“Nós fizemos a revolução, para perpetuar a democracia, e não para destruí-la a pretexto de salvá-la”: Carlos Lacerda e a crise de 1964

  • Fabrício Ferreira de Medeiros

Resumo

Este trabalho examina a trajetória política de Carlos Lacerda, com o fim de discutir certos impasses da consolidação da democracia brasileira entre as décadas de 1940 e 1960. Para tanto, analiso as bases sociais e ideológicas do lacerdismo, as ambiguidades do liberalismo udenista e da modernização da imprensa brasileira, a relação de Lacerda com o getulismo e a crise do regime democrático que culminou com o golpe empresarial-militar de 1964. Parto da hipótese de que a dificuldade de aceitar formas ampliadas de participação política e o recurso a golpes de Estado são elementos representativos não só do lacerdismo e do udenismo, como também dos dilemas colocados pelas elites em nosso país em face dos movimentos de democratização e modernização.
Palavras-chave: Carlos Lacerda. Democracia. Liberalismo. Golpe de Estado. Getulismo.

Publicado
2020-12-28