O MOVIMENTO DAS CATADORAS DE MANGABA DE SERGIPE: ENTRE FINALIDADES E AVANÇOS (THE MOVEMENT OF THE WOMEN GATHETERS OF MANGABA CHERRY FROM SERGIPE: BETWEEN PURPOSES AND ADVANCES)

  • Patricia Santos de Jesus Membro do Geoplan/UFS-Grupo de Pesquisa em Geoecologia e Planejamento Territorial - UFS/CNPq Universidade Federal de Sergipe - UFS
  • Hudson Jorge de Souza Santos UFS

Resumo

RESUMO:

O objetivo deste artigo consiste na análise dos elementos centrais que influenciaram a constituição do Movimento das Catadoras de Mangaba de Sergipe (MCM), bem como suas finalidades, além da discussão das principais conquistas e avanços referente às catadoras de mangaba. O Movimento das Catadoras de Mangaba de Sergipe (MCM) foi criado em 2007 diante da necessidade de defesa do extrativismo da mangaba no litoral. A finalidade de organização desse segmento de comunidade tradicional foi pautada em virtude da diminuição dos ecossistemas em que as catadoras de mangaba se utilizam para o desenvolvimento de suas práticas extrativistas. Posterior a formação do MCM, foi dado enfoque ao autorreconhecimento enquanto catadora de mangaba. Outro destaque também se deve a auto-organização deste movimento social que consiste na luta pela permanência das áreas remanescentes de mangabeiras, ambientes estes considerados pelas extrativistas da mangaba como fonte de renda e reprodução de conhecimentos singulares fruto da interdependência com o meio ambiente. Para o desenvolvimento deste artigo teve-se como base pesquisas bibliográficas por intermédio de documentos primários e secundários que retratam a fundação e as concepções do Movimento das Catadoras de Mangaba de Sergipe.

Palavras-chave: auto-organização; catadoras de mangaba; autorreconhecimento.

 

ABSTRACT:

The objective of this article is to analyse the contextualisation of the central elements that influenced the constitution of the Mangaba Collection of Sergipe (MCM), as well as its purposes, besides the discussion of the main achievements related to the mangaba pickers. The Mangaba Collection of Sergipe (MCM) it was created in 2007 on the need to defend the extraction of mangaba on the coast. The organizational purpose of this traditional community segment was determined by the reduction of the ecosystems in which the mangaba collectors are used for the development of their extractive practices. After the MCM training, self-recognition as a mango picker was highlighted. Another highlight is the self-organization of this social movement, which consists in the struggle for the remaining areas of mangabeiras, which are considered by extractors of mangaba as source of income and reproduction of unique knowledge due to the interdependence with the environment. For the development of this work was based on bibliographical research through primary and secondary documents that depict the foundation and the conceptions of the Mangaba Collection of Sergipe.

Keywords: self-organization; collectors of mangaba; self-recognition.

Biografia do Autor

Patricia Santos de Jesus, Membro do Geoplan/UFS-Grupo de Pesquisa em Geoecologia e Planejamento Territorial - UFS/CNPq Universidade Federal de Sergipe - UFS

Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente – PRODEMA/UFS

Especialista em Gestão de Turismo – Universidade Cândido Mendes/UCAM

Tecnóloga em Gestão de Turismo – Instituto Federal de Sergipe/IFS

Membro do Geoplan/UFS-Grupo de Pesquisa em Geoecologia e Planejamento Territorial - UFS/CNPq

Referências

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 2004.

________. Decreto Lei. 6.040, de 07 de Fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/.../_Ato2007.../2007/Decreto/D6040.htm>. Acesso em: 10 out. 2012.

_________. MDA. Ministério do Desenvolvimento Agrário. Plano Nacional de Promoção das Cadeias de Produtos da Sociobiodiversidade. Brasília, jul. 2009. Disponível:<http://www.mda.gov.br/sitemda/sites/sitemda/files/user_arquivos_64/PLANO_NACIONAL_DA_SOCIOBIODIVERSIDADE-_julho-2009.pdf>. Acesso em: 05 jul. 2016.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Relatório do I Encontro das Catadoras de Mangaba de Sergipe 2007. Aracaju, SE: Embrapa Tabuleiros Costeiros; Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental. Aracaju, SE, 2007. 39p.

JESUS, P. S. de. Catadoras de mangaba: produtos artesanais, identidade e turismo. Aracaju: Coordenadoria de Hospitalidade e Lazer do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Sergipe, 2010, 20p. (Monografia, Tecnologia em Gestão de Turismo).

___________. Tessituras, tramas e territorialidades das catadoras de mangaba na Barra dos Coqueiros – SE. São Cristóvão: Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal de Sergipe, 2017, 184p. (Dissertação, Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente).

JESUS, S. M. A. Produção de saberes e práticas de trabalho das mulheres catadoras de mangabas de Sergipe. Relatório para o CNPq. São Cristóvão, Universidade Federal de Sergipe: Grupo de Pesquisa Educação e Movimentos Sociais, 2010. Disponível: <http://www.catadorasdemangaba.com.br/publicacoes/Relatorio_Final_Praticas_das_Catadoras-1.pdf>. Acesso em: 02 jul. 2016.

MCM. Movimento das Catadoras de Mangaba. Carta de reivindicações e demandas das catadoras de mangaba entregue a presidente Dilma Rousseff, em 23 de abril de 2012 na cidade de Rosário do Catete.

MCM. Movimento das Catadoras de Mangaba. Estratégias interinstitucionais para a conservação da atividade extrativista da mangaba em Sergipe. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros. Aracaju/SE: jul, 2008.

MOTA, D. M. da; PEREIRA, E. O. Extrativismo em Sergipe: a vulnerabilidade de um modo de vida. In: Raízes, v. 27, n. 1. Campina Grande, 2008. Disponível em: <http://www.ufcg.edu.br/~raizes/artigos/Artigo_203.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2016.

MOTA, D. M. da; SILVA JUNIOR, J. F. da; SCHMITZ, H.; RODRIGUES, R. F. de A. A mangabeira as catadoras e o extrativismo. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental; Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2011.

______________. Capacitação solidária das catadoras de mangaba. Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2008. 57 p.

OIT. Organização Internacional do Trabalho. Convenção n° 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à ação da Organização Internacional do Trabalho. Brasília: OIT, 2011.

SANTOS, J. V. dos. O Papel das mulheres na conservação das áreas remanescentes de mangabeiras (Hancornia speciosa Gomes) em Sergipe. São Cristóvão: Núcleo de Pós-Graduação em Estudos e Recursos Naturais da Universidade Federal de Sergipe, 2007, 103p. (Dissertação, Mestrado em Agroecossistemas).

SANTOS, P. P.; VILAR, J. W. C. As repercussões territoriais do imobiliário-turístico na produção de derivados da mangaba no litoral sergipano – Brasil. In: Geonordeste, Ano XXV, n. 2. São Cristóvão: UFS, 2014.

SCHMITZ, H.; MOTA, D. M. da; SILVA JÚNIOR, J. F. da; RODRIGUES, R. F. de A.; BATISTA, N. de J.; PEREIRA, E. O. Conflitos e movimento social: ameaças e reações das catadoras de mangaba. IN: A mangabeira, as catadoras o extrativismo. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental; Aracaju: Embrapa Tabuleiros Costeiros, 2011. p. 251-287.

SERGIPE. Lei 7.082, de 16 de dezembro de 2010. Reconhece as catadoras de mangaba como grupo cultural diferenciado e estabelece o auto-reconhecimento como critério do direito e dá outras providências. Disponível em: <http://www.segov.se.gov.br/>. Acesso em: 02 jul. 2016.

SOUZA, M. J. L. de. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In: Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995. p.77-116.

SOUSA, T. R.; LIBERATO, R. S.; JESUS, P. S. Mangaba na Rede: o papel das redes sociais para a promoção do discurso das Catadoras de Mangaba em Sergipe. In: 4º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação, 2012, Recife. Anais...Eletrônicos. Recife: NEHTE/UFPE, 2012, v. 4, p. 1-18. Disponível em: <http://www.nehte.com.br/simposio/anais/Anais-Hipertexto-2012/TaniaSousa&RitaLiberato&PatriciaJesus-Mangabanarede.pdf>. Acesso em: 08 jul. 2016.

Publicado
2018-12-20
Seção
Artigos