VOZES SILENCIADAS EM DOSTOIÉVSKI

  • Dalva Martins de Almeida

Resumo

Este texto aborda a questão da polifonia na obra Crime e Castigo, de Fiódor Dostoiévski, considerando os pressupostos teóricos de Mikhail Bakhtin. Na narrativa onisciente, as vozes femininas são presenças e não são dadas de pronto, elas parecem surgir de um esforço do narrador em polemizá-las no contato com a voz do herói. Desse modo, elas se reconfiguram, dialogicamente, ao ponto de influírem na movimentação do herói, no tempo e no espaço, simultaneamente. Como se dá essa relação, herói e vozes representadas, tendo em vista os conflitos humanos que estão em jogo?: essa é a questão que este texto busca responder.

Seção
Dossiê: A violência na literatura e na cultura