REPRESENTAÇÃO FEMININA EM LIVIA GARCIA-ROZA E ELVIRA VIGNA

  • Hellyana Rocha
  • Olívia Aparecida Silva

Resumo

Tomando como elemento de estudo os romances Meu marido (2006), de Livia Garcia-Roza, e Nada a dizer (2010), de Elvira Vigna, o presente texto tem como objetivo efetuar uma análise comparativa, destacando os aspectos dissonantes e consonantes no que diz respeito à representação das personagens femininas, além de estabelecer um diálogo fecundo entre as duas escritoras a partir das perspectivas feministas e de gênero teorizadas por Lúcia Osana Zolin (2003), Elódia Xavier (2007), entre outras. Para tanto, observar-se-á de que forma a literatura contemporânea incorpora em seu discurso uma prática desconstrucionista dos padrões impostos à representação feminina, bem como a revisão das identidades patriarcais, o envelhecimento, a solidão e a afetividade presentes nas tramas de uma sociedade corroída pelas transformações dos valores sociais vigentes e no esfacelamento da vida amorosa.

Seção
Dossiê: Recepção e intertextualidades na literatura de autoria feminina