OENSINO DE HISTÓRIA E CULTURA AFRO-BRASILEIRA: COISA DO DEMÔNIO OU CAMINHO PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO ANTI RACISTA?

  • Aline Santos de Oliveira
  • Célia Maria Coleta Salvador
  • Maria da Conceição Calmon Arruda

Resumo

Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa sobre como a obrigatoriedade legal do ensino de história e cultura afro-brasileira (Lei 11.645/2008) está se materializando em sete escolas da Região Norte Fluminense do Estado do Rio de Janeiro (Brasil). Foram entrevistados 26 professores das áreas de arte, história e literatura durante os meses de novembro e dezembro de 2010. A maioria dos docentes reportou que não teve em sua formação acadêmica nenhuma referência à História da África e que a questão racial é trabalhada apenas quando da comemoração do aniversário de Zumbi dos Palmares, no dia 20 de novembro. Um percentual considerável dos docentes entrevistados parece olvidar que uma das metas da mudança curricular é promover uma reflexão conjunta sobre o papel do negro na sociedade brasileira de modo a contribuir para a superação de preconceitos. O desconhecimento emerge como elemento comum entre os professores, os gestores e os membros da comunidade.
Seção
DOSSIÊ: EDUCAÇÃO E RELAÇÕES ETNICORRACIAIS: LEGADO AFRICANO