discurso. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

MARX, Karl. Manifesto do Partido Comunista. Petrópolis: Vozes: 1996.

ORLANDI, Eni. A leitura e os leitores possíveis. In: ORLANDI, Eni (org.) A Leitura e os Leitores. Campinas: Pontes. 1998.

ORLANDI, Eni. As Formas do Discurso no Movimento dos Sentidos. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

ORLANDI, Eni. Análise do Discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes Editores, 2015.

ORLANDI, Eni. Gestos de Leitura: da história no discurso Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

ORLANDI, Eni. A Linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 4 ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1997.

PÊCHEUX, M. O Discurso: estrutura ou acontecimento. Campinas: Pontes Editores, 2015.

PÊCHEUX, M. Papel da Memória In: Papel da Memória. Pierre Achard et al. Campinas, SP: Pontes, 1999.

PÊCHEUX, M. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

ROMAN, Elódia Constantino; BENÇAL, Dayme Rosane. O português brasileiro do século XIX nas cartas da Baronesa de Guaraúna e da Imperatriz Theresa. Língua e Letras, v.13, n. 24, 2012, p. 197-240.

Publicado
2020-09-15
Seção
Questões étnico-raciais e de gênero: Literatura e Educação