MULHERES NEGRAS E PARDAS E CIDADANIA

Resumo

O artigo tem como objetivo geral analisar os efeitos da discriminação racial no (não) reconhecimento e na cidadania de um grupo de mulheres negras e pardas. Estruturamos a pesquisa em critérios metodológicos próprios, exploratórios e qualitativos, por meio de levantamento bibliográfico e análise de narrativas (auto)biográficas em um diálogo reflexivo com escuta sensível de um grupo colaborativo formado por mulheres autodeclaradas negras e pardas. Como aporte teórico para discussões e análise de resultados optou-se por autoras contra hegemônicas como Lilia Schwarcz (1993), Gayatri Spivak (2010) e Nancy Fraser (2007). A análise mostra como se dão os efeitos da discriminação no (não) reconhecimento e na cidadania de mulheres negras e pardas destacando-se entre os efeitos conforme narrativas a recorrência dos temas racismo, sexismo e subalternidade. O estudo evidencia a necessidade de políticas públicas para o combate à discriminação racial de mulheres negras e pardas de maneira individual e coletiva.

Palavras-chave: Mulheres negras. Mulheres pardas. (Não) Reconhecimento. Discriminação. Cidadania.

Biografia do Autor

Priscilla Tatianne Dutra, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN

Mestre em Educação (UERN/Mossoró/RN/Brasil). Mestranda em Ciências Sociais e Humanas (UERN/Mossoró/RN/Brasil).

Guilherme Paiva de Carvalho, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN

Doutor em Sociologia (UnB), Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Humanas (PPGCISH/UERN).

Referências

BRASIL. Racismo vai além da cor da pele no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 16 de jul. de 2019.

IBGE. DESIGUALADADES SOCIAIS POR COR OU RAÇA NO BRASIL. https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv101681_informativo.pdf. Estudos e Pesquisas • Informação Demográfi ca e Socioeconômica • n.41

BARBIER, René. A escuta sensível na abordagem transversal. In: BARBOSA, J. G. (Coord.). Multirreferencialdiade nas Ciências e na Educação. São Carlos: EdUFSCar, 1998, p. 168-199.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2010.

DUTRA, Priscilla Tatianne. Educação Jurídica como alicerce da Educação para Cidadania em uma Experiência Colaborativa. Mossoró, 2019. P. 156 f. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Educação). Departamento de Educação, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Mossoró, 2019. 156p.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era ‘pós-socialista’”. Cadernos de Campo, São Paulo, v. 15, n. 14-15, p. 231-239, 2006.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG; Brasília: Representação da UNESCO no Brasil, 2003.

IBIAPINA, M. L. M. Pesquisa colaborativa: singularidades do saber-fazer pesquisa-formação. In: GAMA, P. R.; SICARDI NAKAYAMA, B. C. M. (Org.). Investigação colaborativa e a formação docente em grupos de pesquisa. São Carlos: Pedro & João Editores, 2017. p. 17-49.

JOSSO, Marie Christine. As histórias de vida como territórios simbólicos nos quais se exploram e se descobrem formas e sentidos múltiplos de uma existencialidade evolutiva singular-plural. In: PASSEGGI, Maria Conceição (Org.). Tendências da pesquisa (auto) biográfica. Natal: EdUFRN: São Paulo: Paulus, 2008. p. 23-50.

KINCHELOE, Joe L; BERRY, Katheleen S. Pesquisa em Educação: conceituando a bricolagem/ Joe L.Kincheloe. Tradução de Roberto Cataldo Costa. – Porto Alegre: Artmed, 2007.

OLIVEIRA, M. L. P., MENEGHEL, S. N. e BERNARDES, J. S. Modos de subjetivação de mulheres negras: efeitos da discriminação racial. Psicologia & Sociedade; 21 (2): 266-274, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/psoc/v21n2/v21n2a14.pdf>. Acesso em 06 de jul. de 2019.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Editora Letramento, 2017.

POLLAK, Michael. Memória e Identidade Social. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 5, n. 10, p. 200-212, 1992.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870 – 1930. São Paulo: Companhia das Letras. 1993.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

THOMPSON, Paul. A voz do passado: história oral. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

WEINSTEIN, Barbara. A Pesquisa sobre Identidade e Cidadania nos EUA: da Nova História Social à Nova História Cultural. Rev. bras. Hist. vol. 18 n. 35 São Paulo, 1998.

Publicado
2021-04-16
Seção
SEÇÃO LIVRE