A GRANDE SECA E SEUS EFEITOS NA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO RIO GRANDE DO NORTE (2012-2016) (THE GREAT DROUGHT AND THEIR EFFECTS ON AGRICULTURAL PRODUCTION IN RIO GRANDE DO NORTE (2012-2016))

Érika Miranda de Souza, Joacir Rufino de Aquino

Resumo


RESUMO:

O objetivo do presente artigo é fazer um breve balanço da grande seca ocorrida no período de 2012 a 2016 no Rio Grande do Norte (RN) e estudar os seus efeitos na agropecuária estadual. Para tanto, além da revisão da bibliografia disponível sobre o tema, utilizou-se dados secundários de levantamentos da produção agrícola e pecuária realizados pelo IBGE. Ao longo da análise, constata-se que as atividades do setor primário norte-rio-grandense foram abaladas significativamente pela escassez hídrica verificada nos anos de seca. A estiagem prolongada atingiu com graus diferenciados os segmentos rurais, afetando de forma mais intensa a produção de alimentos básicos desenvolvida por pequenos produtores familiares em regime de sequeiro e, em menor proporção, as atividades capitalizadas (cana-de-açúcar, fruticultura irrigada e pecuária intensiva) desenvolvidas por médios e grandes produtores nas áreas de solos mais férteis do campo potiguar.

Palavras-chave: Agropecuária; Produção de Alimentos; Seca; Semiárido Nordestino.

ABSTRACT:

The objective of the present article is to make a brief review of the great drought that occurred in the period from 2012 to 2016 in Rio Grande do Norte (RN) and to study its effects on state agriculture. For this, in addition to reviewing the literature available on the subject, secondary data from agricultural and livestock production surveys conducted by IBGE were used. Throughout the analysis, it is observed that the activities of the primary sector of the north-Rio Grande do Sul were significantly affected by the water scarcity verified in the dry years. Prolonged drought affected the rural segments with different degrees, affecting more productively the production of basic foodstuffs developed by small family farmers in the rainfed regime and, to a lesser extent, the capitalized activities (sugar cane, irrigated fruit farm and intensive livestock) developed by medium and large producers in the most fertile soils of the potiguar field.

Keywords: Agriculture; Food Production; Drought; Northeastern Semiarid.


Palavras-chave


Geografia Agrária; Economia Regional

Texto completo:

PDF

Referências


AB’SÁBER, A. N. Sertões e sertanejos: uma geografia humana sofrida. Estudos Avançados. São Paulo, v.13, n. 36, maio/ago, p. 7-59, 1999.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS – ANA. Açudes do semiárido. 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 abr. 2017.

ALPINO, T. M. A.; FREITAS, C. M.; COSTA, A. M. Seca como um desastre. Revista Ciência & Trópico. Recife, v. 38, n. 2, p.109-134, 2014.

ANDRADE, M. C. A problemática da seca. Recife: Liber Gráfica e Editora, 1999.

______. A terra e o homem no Nordeste: contribuição ao estudo da questão agrária no Nordeste. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

AQUINO, J. R.; LACERDA, M. A. D. Magnitude e condições de reprodução econômica dos agricultores familiares pobres no semiárido brasileiro: evidências a partir do Rio Grande do Norte. Revista de Economia e Sociologia Rural. Piracicaba, SP, v. 52, p.167-188, 2014.

AQUINO, J. R.; NASCIMENTO, C. A. O “novo” rural do Rio Grande do Norte revisitado. Caderno de Ciências Sociais Aplicadas. Vitória da Conquista, n. 20, p.135-157, 2015.

AQUINO, J. R.; FREIRE, J. A.; CARVALHO, A. C. A. T. Importância, heterogeneidade e pobreza da agricultura familiar no estado do Rio Grande do Norte. In: CONGRESSO DA SOBER NORDESTE, 12., 2017, Itabaiana, Anais... Itabaiana/SE: SOBER, 2017. 20p. (No prelo).

ARAÚJO, R. RN tem 80 cidades em rodízio d’água. Tribuna do Norte. Natal/RN, p. 11-14, 09 out. 2015. (Caderno Natal).

ARAÚJO, L. A.; LIMA, J. P. R. Transferências de renda e empregos públicos na economia sem produção do semiárido nordestino. Planejamento e Políticas Públicas. Brasília/DF, v.1, n. 33, p. 45-77, jul./dez. 2009.

BNB. Nordeste do Brasil: sinopse estatística 2014. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2014.

CARVALHO, C. P. O. O novo padrão de crescimento do Nordeste Semiárido. Revista Econômica do Nordeste. Fortaleza, v. 45, n. 3, p.160-184, jul-set, 2014.

CONAB. Castanha de caju: Rio Grande do Norte. Conjuntura Mensal. Natal, ano 1, v. 1, p. 1-6, ago. 2016.

EMPARN. Monitoramento pluviométrico do RN: análise de chuvas no ano. Natal/RN, 2017. Disponível em: . Acesso em: 7 abr. 2017.

FELIPE, J. L. A.; CARVALHO, E. A.; ROCHA, A. P. B. Atlas, Rio Grande do Norte: espaço geo-histórico e cultural. João Pessoa: Grafset, 2006.

FELIPE, J. L. A.; ROCHA A. P. B.; CARVALHO, E. A. Economia do Rio Grande do Norte: estudo geo-histórico e econômico. 2. ed. João Pessoa: Grafset, 2009.

FRANÇA, J. M. F.; MORENO, J. C. Uma reflexão sobre os impactos causados pela seca no Rio Grande do Norte de 2012 a 2016. Parcerias Estratégicas. Brasília/DF, v. 22, n. 44, p. 213-232, jan./jun. 2017.

FREIRE, J. A. O impacto da seca no PIB do RN em 2012: desfazendo mitos. Blog Economia do RN. Natal, 13 jun. 2012. Disponível em: . Acesso em: 7 jul. 2012.

______. Panorama da agropecuária potiguar. Natal: IBGE, 2017. 19p. (Apresentação PowerPoint).

HESPANHOL, A. N. Apropriação de recursos naturais pela fruticultura irrigada no semiárido do Rio Grande do Norte – Brasil. Revista Ciência & Trópico. Recife, v. 41, n. 1, p. 103-118, 2017.

IBGE/SIDRA. Censo Agropecuário 2006: Brasil, grandes regiões e unidades da federação – segunda apuração. Rio de Janeiro: MPOG/IBGE, 2012. Disponível em: . Acesso em: 28 maio 2017.

KHAN, A. S.; CAMPOS, R. T. Efeitos das secas no setor agrícola do Nordeste. In: MAIA GOMES, G.; SOUZA, H. R.; MAGALHÃES, A. R. (Orgs.). Desenvolvimento sustentável no Nordeste. Brasília, IPEA, 1995. p.175-194.

LIRA, I. Alimentos: percurso extenso e caro até o RN. Tribuna do Norte. Natal/RN, 22 out. 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2017.

MAIA GOMES, G. Velhas secas em novos sertões: continuidade e mudanças na economia do Semiárido e dos Cerrados nordestinos. Brasília: IPEA, 2001.

MENDES, A.; ARAÚJO, R. Programa do Leite encolhe e abre lacunas no RN. Tribuna do Norte. Natal/RN, p. 1-8, 01 jul. 2012. (Caderno Economia).

NEVES, J. A. et al. Análise pluviométrica do Rio Grande do Norte: Período: 1963-2009. Natal: EMPARN, 2010.

NYS, E.; ENGLE, N. L.; MAGALHÃES, A. R. Secas no Brasil: política e gestão proativas. Brasília: CGEE/Banco Mundial, 2016.

OLIVEIRA, R. P. Transferências governamentais e previdência social rural nas microrregiões do Rio Grande do Norte. 2017. 149f. Dissertação (Mestrado em Estudos Urbanos e Regionais) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal/RN, 2017.

PAM/IBGE/SIDRA. Pesquisa Agrícola Municipal. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2017.

PPM/IBGE/SIDRA. Pesquisa Pecuária Municipal. Rio de Janeiro: IBGE, 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2017.

SEMARH. Situação volumétrica dos reservatórios de água do Rio Grande do Norte. Natal/RN, 2016. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2016.

VIDAL, M. F. Efeitos da seca de 2012 sobre a apicultura nordestina. Informe rural ETENE. BNB: Fortaleza, ano 7, n. 2, p 1-5, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista GeoNordeste

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN: 2318-2695