ENFERMEIROS(AS)-PROFESSORES(AS) DA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARTICULAR: FORMAÇÃO DOCENTE EM DEBATE

  • Antonio Roberto Seixas da Cruz
  • Marta de Souza França

Resumo

Este artigo é resultante de nossa pesquisa para elaboração de Dissertação, tendo como objetivo conhecer como os enfermeiros-professores de uma faculdade particular de Feira de Santana-Ba significam a formação docente para o exercício da profissão na educação superior. As bases teóricas desse trabalho alicerçam-se em estudiosos como: Pimenta e Anastasiou (2011), Almeida (2012), Tardif (207), Cunha (2007) entre outros, os quais dialogam em defesa da necessidade de valorização de processos formativos iniciais e continuados nesses espaços. Quanto aos pressupostos metodológicos, a investigação amparou-se na abordagem qualitativa, realizando a interface entre os Estudos Fenomenológicos, a Análise de Conteúdo (BARDIN, 2001) e a Educação. Para tratamento dos dados, recorremos aos princípios da Teoria das Representações Sociais (TRS) (MOSCOVICI, 2003), tendo como instrumento de coleta e produção de dados a entrevista semi-estruturada, realizada com seis professores Bacharéis em Enfermagem, aqui denominados enfermeiros-professores. Vale esclarecer que foram denominados de Iracema, Angra dos Reis, Ipanema, Itamaracá, Porto Seguro e São Vicente, porque encontramos na criação artística /poética possibilidades de articular o concreto e o simbólico (MACEDO, GALEFFI e PIMENTEL, 2009). Ademais, foi um recurso utilizado para manter-lhes em anonimato. Os resultados da pesquisa apontam que os depoentes reconhecem que os processos formativos devem ser contínuos e não devem estar relacionados aos encontros da semana/mobilização pedagógica e que há três fatores contribuindo para a formação docente, a saber: experiência do fazer da Enfermagem, imersão teórica e trocas solidárias.
Seção
Seção Livre