ENTRE FORMAÇÃO E FUNDAÇÃO: A NAÇÃO COMO VIOLÊNCIA

  • Jorge Augusto De Jesus Silva

Resumo

Este trabalho pretende abordar os processos discursivos de construção da narrativa nacional, a partir de dois eixos discursivos: a ‘fundação’e a ‘formação’. O primeiro correspondendo ao projeto romântico de formulação do nacional, e o segundo engendrando as narrativas modernas sobre a nação. Em ambos, a nação é narrada como violência, seja epistêmica, seja física ou social. Para empreendermos a discussão, dialogaremos com as noções foucaultianas de ‘poder’ e ‘saber’, como mecanismos imbricados; o conceito de ‘epistemicídio’, tal qual o propõe Boaventura de Souza Santos, como também, as discussões sobre nacionalismos empreendidas por Marilena Chauí.

Seção
Dossiê: A violência na literatura e na cultura