QUESTÕES INICIAIS SOBRE CURRÍCULO NAS ESCOLAS INDÍGENAS - A EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS INDÍGENAS NO AMAPÁ

  • Marcio Romeu Ribas de Oliveira
  • Naiana Roberta Dias Rodrigues
  • Alessandra Salomé Lopes Chagas
  • Juliana do Socorro da Silva Brito

Resumo

É pertinente perceber, na atualidade, que os estudos sobre os povos indígenas vêm crescendo. Existem avanços nas políticas públicas educacionais para os povos indígenas, principalmente na legislação, como o decreto presidencial n° 6861/2009 sobre os Territórios Etnoeducacionais, o Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas (RCNEI), a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), legislação que implica novas propostas curriculares às escolas indígenas. Essas iniciativas indicam novas condições de possibilidade na organização da educação escolar indígena. Porém, é necessário experimentar novas propostas curriculares nos sistemas educacionais para a consolidação da educação escolar indígena. Reconhecendo que o currículo para essas comunidades é organizado a partir das suas realidades, dos seus contextos históricos, dos saberes praticados na materialidade e imaterialidade de sua cultura, na valorização e fortalecimento da linguagem destes povos. É perceptível a necessidade de reconhecer nas matrizes curriculares os fundamentos da educação escolar indígena como a interculturalidade, o bilinguismo, a autonomia na sua organização comunitária e diferenciada. Pelo exposto há muito que caminhar no sentido de que a educação física na escola indígena seja realmente protagonizada pelos povos indígenas e que nesse protagonismo seja possível experimentar uma escola com essas características, distanciando-se de projetos etnocêntricos e colonizadores desenvolvidos nas escolas indígenas.
Seção
DOSSIÊ: EDUCAÇÃO INDÍGENA INTERCULTURAL: ABORDAGENS POLÍTICAS E PEDAGÓGICAS NA ATUALIDADE BRASILEIRA