O PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO BAIXO SÃO FRANCISCO SERGIPANO: AVANÇOS E DESAFIOS

  • José Wellington Carvalho Vilar Universidade Federal de Sergipe

Resumo

O objetivo do presente artigo é avaliar os resultados do Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (RS) dos vinte e oito municípios integrantes da Bacia Sergipana do Rio São Francisco (BSRSF) na perspectiva de discutir os avanços metodológicos e os desafios ao manejo e à gestão integrada. O trabalho está dividido em quatro momentos básicos: a metodologia, o diagnóstico ambiental dos fatores condicionantes, o prognóstico da evolução da geração de resíduos sólidos da bacia e uma discussão sobre as proposições e as prioridades de ação. As principais contribuições geográficas do trabalho estão associadas à adoção da visão de RS como um sistema integrado, com elementos internos e externos e a sinergia entre eles. No primeiro caso, quatro elementos foram selecionados (População, Meio Físico, Atividades Econômicas e Políticas Públicas), na medida em que influenciam todas as cadeias do RS, desde a geração até a disposição final. Quanto ao sistema interno houve uma preocupação com seis componentes básicos: Geração de resíduos domiciliares urbanos, coleta, transporte, limpeza urbana, tratamento e disposição final. Aspectos associados aos custos operacionais e aos recursos humanos e informações sobre catadores que trabalham nos municípios da BSRSF também foram avaliados.

Palavras chave: Ordenamento Territorial; Gestão Integrada; Resíduos Sólidos.