Da virtude inabalável ao questionamento desiludido: uma análise do agente contraterrorismo no cinema estadunidense pós-11 de setembro

  • Andrey Augusto Ribeiro dos Santos

Resumo

Este artigo busca analisar como os atentados de 11 de setembro de 2001 e a resposta dada pela comunidade internacional, a Guerra ao Terror, influenciou a produção fílmica estadunidense no recorte temporal compreendido entre os anos de 2005 e 2013, observando as discussões que surgem a partir da representação do agente contraterrorista. Esses atentados impactaram fortemente o mundo, principalmente os Estados Unidos, de uma maneira negativa, voltando os olhares para o terrorismo enquanto um problema internacional e sendo responsável pelo surgimento de uma série de traumas. Considerando o Cinema como um produto da sociedade que o produz, é possível analisar como esse contexto influenciou os filmes do período. Assim, utilizando o método comparativo, será observado aqui um grupo de filmes produzidos dentro do recorte temporal escolhido para a análise, dentre os quais os principais são Munique (Munich, no original, 2005), O Traidor (Traitor, no original, 2008) e Rede de Mentiras (Body of Lies, no original, 2008).

Palavras-Chave: Atentados de 11 de setembro de 2001; Cinema; Terrorismo.

Publicado
2021-09-30