CONTAR E OUVIR LYGIA – ORALIDADE, LEITURA DRAMATIZADA E CRIAÇÃO FICCIONAL

Anabelle Loivos Considera

Resumo


A leitura dramatizada representa, no palco da sala de aula, mais do que um recurso didático de grande alcance, uma vez que empaticamente utilizado pelo professor como metodologia de ensino e prática linguística da escuta e da oralidade. Trata-se, para além de uma “técnica”, o momento inaugural de entrada no texto literário, tanto para quem o lê como para quem o escuta. Desta forma, a leitura dramatizada ganha status de um processo múltiplo e aberto de encenação e reatualização do texto, fundamentais para a construção e a organização simbólica dos seus sentidos, por parte do aluno/ator. Ademais, a essa “leituração”, vivenciada através da escuta sensível e da fala participante, delegamos a responsabilidade de grande parte da formação do gosto pela leitura literária. No exemplo da leitura dramatizada do conto “As formigas”, de Lygia Fagundes Telles, buscamos tecer e retecer leiturações e práticas sociais de leitura na sala de aula, que envolvam todos os “atores” da fala aberta: alunos e professores, leitores e ouvintes, escritores e escrituras.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


REVISTA FÓRUM IDENTIDADES
Itabaiana: GEPIADDE. 

ISSN 1982-3916

 

INDEXADORES