TRADUÇÃO QUEER: VISIBILIDADE COMO FORMA DE RESISTÊNCIA

Palavras-chave: Tradução, Tradução queer, Gênero e Sexualidade, Não-binariedade

Resumo

Partindo do pressuposto de que as traduções têm o potencial de reproduzir e/ou subverter ideologias normativas (VENUTI, [1998] 2019) e com base em teorias da Tradução Queer (LEWIS, 2010), a presente pesquisa faz uma análise comparativa das traduções espanhola e alemã do mangá Houseki no kuni, cujas personagens não tem um gênero especificado, focando em quais estratégias tradutórias foram empregadas para lidar com a não-binariedade das personagens, e se tais estratégias visibilizam essa característica de suas identidades ou acarretam em seu apagamento. A análise dos dados demonstrou que ambas as traduções optaram por utilizar linguagens de gênero neutro como forma de traduzir o texto para línguas gramaticalmente generificadas sem que um gênero fosse designado às personagens do mangá. Apesar de apresentarem divergências consideráveis na maneira como essas estratégias são apresentadas aos leitores em seus paratextos, ambas as edições são bem-sucedidas em visibilizar a não-binariedade das personagens.

Biografia do Autor

Felipe Duarte Pinheiro, Pontifícia Universidade Católica – PUC/Rio

Mestre em Estudos da Linguagem (PUC-Rio) e doutorando no Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Referências

BRENNER, Robin E. Understanding manga, Westport: Libraries Unlimited, 2007.

BUTLER, Judith P. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 12. ed. Traduzido por Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

FLOTOW, Louise Von. Feminist Translation: Contexts, Practices and Theories. TTR: Traduction, Terminologie, Rédacion, v.4, n.2, 1991. p. 69-84.

FROTA, Maria Paula. Lawrence Venuti e a teoria da (in)visibilidade do tradutor. In: FROTA, Maria Paula. A singularidade na escrita tradutora: linguagem e subjetividade nos estudos da tradução, na linguística e na psicanálise. São Paulo: Pontes, 2000. p. 71-136.

ICHIKAWA, Haruko. Das Land der Juwelen 1. Tradução de Verena Maser. Ludwigsburg: Manga Cult, 2018.

ICHIKAWA, Haruko. La Tierra de las Gemas núm 1. Tradução de Yasuko Tojo. Barcelona: ECC ediciones, 2019.

LEWIS, Elizabeth Sara. “This is My Girlfriend Linda’ Translating Queer Relationships in Film: A Case Study of Subtitles for Gia and a Proposal for Developing the Field of Queer Translation Studies”. The journal for Literary Translators, Inverno, n. 36, 2010.

LEWIS, Elizabeth Sara. “Teoria(s) Queer e performatividade: mudança social na matriz heteronormativa”. Em: MACEDO, Elizabeth Fernandes de; RANNIERY, Thiago Moreira de Oliveira (orgs). Sexualidade e Educação: pensando a ação docente. Petrópolis, RJ: Editora DP et alii, 2017, p. 157-186.

MARTINS, Marcia A. P. As contribuições de André Lefevere e Lawrence Venuti para a teoria da tradução. Cadernos de Letras (UFRJ), v.27, p. 59-72, 2010.

VENUTI, Lawrence. The Translator’s Invisibility: A History of Translation. London/New York: Routledge, 2008.

VENUTI, Lawrence. Escândalos da tradução: por uma ética da diferença. Traduzido por Laureano Pelegrin, Lucinélia Marcelino Villela, Marileide Dias Esqueda, Valéria Biondo; revisão técnica Stella Tagnin. São Paulo: Editora Unesp, 2019.

Publicado
2021-10-27
Seção
Sexualidades e estudos queer