Retóricas identitárias no circuito do Choro de Aracaju

Daniela Bezerra

Resumo


Recebido: 26/03/2014

Aprovado: 30/03/2014

Publicado: 09/04/2014

O presente artigo representa parte do debate levantado em minha dissertação de mestrado, intitulada, Rodas de choro” em Aracaju: uma discussão sobre o circuito do choro na capital sergipana. Na ocasião, a proposta foi entender a relação entre música, estilos de vida e processos de construção identitária, em outras palavras, a música foi tomada como fator indispensável para o entendimento da formação e das estratégias de grupos. O trabalho pretende, nesse novo momento, discutir a construção das narrativas de erudição e nacionalidade do estilo musical denominado choro e como estas acabaram organizando hierarquias. O ponto de partida aqui foi perceber que a música é capaz de gerar ordens morais, produzir valores, criar conflitos e ser elemento fundamental para a identificação de um grupo, de modo que seu estudo é uma faceta metodológica que nos dá subsídios para compreensão das experiências e subjetividades encontradas no universo social.

Palavras- chave: Rodas de choro. Retóricas Identitárias. Relações de Poder.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.

  
 
GET Grupo de Estudos do Tempo PresenteCidade Universitária Prof. José Aloísio de Campos Rod. Marechal Rondon, S/N - Sala 06 do CECH/DHI Bairro Rosa Elze - São Cistóvão/SE