IDENTIDADES JUVENIS E DISCURSOS DO ENSINO MÉDIO

Resumo

Juarez Dayrell considera as juventudes como categoria social que emerge em parâmetros diferentes na sociedade do século XXI, fazendo-se necessário a escola reconhecer as pluralidades juvenis. Nesse sentido, o estudo objetiva analisar relações entre discursos de alunos e de professores de Ensino Médio sobre identidades juvenis. Os discursos discentes são representados por um poema escrito a partir das análises dos dados produzidos em uma oficina inspirada na metodologia Sociopoética e desenvolvida com 13 jovens alunos do Instituto Federal do Piauí, Campus Valença do Piauí. Os discursos docentes resultaram da análise do poema por cinco professores entrevistados da referida instituição de ensino. Os resultados evidenciam que há um paralelismo consensual entre os sujeitos sobre a constituição da categoria juvenil. Sugere-se que a escola crie espaços dialógicos como estratégias para expressões dos alunos, que propiciem processos de autoconhecimento aos jovens e possibilitem à instituição (re)conhecer as necessidades expressas nas autorrepresentações dos estudantes.

Palavras-chave: Identidades Juvenis. Jovens. Professores. Alunos. Ensino Médio.

Biografia do Autor

Douglas Pereira da Costa, UNILOGOS/UESPI

Mestre em Educação (UNILOGOS). Pedagogo (UESPI). ResearcherID: http://researchid.co/douglascosta.

Referências

BORTOLAZZO, Sandro Faccin. Nascidos na era digital: outros sujeitos, outra geração. In: Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino (ENDIPE), 16., 2012. Anais... Campinas: Junqueira&Marin Editores, 2012. p: 2-13.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Ministério da Educação. Brasília, 14 de dezembro de 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 20 maio 2020.

CARDOSO, Marlon Magno Rangel. Educação e Ensino Médio: identidades juvenis e o currículo para as juventudes. 2019. 128 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2019.

CANEVACCI, Massimo. A comunicação entre corpos e metrópoles. Revista Signos do Consumo, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 8–20, abr. 2009. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/signosdoconsumo/article/view/42762/46416. Acesso em: 20 fev. 2018.

COSTA, Douglas Pereira da. Concepções de professores sobre identidades juvenis no contexto das redes sociais virtuais. Revista Prática Docente, v. 5, n. 2, p. 1314-1328, ago. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.23926/RPD.2526-2149.2020.v5.n2.p1314-1328.id716. Acesso em: 19 out. 2020.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1105-1128, out. 2007. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 12 out. 2017.

DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p. 44-52, dez. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a04.pdf. Acesso em: 12 out. 2017.

GAUTHIER, Jacques. A Sociopoética como método de pesquisa instituinte e decolonial. Capoeira – Revista de Humanidades e Letras, [S.l.], v. 5, n. 2, p. 235-256, 2019.Disponível em: http://www.capoeirahumanidadeseletras.com.br/ojs-2.4.5/index.php/capoeira/article/view/217. Acesso em: 18 out. 2020.

GAUTHIER, Jacques. Sociopoética e formação do pesquisador integral. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, Bahia, v. 4, n. 1, p. 78-86, jul. 2015. Disponível em: https://www5.bahiana.edu.br/index.php/psicologia/article/view/459. Acesso em: 20 nov. 2017.

GONZÁLES Rey, Fernando Luis. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação. Psicologia da Educação, São Paulo, n. 13, p. 9-15, jul. 2001. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/psicoeduca/article/view/32815. Acesso em: 03 jan. 2018.

MARTINS, Lucivando Ribeiro; ADAD, Shara Jane Holanda Costa. A produção de subjetividade pelos(as) jovens da escola pública sobre o corpo estranho nas redes sociais: uma inspiração Sociopoética. In: BOMFIM, Maria do Carmo Alves do; ADAD, Shara Jane Holanda Costa; NASCIMENTO, Adriana Loiola do (Org.). Educação, diversidades e políticas de inclusão: juventudes, cultura de paz e subjetividades. v. 2. Teresina: EDUFPI, 2014. p. 81-95.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

PAIS, José Machado. A construção sociológica da juventude: alguns contributos. Análise social, Lisboa, v. 25, n. 105-106, p. 139-165, 1990. Disponível em: http://analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1223033657F3sBS8rp1Yj72MI3.pdf. Acesso em: 20 maio 2020.

ROCHA, Ruth. Quando a escola é de vidro. Rio de Janeiro: Salamandra, 1986.

SANTOS, Maria da Conceição de Souza. Páginas sociopoéticas: deslizando nas ideias e nos conceitos de jovens sobre leitura. 2013. 151 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Piauí, Teresina, 2013.

SANTOS, Maria da Conceição de Souza; SANTOS, Maria Dilma Andrade Vieira dos. Arte e Literatura: Pontes que levam os jovens ao conhecimento. In: BOMFIM, Maria do Carmo Alves do; ADAD, Shara Jane Holanda Costa; NASCIMENTO, Adriana Loiola do (Org.). Educação, diversidades e políticas de inclusão: juventudes, cultura de paz e subjetividades. v. 2. Teresina: EDUFPI, 2014. p. 125-138.

SOUZA, Emanuelle; REIS, Rosemeire; SANTOS, Jean Mac Cole Tavares. Identidades juvenis e experiência escolar no Ensino Médio. HOLOS, [S.l.], v. 4, p. 3-17, ago. 2015. Disponível em: http://www2.ifrn.edu.br/ojs/index.php/HOLOS/article/view/3189. Acesso em: 18 out. 2020.

Publicado
2020-09-15
Seção
Questões étnico-raciais e de gênero: Literatura e Educação