O NARRADOR SUSPEITO DE O CONQUISTADOR DE ALMEIDA FARIA

Resumo

Este artigo trata da questão do narrador em O conquistador, de Almeida Faria, procurando analisar o modo como o narrador se posiciona no romance e, consequentemente, o modo como ele concebe o mundo e as coisas, a partir da sua visão privilegiada do real. Com seu narrador homodiegético, o autor procura fazer uma crítica à fixação do português por um dos maiores mitos de Portugal, o de D. Sebastião.

Palavras-chave: Personagem. Narrador. Homodiegético. D. Sebastião.

Referências

AGUIAR E SILVA, V. M. A estrutura do romance. 3. ed., Coimbra: Almedina, 1974.

BERGSON, H. Matéria e memória. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

DOSSE, F. A história em migalhas (Dos Annales à Nova História). Bauru: EDUSC, 2003.

FARIA, A. O conquistador, Lisboa: Caminho, 1990.

FERNANDES, R. C. O narrador do romance: e outras considerações sobre o romance. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1996.

FORSTER, E. M. Aspectos do romance, Porto Alegre: Globo, 1969.

MOISÉS, M. A criação literária (Prosa I), 10. ed., São Paulo: Cultrix, 1982.

LUKÁCS, G. Teoria do romance, Lisboa: Editorial Presença, s.d.

TODOROV, T. “Les catégories du récit littéraire”. Comunications, Paris: Seuil, 1966.

Publicado
2019-06-12