INTERFACES ENTRE JUVENTUDE, SEXUALIDADE FEMININA E AUTOCUIDADO NO SERIADO “SEX EDUCATION”

Palavras-chave: Sexualidade feminina, Educação sexual, Saúde sexual, Prazer

Resumo

O objetivo desta pesquisa foi analisar de que modo a sexualidade de adolescentes é produzida e retratada no seriado “Sex Education”, em especial a sexualidade feminina. Tratou-se de um estudo de caso de documento audiovisual. Evidencia-se que a educação sexual nas escolas é comumente configurada a partir da heteronormatividade. Aimee, uma das personagens, é um exemplo de como a legitimidade das mulheres é validada a partir do olhar desejante dos homens e de como essa relação de desigualdade de gênero implica na falta de conhecimento sobre o próprio prazer e os direitos sexuais. O seriado “Sex Education” nos leva a questionar muitos padrões de gênero, sexualidade, raça, etc., mas é necessário ressaltar as diferenças quanto à realidade brasileira.

Biografia do Autor

Luana Alcantara Fialho, Escola Superior de Ciências da Saúde - ESCS

Psicóloga pela UnB, especialista em Saúde Mental do Adulto pela FEPECS/ESPCS.

Juliana Vieira Sampaio, Universidade Federal do Ceará - UFC

Psicóloga, Doutora em Psicologia, professora adjunta do curso de Psicologia da Universidade Federal do Ceará.

Referências

ALTMANN, H. Educação sexual e primeira relação sexual: entre expectativas e prescrições. Estudos Feministas, Florianópolis: Universidade Estadual de Campinas, v. 15, n. 2, 2007.

ALTMANN, H. Diversidade sexual e educação: desafios para a formação docente. In: Sexualidad, Salud y Sociedad, n. 13. Rio de Janeiro: Centro Latino-Americano em Sexualidade e Direitos Humanos, 2013.

BENEDITO, M. Textos em cena: a mídia como prática discursiva. In: SPINK, M. J. (Org.) Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2013.

BRASIL. Lei N° 13.718, de 24 de Setembro de 2018. Presidência da República. Secretaria-Geral. Subchefia de Assuntos Jurídicos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13718.htm Acesso em: 03 Abr 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva. ed. 1, reimpr. 1, 2013. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/saude_sexual_saude_reprodutiva.pdf Acesso em: 12 Fev 2021.

BRASIL. Ministério da Saúde. Direitos Sexuais e Reprodutivos. cad. 1, 2005. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/cartilha_direitos_sexuais_reprodutivos.pdf Acesso em: 12 Fev 2021.

BUTLER, J. Actos performativos y constitución del género: un ensayo sobre fenomenología y teoría feminista. In: Case, S.-H. (Orgs.). Performing Feminisms: feminist critical theory and theatre. Baltimore: Johns Hopkins Press, 1990. p. 296-314.

COSTA, C. O sujeito no feminismo: revisitando os debates. Cadernos Pagu, v. 19, p. 59-90, 2002.

DEL PRIORE, M. Corpo a corpo com a mulher: pequena história das transformações do corpo feminino no Brasil. São Paulo: SENAC, 2000.

FIRESTONE, S. A dialética do sexo: um estudo da revolução feminista. Petrópolis: Ed. Vozes, 1976.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. 11 ed. v. 1. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

FURLANI, J. Sexos, sexualidades e gêneros: monstruosidades no currículo da Educação Sexual. Educ. rev., Belo Horizonte, n. 46, p. 269-285, 2007.

GOFFMAN, E. Manicômios, prisões e conventos. 2. ed. São Paulo: Perspectiva,1987.

GROSZ, E. Corpos reconfigurados. Cadernos Pagu. Campinas: UNICAMP, v. 14, 2000.

NARVAZ, M. G.; KOLLER, S. H. Metodologias feministas e estudos de gênero: articulando pesquisa, clínica e política. Psicologia em Estudo. Maringá, v. 11, n. 3, p. 647-654, 2006.

NOVAES, R. C. R.; CARA, D. T.; SILVA, D. M.; PAPA, F. C. (Orgs.). Política nacional de juventude: diretrizes e perspectivas. São Paulo: Conselho Nacional de Juventude; Fundação Friedrich Ebert, 2006.

OLIVEIRA, A. C. M. Reflexões sobre a mulher e a importunação sexual nos transportes públicos brasileiros. Goianésia: Faculdade Evangélica de Goianésia, 2019.

PASSARELLI, C. A. F. Imagens em diálogo: filmes que marcaram nossas vidas. In: SPINK, M. J. (Org.) Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2013.

REIS, D. F. Ideias subversivas de gênero em Beauvoir e Butler. Sapere Aude, v. 4, n. 7, p. 360-367, 2013.

SACRISTÁN, J. G. Currículo e diversidade cultural. In: SILVA, Tomaz Tadeu da & Moreira, Antonio Flavio (Orgs.). Territórios Contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. p. 82-113.

VENTURA, M. M. O Estudo de Caso como Modalidade de Pesquisa. In: Rev SOCERJ. Rio de Janeiro, v. 20, n. 5, p. 383-386, 2007.

WOLF, N. O mito da beleza: como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco, 1992.

XAVIER, E. Que corpo é esse? O corpo no imaginário feminino. Florianópolis: Ed. Mulheres, 2007.

ZANELLO, V. Saúde Mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação. Curitiba: Appris, 2018.

Publicado
2021-10-27
Seção
Sexualidades e estudos queer