n. 6 (2014): ISSN 2357-9145

O Boletim Historiar encerra 2014 com a sensação de dever cumprido. Desde o nosso primeiro número, enfrentamos e vencemos diferentes desafios. Para fechar com chave de ouro, estamos publicando nesta edição nosso primeiro dossiê intitulado Nova História Política: “novos” e “velhos” caminhos para se fazer história, organizado por Natália Abreu Damasceno. O dossiê discute a Nova História Política a partir de trabalhos com abordagens aparentemente mais tradicionais, bem como através de análises mais inovadoras.

O dossiê é composto por cinco artigos. Iniciando temos Angelita Cristina Maquera em A historiografia do movimento operário brasileiro na década de 1980: uma análise política, que procura compreender a historiografia sobre o operariado brasileiro. Em seguida, O nascimento da polícia em Londrina de 1934 a 1955, Ingrid Carolina Ávila analisa a ação do aparato policial na cidade de Londrina por meio da perspectiva de Michel Foucault. O terceiro artigo, de autoria Natália Abreu Damasceno, Pelo poder de “fazer ver” e “fazer crer”: as relações Brasil-Estados Unidos a partir do jornal Última Hora (1951-1954), observa questões das relações internacionais a partir de um periódico impresso fundamental nos estudos do Brasil de meados do século XX.

O dossiê ainda conta com o texto Música, neofascismos e a Nova História Política: Uma análise sobre a presença do Hate Rock no Brasil (1990-2010), de Pedro Carvalho Oliveira, que investiga o fascismo no Brasil através da análise de músicas como ferramentas disseminadoras do discurso de ódio. Por fim, Bruce dos Santos e Letícia Augustin em Wikileaks, Snowden e a Nova História Política analisam os vazamentos de informações dos casos Wikileaks e Snowden.

Para fechar a edição também publicaremos a resenha de Sabrina Fernandes Melo Um quiosque na ponta extrema do Kamchatcka. Assim, desejamos um Feliz Ano Novo e agradecemos a colaboração e apoio de todos.

 

Os editores

 

Publicado: 2014-12-31