MORTE E VIDA SEVERINA - UMA ANÁLISE CULTURAL

  • Marlucy Mary Gama Bispo

Resumo

Este trabalho analisa a construção da identificação cultural em Morte e Vida Severina de João Cabral de Melo Neto. Parte-se de como a construção da identidade cultural de Severino, figura central do texto, vai apresentando diferentes pertencimentos, ora como sujeito individual,  ora  como  sujeito  coletivo.  Isso  fica  mais  visível  quando  se  identifica  seus encontros e desencontros nos espaços da obra, mostrando o quanto o homem é vítima do sistema social e não, apenas, do geográfico como insistem alguns. Tem-se aqui como espaços, a trajetória que ele percorre pelo Sertão, Agreste, Zona da Mata e Litoral pernambucano. A análise é feita pelo viés dos estudos culturais que se pautam pelo questionamento das identidades de fronteira como é o caso de Severino. Como suporte teórico, segue-se uma abordagem  sociológica  proposta  por  Boaventura  Santos,  Zygmunt  Bauman  e  Antônio Cândido.  Aliada a tal  abordagem  tem-se,  ainda,  uma análise de  “práticas  significativas” (Raymond Willams), representativas da cultura nordestina, na perspectiva de ler-se o sentido que elas atribuem à estética da obra.
Seção
Seção Livre