INVESTIGADORES LITERÁRIOS: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO A PARTIR DA LITERATURA POLICIAL

Palavras-chave: Literatura, Letramento Literário, Ensino Fundamental

Resumo

Proposta interventiva de ação visando o desenvolvimento/aprimoramento de habilidades leitoras em alunos dos anos finais do ensino fundamental a partir da literatura policial. Partindo das teorias de efeito estético e recepção propostas por Iser e Jauss, a educação literária terá como foco a compreensão do leitor-investigador enquanto um elemento ativo no processo de leitura. Considerando o papel essencial do educador nesse processo, em seis missões (etapas) descritas minuciosamente, espera-se contribuir com uma perspectiva de leitura que esteja distante das análises meramente passivas e reprodutoras. O plano, concebido sob a perspectiva de uma pesquisa-ação, prioriza a leitura subjetiva em que, numa relação simbiótica entre autor-obra-leitor, oportuniza-se uma troca constante e recíproca entre aquilo que se lê e o modo subjetivo com que se lê.

Biografia do Autor

Melina de Paulo, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM

Docente da Secretaria de Educação de Minas Gerais. Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (Profletras) da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Uberaba/MG, Brasil.

Fani Miranda Tabak, Universidade Federal do Triângulo Mineiro - UFTM

Docente da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM). Doutora em Estudos Literários pela Universidade Paulista (UNESP). Uberaba/MG, Brasil.

Referências

ANASTASIOU, Léa das Graças Camargos; ALVES, Leonir Pessate. Estratégias de ensinagem. In: ______ (org.). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 3. ed. Joinville, SC: UNIVILLE, 2004. Capítulo 3, p. 68-100.

ANTUNES, Irandé. Língua, texto e ensino: outra escola possível. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

ANTUNES, Irandé. Análise de Textos: fundamentos e práticas. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

BÖSCH, Holger. Black Stories: 50 enigmas macabros. São Paulo: Moses/Galápagos, 2004.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf Acesso em: 06 jan. 2021.

CALVINO, Italo. Porque ler os Clássicos. Tradução: Nilson Moulin. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1993. Título original: Perché leggere i classici.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. Tradução: Reginaldo Carmello Corrêa de Moraes. São Paulo: Editora UNESP, 1999. Título original: Le livre em révolutions.

CORTÁZAR, Julio. Poe: o Poeta, o Narrador e o Crítico. In: _______. Valise de Cronópio. Tradução: David Arriguci Jr. e João Alexandre Barbosa. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2006. p. 103-146.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2019.

DILL, Luís. Labirinto no Escuro. Curitiba: Positivo, 2013.

DOYLE, Arthur Conan. O cão dos Baskerville. Tradução: Monique D´Orazio. Barueri: Ciranda Cultural, 2019. Título original: The Hound of the Baskervilles.

FARIA, Maria Alice. O que pensam os adolescentes das histórias que lêem? In: Comunicação & Educação, São Paulo: USP, mai./ago. 1995. v. 3. p. 30-35.

GERALDI, João Wanderley. Unidades básicas do ensino de português. In: ______ (org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 1997.

GERALDI, João Wanderly. A aula como acontecimento. Aveiro: Universidade de Aveiro, CIFOP, 2003. p. 9-21. (Palestra proferida na Semana da Prática Pedagógica).

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens. 9. ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 2020. Título original: Homo ludens: a study of the play-element in culture.

ISER, Wolfgang. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. Tradução: Johannes Kretschmer. São Paulo: Editora 34, 1999. 2 v. Título original: Der Akt des Lesens – Theorie ästhetischer Wirkung.

JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como provocação à teoria literária. Tradução: Sérgio Tellaroli. São Paulo: Ática, 1994. Título original: Literaturgeschichte als Provokation der Literaturwissenschaft.

LOURENÇO, D. S. Adolescentes leem, sim: a circulação da literatura estrangeira na escola. In: COLÓQUIO DA PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS UNESP, II., 2010, Assis. Anais[...]. Assis: UNESP, 2010. p. 372-383.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Produção de texto, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MORAN, José. Metodologias ativas para uma aprendizagem mais profunda. In: BACICH, L; MORAN, J. (org.). Metodologias ativas para uma educação inovadora: uma abordagem teórico-prática. Porto Alegre: Penso, 2018. p. 2-25.

NAGAMINI, Eliana. Literatura, televisão, escola. Estratégias para leitura de adaptações. São Paulo: Cortez, 2004.

NAGAMINI, Eliana. Comunicação em diálogo com a Literatura: mediações no contexto escolar. 2012. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) - Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://www.teses.usp. br/teses/disponiveis/27/27154/tde-22052013-104907/publico/ElianaNagamini.pdf. Acesso em: 09 out. 2020.

O’CONNOR, Rory. Rory’s Story Cubes: Mistério. São Paulo: Galápagos, 2005.

REVERBEL, Olga. Um caminho do teatro na escola. 2. ed. São Paulo: Scipione, 1997.

ZILBERMAN, Regina. A escola e a leitura da literatura. In: ZILBERMAN, Regina.; RÖSING, Tania M. K. (Org.). Escola e leitura: velha crise, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009. p. 17-39.

Publicado
2021-10-27
Seção
Letramentos literários