n. 20 (2017): ISSN 2357-9145

Mais uma edição no ar e com ela chegamos a vinte números lançados. Nessa caminhada conquistamos não apenas Qualis B4 em história, mas também conseguimos expandir para outras áreas do conhecimento como C em educação, B5 em sociologia e geografia, e B4 em letras/linguística, planejamento urbano e regional/ demografia e administração pública e de empresas, ciências contábeis e turismo.

Para continuarmos nessa empreitada manteremos com nosso compromisso em publicar mais uma edição tendo como seu primeiro trabalho o artigo de  Karla Karine de Jesus Silva cujo objetivo  é fazer uma discussão entre as ideias de diversos autores para analisar os usos da biografia pela história. Ou seja, em um estudo metodológico da História e Biografia, a autora nos apresenta os tipos de textos biográficos e como eles podem ser usados como fontes para a escrita da história a partir dos pensamentos de diversos teóricos e historiadores, como por exemplo, Giovanni Levi e Pierre Bourdieu.

Em seguida, ainda sobre indivíduos, mas em um estudo de caso no campo da História e Educação, Adriana Mendonça Cunha analisa como o estadunidense Robert King Hall atuou no programa de educação rural do INEP. A autora analisa as viagens que o pesquisador fez ao Brasil na década de 1940 e sua atuação no programa do governo brasileiro de aprimoramento do ensino na zona rural, contextualizando essa ação com as relações políticas e diplomáticas que o Brasil mantinha com os EUA na época. Já em uma análise de História Social, Bruna Rafaela de Lima Lopes faz uma estudo sobre uma disputa escrita entre o padre Luiz Gonzaga do Monte e o médico Esmeraldo Siqueira entre 1936 e 1937 no Rio Grande do Norte. A autora analisa, por meio de jornais da época, como se deu o embate de ideias entre a ciência e a religião através desses dois personagens, observando  os locais de fala de cada um. Para isso, ela utiliza como aporte teórico as ideias de Roger Chartier e Michel de Certeau. 

Nosso quarto artigo, autoria de Mônica Porto Apenburg Trindade, trata de uma revisão historiográfica sobre o Estado Novo de obras a partir dos anos 1980. Assim, a autora nos mostra como o tema é tratado nesses trabalhos, as mudanças na maneira de interpretar esse acontecimento histórico sob novas perspectivas e, em seguida, apresenta como essa historiografia aborda esse tema em relação aos Livros Didáticos.  Na sequência, no campo do poder e ainda sobre a escrita da história, o texto de Flávio Rafael Mendes Campos, analisa e explicita fatores considerados “secundários” pela historiografia da Segunda Guerra Mundial, mas que tiveram grande importância no cenário geral. Em sua análise, o autor utiliza uma vasta gama de relatórios, testemunhos e jornais disponibilizados on-line.

Na área das Relações Internacionais,  o texto de Caíque Leite de Holanda Gomes, traz uma análise de como a queda no valor das exportações do petróleo e gás, aliados à outros fatores, contribuíram para o início de uma crise financeira no Rio de Janeiro.  Ao realizar sua análise, o autor faz um debate a cerca das ideias de sensibilidade e vulnerabilidade imbuídas na teoria da Interdependência Complexa. O autor também discute quais opções o estado do Rio de Janeiro tem para diminuir sua sensibilidade e vulnerabilidade aos embarques petrolíferos.

Por fim, pautado no campo da História do Tempo Presente, o texto dos autores Diego Leonardo Santana Silva e Carolline Acioli Oliveira Andrade, analisa o blog “Solidariedade à Coréia Popular” (S.C.P.). Trata-se de um Blog brasileiro, fundado em 2010 que tem como proposta divulgar, de maneira positiva, os ideais Juche - a ideologia de Estado da Coréia do Norte. A análise é feita por meio das publicações do blog, sites e pela escassa bibliografia existente sobre o tema.

Agradecemos pela colaboração e apoio com submissões de textos e com a frequente divulgação do periódico. Desejamos uma boa leitura a todos. 

Os editores.

 

Publicado: 2017-09-30