INDICADORES SOCIOECONÔMICOS DE DESERTIFICAÇÃO: A ANÁLISE DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA NO POLO REGIONAL DE JEREMOABO – BAHIA (SOCIOECONOMIC INDICATORS OF DESERTIFICATION: ANALYSIS OF AGRICULTURAL AND ANIMAL PRODUCTION IN THE REGIONAL POLE OF JEREMOABO - BAHIA)

Israel de Oliveira Junior, Jocimara Souza Britto Lobão, Barbara-Christine Nentwig Silva, Anderson de Jesus Pereira

Resumo


RESUMO:

O jogo de relações entre a sociedade e a natureza nas terras secas denota a insustentabilidade ambiental das práticas, técnicas e tecnologias humanas. A materialização da desertificação ultrapassa a capacidade de manutenção do equilíbrio dinâmico dos ambientes e da resiliência ambiental, evidenciada em diferentes espaços mundiais e brasileiros. Por meio desta pesquisa analisou-se a vulnerabilidade ambiental à desertificação no contexto baiano do polo regional de Jeremoabo a partir da aplicação de indicadores agropecuários. A área encontra-se entre aquelas suscetíveis à desertificação e foi selecionada pelo governo da Bahia para a realização de um diagnóstico ambiental fundamentador do Plano Estadual de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca. Os indicadores se referiram à produção agrícola e pecuarista, em que dados da bovinocultura, caprinocultura, ovinocultura, da produção e da produtividade de feição e milho foram avaliados no período de 2001 a 2011. A associação das informações agropecuárias com as informações sobre o clima regional evidenciou os efeitos das oscilações temporais meteorológicas na agropecuária. Em anos de seca existe uma perda acentuada da produção e uma desestruturação socioeconômica. Evidenciou-se a alta vulnerabilidade ambiental, em função da incompatibilidade das técnicas e práticas socioprodutivas em um ambiente dominado pelo clima tropical semiárido e suscetível à desertificação.

Palavras-chave: Agricultura; Pecuária; Degradação Ambiental.

 

ABSTRACT:

The relationship between society and nature in arid areas denotes the environmental unsustainability of human practices, techniques and technologies. The materialization of desertification exceeds the capacity of maintenance of the dynamic balance of environments and of environmental resilience, evidenced in different world and Brazilian spaces. Through this research, we investigated the environmental vulnerability to desertification in the context of Bahia state’s the regional pole of Jeremoabo based on the application of agricultural and animal productions indicators. The area studied belongs to those susceptible to desertification and was selected by the government of Bahia’s state for the conduction of an environmental diagnosis that will serve as basis for that State’s Plan to Combat Desertification and Mitigate the Effects of Drought. The indicators were related to agricultural and animal production so that data from bovine, goat and sheep production and from both production and productivity of beans and corn were evaluated over the period from 2001 to 2011. When connecting the agricultural and animal production information data with that about the regional weather, there was an evidence of the effects of temporal climate oscillations on agricultural and animal production. For instance, in drought years there is a high loss of production and a socioeconomic disruption. Therefore, our results indicate that there is a high environmental vulnerability because of incompatibility of socio-productive techniques and practices in an environment predominated by a semiarid tropical climate and susceptible to desertification.

Keywords: Agriculture; Animal Production; Environmental Degradation.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHAM, E. M. Metodología para el estudio integrado de los procesos de desertificación. Aporte para el conocimiento de sus causas y evolución. In: CURSO DE DESERTIFICACIÓN Y DESARROLLO SUSTENTABLE EN AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE, 5, 1995, Montecillo. Anais… Montecillo: FAO, PNUMA, CPCA, 1996, p. 67-80.

BAHIA. Plano de ação estadual de combate à desertificação e mitigação dos efeitos da seca. Salvador: SEMA, 2014.

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global: um esboço metodológico. Cadernos de Ciências da Terra. São Paulo, n. 13, p. 1-27, 1971.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Caprinocultura na Bahia. Brasília (DF): Conab, 2006. Disponível em: < http://www.conab.gov.br/conabweb/download/sureg/BA/caprinocultura_na_bahia.pdf >. Acesso em: 18 ago. 2013.

CHRISTOFOLETTI, Antônio. Analise de sistemas em geografia: introdução. São Paulo, SP: Hucitec, 1979.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso futuro comum. 2. ed. Rio de janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

HARE, F. K et al. Desertificação: causas e consequências. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1992.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa agrícola municipal, 2001 a 2011. Disponível em: < http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/tabela/listabl.asp?z=t&o=11&i=P&c=1612 >. Acesso em: 15 jul. 2013.

______. Pesquisa pecuária municipal, 2001 a 2011. Disponível em: < http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pecua/default.asp?t=5&z=t&o=24&u1=1&u2=1&u3=1&u4=1&u5=1&u6=1&u7=1 >. Acesso em: 15 jul. 2013.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE). Programa de Monitoramento Climático em Tempo Real da Região Nordeste (PROCLIMA). 2013. < Disponível em: http://www6.cptec.inpe.br/proclima/index.shtml >. Acesso em: 15 jun. 2013.

KERBAUY, G. B. Fisiologia vegetal. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.

LIMA, K. C. Caprinocultura e agricultura familiar no Semiárido baiano: um olhar sobre o Programa Cabra Forte. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável, da Universidade de Brasília, Brasília (DF), 2008. Disponível em: < http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/1306/1/DISSERTACAO_2008_KatiaCorreiaLima.pdf >. Acesso em: 18 ago. 2013.

LOBÃO, J. S. B.; SILVA, B. C. N. Análise socioambiental na região semiárida da Bahia: geoprocessamento como subsídio ao ordenamento territorial. Feira de Santana: UEFS Editora, 2013.

NIMER. E. Desertificação: realidade ou mito? Revista Brasileira de Geografia, Rio de Janeiro, v. 50, n.1, p.7-39, 1988.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

REBOUÇAS. Aldo da C. Água no Brasil: abundância, desperdício e escassez. Bahia Análise & Dados. Salvador, v. 13, n. Especial, p. 341-345, 2003.

SALES, M. C. L. Estudo da degradação ambiental em Gilbués – PI: reavaliando o núcleo de desertificação. Dissertação (Mestrado em Geografia Física) – Programa de Pós Graduação em Geografia Física, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

SUPERINTENDÊNCIA DE ESTUDOS ECONÔMICOS E SOCIAIS DA BAHIA (SEI). Balanço hídrico do estado da Bahia. Salvador: SEI, 1999.

TORRES, L. M. et. al. Las dimensiones socioeconómicas de la desertificación: avances en la utilización de indicadores. Un ejercicio en el caso de Mendoza, Argentina. In: MORALES, C. PARADAS, S. Pobreza, desertificación y degradación de los recursos naturales. Santiago del Chile: Naciones Unidas, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista GeoNordeste

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

ISSN: 2318-2695