O DISCURSO DO BRANQUEAMENTO NA REALIDADE BRASILEIRA DA SEGUNDA METADE DO SÉCULO XIX E A VALORIZAÇÃO DO NACIONAL

  • Josefa Lisboa

Resumo

No Brasil da segunda metade do século XIX, as teorias raciais respondiam a um jogo de interesses que idealizava um projeto de desenvolvimento pautado no progresso técnico para o país. Observava-se uma adaptação das ideias advindas do exterior às condições da nação brasileira e, nessa direção, o desmantelamento do escravismo encontrava apoio na elite intelectual. A unidade nacional, por sua vez, vinha sendo gestada articulada à ideia de mudança e foi crucial à legitimação da inserção da economia brasileira no contexto da reprodução capitalista mundial.

Palavras-chave: teorias raciais, unidade nacional, reprodução capitalista no Brasil