LITERATURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: DA MULHER ÀS MULHERES

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar relações de gênero pelas quais mulheres enveredaram na e pela literatura, tomando o valor “família” como baliza. Parto de uma linha temporal demarcada por um antes e um depois dos anos 1980. Desenvolvo a hipótese de que parte da literatura de mulheres antes dos anos 80 continha traços da noção de mulher como sujeito uniforme, concepção de sujeito iluminista; já no pós 80, há um centramento na diversidade, no desfazer os gêneros considerando as mulheres em uma multidão. Metodologicamente, analiso o uso da linguagem dos textos revistos, defendendo a concepção de anti-arte como marca afirmativa na construção das escritas de mulheres que falam sobre mulheres. Anti-arte advém, nos textos discutidos, como performance linguística que se constrói como um modo específico de problematizar questões de mulheres.

Palavras-chave: Literatura de Mulher. Tradição. Cânone. Anti-arte. Família.

Biografia do Autor

Antonio de Pádua Dias da Silva, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB

Professor de Literatura e Estudos de Gênero na Universidade Estadual da Paraíba. Doutor em Letras (UFAL) com estágio de pós-doutorado (UFRJ). Membro do GT Homocultura e Linguagens (Anpoll). Autor de Mulheres representadas na literatura de autoria feminina – vozes de permanência e poética da agressão (2011).

Referências

AZEVEDO, Janaína. Marias. João Pessoa: Editora da UFPB, 1999.

BENITEZ, Greta. Café Expresso Blackbird. São Paulo: Landy, 2006.

BRANDÃO, Izabel (Org.). O corpo em revista: olhares interdisciplinares. Maceió: EdUFAL, 2005.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CAVALCANTI, Ildiney; LIMA, Ana Cecília & SCHNEIDER, Liane (Orgs.). Da mulher às mulheres: dialogando sobre literatura, gênero e identidades. Maceió: EdUFAL, 2006.

CHAIA, Miguel. Artivismo – política e arte hoje, Revista Aurora, n. 1, São Paulo, 9-11, 2007.

COELHO, Nelly Novaes. Dicionário crítico de escritoras brasileiras. São Paulo: EdUSP, 2002.

CORTÁZAR, Julio. Valise de cronópio. São Paulo: Perspectiva, 2006.

CUNHA, Helena Parente. Falas e falares. Santa Catarina: Editora Mulheres, 2011.

CUNHA, Helena Parente. Os provisórios. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1998.

DEL PRIORE, Mary. História do amor no Brasil. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2006.

DORFLES, Gillo. Novos ritos, novos mitos. Lisboa: Edições 70, 1989.

EIKHENBAUM, Boris. Teoria da literatura. Formalistas russos. Porto Alegre: Globo, 1970.

FACIOLINCE, Hector Abade. Basura. Madrid: Lengua de Trapo, 2000.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomás Tadeu da Silva. Rio de Janeiro: DP&A, 1997.

HOLANDA, Heloisa Buarque de (Org.) Tendências e impasses: o feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

KHOTE, Flavio René. Narrativa trivial. Brasília: Editora da UnB, 1994.

LEILLA, Álex. Henrique. Salvador: Domínio Público, 2001.

LEITE, Ivana Arruda. Cachorros. São Paulo: V. de Moura Mendonça, 2014.

LEITE, Ivana Arruda. Falo de mulher: Rio de Janeiro: Ateliê Editorial, 2006.

LIMIERA, Dôra. Preces e orgasmos dos desvalidos. João Pessoa: Manufatura, 2005.

LINK, Daniel. La ansiedad: novela trash. Buenos Aires: El cuenco de plata, 2004.

LUDMER, Josefina. Literaturas pós-autônomas, Sopro, v. 20, Desterro, 1-4, 2010.

MILLAN, Beth. A paixão de Lia. 2. ed. São Paulo: Globo, 1995.

MOUTINHO, Ana Viale. Sincronizando o Kitsch, Revista Melibra, n. 8, Minho, 151-154, 2001.

NOLASCO, Sócrates. A desconstrução do masculino. Rio de Janeiro: Rocco, 1995.

OITICICA, Hélio. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

PEDROSA, Cida. As filhas de lilith. Ilustrações: Tereza Costa Rego. Rio de Janeiro: Calibán, 2009.

ROMÃO, Luiza. Sangria. São Paulo: Edição do Autor (Selo do Burro), 2017.

TAJES, Cláudia. Dez (quase) amores. Porto Alegre: L&PM, 2009.

TOURAINE, Alain. O mundo das mulheres. Petrópolis: Vozes, 2010.

XAVIER, Elódia. Declínio do patriarcado: a família no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Record: Rosa dos Tempos, 1998.

XAVIER, Elódia. Que corpo é esse? O corpo no imaginário feminino. Santa Catarina: Editora Mulheres, 2007.

YOUNG, Fernanda. Dores de amor romântico. Rio de Janeiro: Ediouro, 2005.

Publicado
2021-04-15
Seção
Literatura contra a opressão de gênero