INTOLERÂNCIA RELIGIOSA NA ESCOLA: O que professoras filhas de santo tem a dizer sobre esta forma de violência

  • Eduardo Quintana

Resumo

O artigo em questão tem por base dados construídos em pesquisa (Doutorado) cujo objetivo foi discutir a partir de referenciais teórico-metodológicos das Ciências Sociais e do campo das Religiões Afro-brasileiras o significado da escola para famílias candomblecistas. Nas entrevistas (semiestruturadas) com filhos de santo, a intolerância religiosa ganha centralidade, em especial, ao enfocar a relação escola-religiões afro-brasileiras. No texto, apresento falas de três professora filhas de santo que exercem o magistério nas redes públicas de ensino do Rio de Janeiro (municipal e estadual). São falas que trazem a realidade do “chão da escola” e apontam para a relação tensionada entre pares no que diz respeito à orientação religiosa, onde a escola, à revelia da Lei nº 10.639, apresenta “dificuldades” em se relacionar com essa realidade.
Seção
SEÇÃO LIVRE