MAPEAMENTO DAS UNIDADES GEOAMBIENTAIS DO MÉDIO CURSO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO POTI - PI

MAPPING OF THE GEO-ENVIRONMENTAL OF THE MIDDLE COURSE OF THE BASIN OF THE RIVER POTI - PI

  • Francílio de Amorim dos Santos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí / Campus Piripiri.
  • Cláudia Maria Sabóia de Aquino Universidade Federal do Piauí / Campus Universitário Ministro Petrônio Portela

Resumo

O mapeamento de unidades geoambientais voltado à compreensão da dinâmica da paisagem tem-se tornado a tônica em estudos desenvolvidos em áreas suscetíveis à desertificação (ASD). Nesse viés, o presente estudo buscou realizar mapeamento das unidades geoambientais, suas potencialidades e limitações em trecho do médio curso da Bacia Hidrográfica do rio Poti, Nordeste do Estado do Piauí, uma área suscetível à desertificação. O uso do SIG QGIS para integração dos dados cartográficos aliados ao critério topo-morfológico possibilitou mapear as seguintes unidades: Superfície Pedimentada Tabular Dissecada em Colinas, Patamares Estruturais da Bacia do rio Poti e Vale da Bacia do rio Poti. As principais potencialidades dessas unidades estão relacionadas à presença de Latossolos, relevo plano, totais pluviométricos que alcançam 1.100 mm anuais, cobertura vegetal do tipo caatinga arbórea e os afloramentos rochosos (Pedra do Castelo), o conjunto destes aspectos possibilitam o desenvolvimento de atividades humanas. A presença de solos jovens, como os Neossolos Litólicos, o relevo fortemente ondulado, uma caatinga arbustiva aberta e sete meses secos constituem as principais limitações. A metodologia aplicada não esgota a possibilidade para o desenvolvimento de estudos na área, ao contrário torna-se ponto de partida para pesquisas posteriores que busquem compreender a dinâmica da paisagem, como forma de subsidiar o desenvolvimento das práticas humanas de modo sustentável.

Biografia do Autor

Francílio de Amorim dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí / Campus Piripiri.
Licenciado em Ciências Biológicas pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí (2007); Licenciado em Geografia pela Universidade Estadual do Piauí (2010); Especialista em Docência do Ensino Superior e em Gestão Ambiental e Ecoturismo pela Faculdade Montenegro (2009); Mestre em Geografia pela Universidade Federal do Piauí (2015). É Revisor da Revista Eletrônica Caderno de Geografia (Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - PUCMG) e Revista Clóvis Moura de Humanidades (Universidade Estadual do Piauí - UESPI). Atualmente, faz parte do Grupo de Pesquisa em Geografia Física, da Universidade Federal do Piauí. Tem experiência em estudos sobre degradação/desertificação, bacias hidrográficas e ensino de ciências, com publicações de manuscritos completos em periódicos e em anais de eventos. É professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí/Campus Piripiri, Classe D III, Nível I, em regime de Dedicação Exclusiva. Tem interesse nas temáticas sobre Degradação/Desertificação, Geoprocessamento, Sensoriamento Remoto, Bacias Hidrográficas e Ensino de Ciências.
Cláudia Maria Sabóia de Aquino, Universidade Federal do Piauí / Campus Universitário Ministro Petrônio Portela
Possui graduação em Licenciatura Plena Em Geografia pela Universidade Federal do Piauí (1999), mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará (2002) e doutorado em Geografia pela Universidade Federal de sergipe (2010). Atualmente é professora Adjunta da Universidade Federal do Piauí, onde atua na pesquisa e no ensino de graduação e pós-graduação (Programa de Pós-Graduação de Geografia da UFPI), em disciplinas e temas relacionados à Geografia Física. É Editora-chefe da Revista eletrônica EQUADOR e Líder do Grupo de Pesquisa em GEOGRAFIA FÍSICA juntamente como o Dr. Gustavo Souza Valladares. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Análise Ambiental. Tem interesse nos temas: Bacia hidrográfica, Geodiversidade, Patrimônio Geológico e Geomorfológico, Geoconservação, Desertificação e planejamento ambiental.
Publicado
2020-11-26
Seção
Artigo: Dinâmica Ambiental