A CONSTRUÇÃO DA IDENTIDADE REGIONAL EM SERTANÍLIAS

Resumo

O presente artigo objetiva compreender como a Identidade Regional foi construída no livro Sertanílias: Romance de Cavalaria, de Elomar Figueira Mello. Outrossim, verificaremos a intelecção criativa e as memórias do autor, via autoficção, com o intento de melhor interpretar o Sertão Profundo, tendo em vista que essa expressão tecida por Elomar possibilita um sertão entre fronteiras espaço-temporais pelo viés do fantástico e se fundamenta pelas estruturas do super-regionalismo. Como metodologia investigativa para adentrar no constructo elomariano, faremos incursões em torno do cavaleiro-vaqueiro, Sertano; de Elomar, enquanto elemento ficcional; e, de alguns elementos fantásticos que evidenciem o esteio do sertão ficcionalizado na obra em análise. Pretendendo refletir sobre os elementos ora citados, este estudo dialogará com teóricos que tratem dos princípios de identidade, regionalismo, fantástico, autoficção, memória e de conceitos relevantes à fortuna crítica, notadamente: Bauman (2005), Bhabha (1998), Candido (1989), Todorov (2014), Prelorentzou (2017), Nora (1993) e outros.

Palavras-chave: Identidade Regional. Sertanílias.  Sertão Profundo.

Biografia do Autor

Tatiana Cíntia da Silva, Faculdade Pio Décimo - FPD

Doutoranda em Letras – Estudos Literários – pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Professora de Literatura na Faculdade Pio Décimo (FPD). Integra o Projeto de Iniciação Científica (PIC) através do Núcleo de Estudos em Literatura do Curso de Letras (NELL).

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A Invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998.

CANDIDO, Antonio. A Educação Pela Noite & Outros Ensaios. São Paulo: Ática, 1989.

FAEDRICH, Anna. O conceito de autoficção: Demarcações a partir da literatura brasileira contemporânea. Itinerários, Araraquara, n. 40, p.45-60, jan./jun. 2015. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/itinerarios/article/viewFile/8165/554> Acesso em: 5 nov. 2019.

GUERREIRO, Simone. Tramas do sagrado: a poética do sertão de Elomar. Salvador: Vento Leste, 2007.

LE GOFF, Jacques. Heróis e maravilhas da Idade Média. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

NORA, Pierre. Entre Memória e História: a problemática dos lugares. In: Projojeto História: revista do programa de pós-graduados em história, São Paulo, 1993. pp. 07-28. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/12101/8763> Acesso em: 2 set. 2019.

PRELORENTZOU, Renato. A personagem de autoficção: anotações de uma hipótese para textos futuros. Letras de Hoje. Porto Alegre, v. 52, n. 2, p. 214-223, abr.-jun. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/lh/v52n2/0101-3335-letras-52-02-0214.pdf> Acesso em: 8 out. 2019.

ROSSONI, Igor. Tessituras transfiguradas: O espaço do não-lugar em Elomar Figueira Mello e Manoel de Barros. Disponível no endereço eletrônico: <http://www.ablalic.org.br/cong2008/anaisonline/simposios/pdf/034/IGOR_ROSSONI.pdf>. Acessado em fevereiro de 2020.

ROSSONI, Igor. Cenas Brasileiras: ensaios sobre literatura. Salvador: Vento Leste, 2012.

SILVA, Tatiana. Cíntia. O sertão encantado pelo aedo elomar: metáforas da saudade / Tatiana Cíntia da Silva. Tese (mestrado em Letras) – Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, 2014. Disponível no endereço eletrônico <https://ri.ufs.br/bitstream/riufs/11216/2/TATIANA_CINTIA_SILVA.pdf> Acessado em novembro de 2020.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. São Paulo: Perspectiva, 2014.

Publicado
2020-12-31
Seção
Desigualdades, identidades, epistemologias e práticas educacionais