REPRESENTAÇÕES DA LOUCURA EM AUTRAN DOURADO

  • Gislene Maria Barral Lima Felipe da Silva

Resumo

Este artigo analisa a representação do fenômeno da loucura em “As voltas do filho pródigo” – do romance O risco do bordado (1970), de Autran Dourado, sob um viés ético e estético. A representação do processo de enlouquecimento, a partir da relação entre personagem louca e demais elementos estruturais da narrativa, constrói o indivíduo louco como um outro, destituído de laços afetivos, dominado por uma essência animalesca, estranha, indesejada e ameaçadora. Multifacetada e portadora de uma lógica própria, a loucura encontra na experiência literária um espaço para a construção do desmoronamento. E a palavra tanto pode tagarelar sobre o conteúdo da recorrência trágica dos surtos quanto evidenciar a irracionalidade contida nos preconceitos e estereótipos que circulam sobre a loucura e que à análise cabe desvelar, à luz dos conceitos de representação, estigma, identidade, diferença e alteridade.
Seção
SEÇÃO LIVRE